terça-feira, 30 de abril de 2019

Quando a fé é mais forte que a lei dos homens

Véspera do feriado de 1º de maio e os vereadores paulistanos aprovaram nesta terça-feira, 30 de abril, depois de quatro semanas buscando acordo, um polêmico projeto do IPTU (veja a pauta do dia).

Além de cancelar o aumento abusivo de 2019 e preparar terreno para o reajuste de 2020, com alteração do valor venal dos imóveis e consequentemente das faixas de descontos e isenções, o projeto traz embutida ainda uma manobra para livrar do IPTU a propriedade privada de religiosos.

Você entendeu? A chamada bancada evangélica conseguiu aprovar uma imunidade tributária para as construções anexas de suas igrejas, que já não pagam impostos.

Ou seja, aprovada a manobra, devem ficar isentos do IPTU os imóveis particulares em nome dos religiosos, incluindo estabelecimentos comerciais como estacionamentos, lojas, lanchonetes, salões de eventos e outros.

É ou não é uma mãozinha e tanto de Deus para esses empreendedores da fé?

sábado, 27 de abril de 2019

Bolsonaro: Do mito ao mico no #Olhar23



No mundo surreal do #Olhar23, eleitor de Bolsonaro comenta com orgulho as ações do presidente na semana. Assista.

- Corte nos cursos de Humanas;

- Veto à campanha do Banco do Brasil;

- Deixar claro que o País não é paraíso gay para turista, mas quem quiser vir aqui fazer sexo com mulher, fique à vontade.

- E o mito responde ainda às críticas de mulheres feministas, comunistas e mal amadas.

Em clima de "déjà vu", o #ProgramaDiferente debate a censura, as fake news e a liberdade de imprensa



Em meio a um ruidoso episódio de censura a veículos de mídia pelo Supremo Tribunal Federal, revogada após a péssima repercussão pública que teve o caso, e um inquérito que promete apurar a origem de notícias e opiniões ofensivas aos ministros do STF, o #ProgramaDiferente trata do tema: Fake news e liberdade de imprensa.

Desde o ano passado muito se fala muito das fake news, inclusive que teriam influenciado no resultado das eleições de 2018. Mas, afinal, como anda o jornalismo na era das redes sociais e dos influenciadores digitais? Como se proteger das informações falsas? Qual o papel da grande imprensa nos dias de hoje? Como garantir o profissionalismo, a qualidade e a credibilidade da profissão de jornalista? Assista.

sexta-feira, 26 de abril de 2019

Até Lula e Dilma defendem a Reforma da Previdência


Num dia em que a hashtag #PrevidênciaAHoraÉAgora ficou entre os chamados TTs (trending topics), que são os termos mais comentados do twitter, não custa lembrar o que Lula e Dilma diziam sobre a Reforma da Previdência quando o PT era governo, né? Assista.

quinta-feira, 25 de abril de 2019

O mico do dia no #Olhar23: Bolsonaro censura propaganda de aplicativo do Banco do Brasil



A última do presidente tuiteiro e fiscal da vida alheia Jair Bolsonaro, o meme que virou presidente, foi proibir uma campanha publicitária do Banco do Brasil que já estava no ar. Direcionada aos jovens, divulgava o serviço de abertura de contas pelo aplicativo do banco.

Mas o que será que tanto incomodou Bolsonaro a ponto de vetar o comercial? Uma linguagem muito descolada? Muita mulher na propaganda? Ou muita gente preta? Será???!!! O #Olhar23 traz mais essa vergonha alheia do mito que virou mico. Assista.

Issoaê não tem condição de ser presidente, talquei?



O presidente Jair Bolsonaro lê seus discursos com a desenvoltura de uma criança de 5 anos em início de alfabetização. A diferença é que a criança vai progredir.

Quando pensa - se é que pensa, ou pensam por ele - é em 140 caracteres; 280 estourando.

Por outro lado, assistir ao noticiário sobre Bolsonaro desperta saudades de Odorico Paraguaçu. Nos velhos tempos, porém, a paródia se limitava à ficção. Hoje a piada é realidade.

O meme que virou presidente e suas três fraquejadas na política envergonham o Brasil que vive fora da bolha ideologizada e idiotizada.

E seguem os ataques ao vice-presidente, tratado como traidor e inimigo. E seguem as intrigas entre os grupos internos do governo. Lembra as velhas lutas de Telecatch. Quando Ted Boy Marino vai entrar no ringue imaginário contra o astrólogo-zumbi Olavo de Carvalho?

“Uma caneladinha aqui, outra ali é normal”, tenta justificar o ministro Onyx Lorenzoni. Que piada, hein, meu caro!?

Esse governo junta um bando de desqualificados, limítrofes e desequilibrados.

Solidariedade ao vice General Mourão, fritado em praça pública pelo clã de lunáticos.

O Brasil merece coisa melhor! 🇧🇷 🙏🏻

Sarney, Itamar, Temer, Mourão.

Aguardemos.

(Obs. O teleprompter deve ser comunista!)

Polêmica na Câmara intriga os paulistanos: Será que basta ter fé para não pagar IPTU?



Esse projeto do IPTU vai para mais de um mês na pauta da Câmara Municipal de São Paulo, à espera da segunda e definitiva votação. Parece aquelas novelas arrastadas e de enredo confuso, em que o autor escreve várias tramas paralelas para distrair o público enquanto não chega aquele final da história que todo mundo já sabe qual é. Veja a boa matéria do SPTV.

O problema é que, além do cancelamento da cobrança indevida de 2019 e da projeção de aumento do IPTU para 2020 em consequência do reajuste do valor venal dos imóveis, a chamada bancada evangélica deu um jeitinho de enfiar no projeto do Executivo uma imunidade tributária para as construções anexas de suas igrejas, que já não pagam impostos.

Agora, se aprovada a manobra, devem ficar isentos até mesmo os imóveis particulares em nome dos religiosos, incluindo estabelecimentos comerciais como estacionamentos, lojas, lanchonetes, pátios de eventos e outros. É ou não é uma mãozinha e tanto de Deus para esses empreendedores da fé?

Os vereadores tentaram votar nessa quarta-feira, 24 de abril, o substitutivo do governo com o penduricalho religioso, mas a base não somou os 28 votos necessários (entre 55 parlamentares). Agora vem o feriado de 1º de maio e mais uma semana de espera para o governo e a bancada evangélica voltarem à carga para garantir a aprovação.

Uma coisa é certa: para o cidadão comum, vem aumento por aí! Seja o reajuste até o teto máximo previsto de 10% do valor cobrado atualmente, seja porque o seu imóvel vai ter o valor venal reajustado e, com isso, subirá na faixa de descontos e isenções do tributo, perdendo esses benefícios.

O vereador Claudio Fonseca, líder do Cidadania, é categórico na crítica à isenção para as propriedades de religiosos. "É dispensável num projeto de lei como esse que trata somente de corrigir um lançamento indevido do IPTU de 2015 a 2018", afirma. "Está se fazendo da oportunidade um oportunismo."

quarta-feira, 24 de abril de 2019

De olho na pauta da Câmara de São Paulo

Volta à pauta da Câmara Municipal de São Paulo, pela terceira semana consecutiva, o projeto do Executivo que trata do cancelamento dos aumentos abusivos do IPTU de 2019 e prevê para 2020 uma revisão da chamada Planta Genérica de Valores, que altera o valor venal dos imóveis e consequentemente também modifica as faixas de descontos e isenções.

A aprovação do projeto vai mexer no bolso de muita gente, mas as informações sobre a quantidade de contribuintes que serão atingidos seguem desencontradas. Em ano eleitoral, em que o prefeito e os vereadores buscarão a reeleição, aumento de imposto é um assunto delicadíssimo. Com os atuais problemas de zeladoria da cidade, então, a cobrança da população aumenta: ninguém quer pagar mais caro e não ver o resultado no dia a dia.

Também há uma pauta de projetos dos vereadores em segunda e definitiva votação. Tem de hospital veterinário público na Capela do Socorro ao procedimento de higienização das bandejas de restaurantes, lanchonetes e redes de fast food. Tem proibição de cursos à distância na área da saúde.

Tem programa municipal de prevenção ao suicídio; obrigatoriedade da instalação de dispositivo de segurança em áreas de piscinas; plano de segurança hídrica; regulamentação do passe livre aos policiais civis e militares e aos integrantes da guarda civil metropolitana no transporte coletivo, mesmo se não estiverem fardados (por questão de segurança); proibição de cigarro e narguilé nos parques públicos; entre outros. Fique de olho!

terça-feira, 23 de abril de 2019

Presidente Bolsonaro, o Exterminador da Cultura

Qualquer ser pensante, minimamente inteligente, valorizaria a Cultura do seu país. Para um bom governante, então, é um verdadeiro bálsamo encorajar as manifestações artísticas, estimular a economia criativa e promover a qualidade de vida do seu povo.

Não é o caso do presidente Jair Bolsonaro, obviamente, como ele demonstra com essa infeliz demonização da Lei Rouanet ou com episódios tão lamentáveis quanto, como naquele já tristemente famoso vídeo do "golden shower" no Carnaval, generalizando um ato isolado e propagandeando negativamente para o mundo o maior evento da cultura popular brasileira.

Porém, nada que surpreenda para alguém que tem no combate a um suposto "marxismo cultural", na caça a comunistas imaginários e na verborragia tuiteira suas maiores atividades intelectuais. Apenas nos entristece ver os destinos da nossa Cultura e da nossa Educação entregues a um sujeito tão despreparado, com a inteligência e a sensibilidade de um paralelepípedo. É um retrocesso inestimável.

A milícia virtual bolsonarista nunca entendeu como funciona a Lei Rouanet, autorização criada em 1991 para produtores culturais buscarem investimentos privados em troca de incentivos fiscais a essas empresas patrocinadoras. O exército de brucutus iletrados ouviu o galo cantar e repete sem raciocinar uma ideia totalmente distorcida, de que se trata de um bando de artistas privilegiados vivendo às custas do dinheiro público.

Faz parte do rol de promessas feitas por Bolsonaro para agradar a sua bolha idiotizada e ideologizada acabar com a Lei Rouanet. E ele vai fazer isso, sem dar a mínima para o fato de que irá estraçalhar a Cultura do país e pôr fim a projetos valiosíssimos, de museus a orquestras espalhadas pelo Brasil, passando por teatros, cinemas, shows musicais e festas folclóricas.

Havia erros, desvios, ilegalidades? Apure, corrija e puna! Simples assim. Mas jogar uma bomba atômica sobre o setor cultural - talvez por mera vingança pela resistência imposta ao seu nome e à sua visão retrógrada do mundo e da vida - é de uma crueldade inominável.

Uma das principais medidas que deveriam ser tomadas seria facilitar o incentivo a artistas e atividades populares, de fora dos grandes centros e que não tem tanto acesso à mídia tradicional. Claramente são estes os mais necessitados de apoio estatal e que encontram enormes dificuldades para receber algum patrocínio das grandes empresas.

Mas isso não significa que todos os atuais beneficiários da Lei Rouanet, inclusive artistas consagrados, sejam criminosos ou estejam cometendo alguma irregularidade. Só que é exatamente isso que Bolsonaro e seus milicianos tentam passar à opinião pública com seus ataques insanos e a estratégia covarde do assassinato de reputações. Tentam jogar a população desinformada contra a classe artística, transformando a Cultura em uma rinha de enfrentamento político e ideológico.

Não por acaso, é típico do comportamento fascista criar uma falsa onda moralizadora enquanto ataca direitos e liberdades individuais; levar ao poder governantes autoritários que mitificam seus membros, fortalecem milícias, impõem ideias fraudulentas e verdades absolutas; dissolver grupos opositores, perseguir adversários e instaurar o medo e a censura.

O meme que virou presidente representa um atraso de 50 anos em menos de cinco meses de governo caótico. Foi eleito democraticamente, sem dúvida, mas não é um democrata. Posa de liberal mas é um reacionário. Finge ser reformista mas é um títere do sistema defenestrado na redemocratização. É o antípoda do político republicano com seu populismo destrambelhado, um recalque provinciano e o ufanismo demagógico.

Em resumo: inculto, deseducado, irresponsável e desqualificado para o cargo que ocupa. Um exterminador armado de votos, que tenta reescrever a História e aniquilar a mémória de um povo. Ele próprio, um garrancho eleitoral a ser esquecido. Deslize passageiro num país que ainda precisa ser passado a limpo. Apesar dos pesares, que a Cultura resista!

Mauricio Huertas, jornalista, é secretário de Comunicação do #Cidadania23 em São Paulo, líder RAPS (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), editor do #BlogCidadania23 e apresentador do #ProgramaDiferente.

Dia Mundial do Livro no #ProgramaDiferente



No #DiaMundialDoLivro, vale relembrar dois especiais do #ProgramaDiferente que tratam do gosto pela leitura. O primeiro reapresenta o evento "Você é o que lê", projeto que percorreu o país com Gregório Duvivier, Maria Ribeiro e Xico Sá num diálogo sobre livros, literatura, hábitos de leitura e o papel deste universo literário na formação de cidadãos críticos e conscientes. Assista.

Outro mostra quem o brasileiro lê hoje? Quem são os nossos escritores mais conhecidos e mais influentes? Lemos muito? Lemos pouco? Qual a importância dos livros, da literatura e dos grandes autores na educação e na formação cultural dos nossos jovens? Em plena época digital, será que os livros são um hábito fora de moda? Assista.

segunda-feira, 22 de abril de 2019

#ProgramaDiferente: 35 anos da Cidade Tiradentes, modelo do caos urbano e do erro de planejamento



O bairro de Cidade Tiradentes, no extremo da zona leste paulistana, completou 35 anos neste domingo, 21 de abril. Com dezenas de favelas, centenas de loteamentos irregulares e milhares de unidades habitacionais, a maioria delas construídas na década de 1980 pela Cohab (Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo), é o símbolo do caos urbano e da falta de planejamento daquilo que consideramos hoje "cidades inteligentes". Assista.

Distante cerca de 35 km do centro e idealizada como "cidade dormitório", consome de parcela significativa da sua população cerca de 5 horas diárias apenas no deslocamento para o local de trabalho. Com escassas opções de lazer, baixo padrão de qualidade de vida e desassistida pelo poder público nas suas necessidades mais básicas, merece toda nossa atenção para um reordenamento das cidades, que reaproxime moradia e emprego, e reocupe as regiões centrais.

Bolsonaro posta vídeo de Olavo de Carvalho com ataques aos militares e ao PSL, mas depois deleta



O país que elege um lunático presidente não pode reclamar de ter um astrólogo como guru. Em tempos de fake news, temos um fake líder e um fake filósofo. Não surpreende que Jair Bolsonaro siga tendo comportamento de tuiteiro da 5ª série, mas agora teve uma inovação: ele resolveu atacar os militares e seu próprio partido ao reproduzir os vídeos ofensivos de Olavo de Carvalho.

Caiu como uma bomba entre seus apoiadores. Tanto que, depois de cerca de 20 horas da postagem nos canais de Jair Bolsonaro e do filho Carlos Bolsonaro, o vídeo foi deletado, como se isso bastasse para apagar os rastros da bobagem. Inocentes eles não são. Sabem que nada se esconde nas redes (veja aqui na íntegra).

Naquele baixo nível que é típico de Olavo de Carvalho, quando insanidades são repetidas em tom professoral, ele diz que considera Bolsonaro um "mártir". Por que? "Só de aguentar esses filhos da puta que têm em volta dele. Não dá, não dá."

Ataca principalmente os militares e os "novos políticos", pessoas que, segundo Olavo, decidiram se candidatar a cargos eletivos na esteira da popularidade de Bolsonaro. Uma clara referência ao PSL, o partido do presidente, a quem ele compara negativamente com o PT.

"Dentro do governo é isso que vocês estão encontrando. É só intriga, é só sacanagem, egoismo, vaidade, é só isso que tem. Tem que levantar a cultura e esperar que um dia talvez surja uma classe política melhor, educada por nós", diz.

Em seguida, Olavo de Carvalho passa a reclamar de integrantes das Forças Armadas, dos políticos, dos educadores, da Igreja, da maçonaria. Sobram farpas para todo mundo. Afirma que "os milicos só fizeram cagada", "largaram o povão" e "entregaram o país aos comunistas".

“Todos querem entrar na elite, não derrubar a elite. Tudo o que querem é ficar em Brasília, brilhar e embolsar o dinheiro do governo”, garante.

"Qual foi a última contribuição das escolas militares para a alta cultural nacional? As obras do Euclides da Cunha. Depois de então foi só cabelo pintado e voz empostada. Cagada, cagada. Esse pessoal subiu ao poder em 1964, destruiu os políticos de direita e sobrou o quê? Os comunistas."

Esse é o nível. E o presidente retuitou. Endossou. Parece que feriados prolongados não fazem bem ao estado mental da família Bolsonaro, principalmente nas redes sociais. Durante o Carnaval aconteceu o lamentável episódio do golden shower. Agora é isso.

Mas o tuiteiro da 5ª série solta a provocação e depois se acovarda. Finge que não é com ele. Deletou o vídeo novamente, como fez da vez anterior. Joga a pedra e esconde a mão. No dia seguinte aparece só a janela estilhaçada. Resta varrer os cacos.

quinta-feira, 18 de abril de 2019

A Páscoa e as coincidências deste 21 de abril



Na semana da Páscoa, o #ProgramaDiferente trata da festa cristã que fala de vida e morte, renascimento, ressurreição, mas também das coincidências deste 21 de abril.

Dia emblemático na História do Brasil, véspera do Descobrimento, este domingo de Páscoa que cai no dia 21 traz outras lembranças: é a data em que morreram Tiradentes, Tancredo e Telê, que tem em comum o fato de terem nascido em Minas Gerais, nomes iniciados com a letra T e serem ídolos do povo brasileiro, pelos mais diversos motivos, da política ao futebol.

Foi também o dia do nascimento do santista Mario Covas, ex-governador de São Paulo e um dos maiores políticos do Brasil. Vamos redescobrir esses quatro brasileiros. Nos tempos insanos em que vivemos, nunca é demais relembrar de bons exemplos. Assista.

Vereadores aprovam 28 projetos, entre eles a proibição dos canudinhos plásticos e a chamada "Lei Lula"

Na sessão desta quarta-feira, 17 de abril, depois de meses de pauta travada na Câmara Municipal de São Paulo, foram aprovados em segunda e definitiva votação 28 projetos de autoria dos vereadores, entre eles a proibição do uso de canudinhos plásticos e a chamada "Lei Lula", que seguem agora para sanção ou veto do prefeito Bruno Covas (PSDB).

"Lei Lula"

O PL 695/2017 proíbe a denominação de logradouros públicos quando os homenageados cometerem "graves crimes contra a sociedade". Segundo os autores, Rinaldi Digilio (PRB) e Fernando Holiday (DEM), o foco principal foram "políticos corruptos".

Como demonstra a foto divulgada por Digilio (repetindo cena já famosa no Rio de Janeiro, quando rasgaram uma placa com o nome da vereadora Marielle Franco), não foi por acaso o apelido de "Lei Lula".

Canudinhos proibidos 

O PL 99/2018, do vereador Xexéu Tripoli (PV), teve coautoria de 48 parlamentares, entre eles Soninha Francine (#Cidadania23), e proíbe o fornecimento de canudos plásticos por bares e restaurantes na capital paulista. 

Uma curiosidade: a lei recebeu 32 votos favoráveis e dois contrários, dos vereadores Fernando Holiday (DEM) e Janaína Lima (NOVO). Ou seja, teve menos votos do que coautores, já que nem todos estavam presentes em plenário durante a votação (que foi nominal, ao contrário do que ocorre normalmente, com votação simbólica).

Assim que for sancionada pelo prefeito, ainda será necessária a regulamentação da lei. A partir daí, os estabelecimentos terão 180 dias para se adaptar às novas regras. O descumprimento acarretará multas.

É importante destacar que às vezes se passam anos sem que uma lei seja regulamentada, o que na prática significa que ela não está sendo cumprida. Não deve ser o caso da proibição dos canudinhos, que tem forte apelo junto à opinião pública.

Quem já não viu imagens chocantes de animais marinhos mortos por culpa desses canudinhos?

Porém, que a população tenha clareza do valor simbólico do veto aos canudos. Mais importante é a conscientização sobre os males causados pelo uso excessivo do plástico e pelo descarte irregular desse material (que está muito longe de se limitar aos canudos). 

Profissionais da Educação

Outro projeto aprovado, o PL 51/2009, de autoria do vereador Cláudio Fonseca (#Cidadania23), trata da sugestão ao Executivo para criar um Programa de Formação para Profissionais da Educação que prestam atendimento a crianças e jovens em situação de risco, em liberdade assistida ou vigiada.

IPTU segue em pauta

Retorna à pauta da próxima semana, para segunda e definitiva votação (que vem sendo adiada por falta de entendimento político e para ajustes finais no substitutivo), o projeto do Executivo que cancela o aumento do IPTU de 2019 considerado abusivo, estabelece um teto de 10% para reajuste e autoriza a revisão da chamada planta genérica, que aumentará o valor venal dos imóveis para 2020.

Na prática, significa que o IPTU do próximo ano vai pesar no bolso de todo mundo: para alguns, com um aumento limitado ao teto de 10%; para outros, porém, a mudança do valor venal vai interferir na faixa de isenções. Quem não pagava nada pode começar a pagar e quem tinha desconto pode perdê-lo. Vamos ficar de olho!

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Vergonha Alheia neste Brasil sem rumo: Escolinha do Presidente Bolsonaro... e a Previdência, ó!



Seu Eugênio, Dona Cacilda, Armando Volta, Pedro Pedreira, Zé Bonitinho, Aldemar Vigário, Seu Boneco, Ptolomeu, Patropi, Seu Peru, Paulo Cintura, Nerso da Capitinga, Rolando Lero, Dona Cândida, João Canabrava, Catifunda...

É a Escolinha do Professor Raimundo na Reforma da Previdência. Assista.

Ninguém merece essa Câmara dos Deputados, nem esse presidente Jair Bolsonaro. Oposição e governo se igualam no humor involuntário e causam vergonha alheia no cidadão brasileiro. Um show de horrores!

Câmara de São Paulo divulga WhatsApp para cidadãos, enquanto projetos como a proibição de canudos plásticos, o aumento do IPTU, a "Lei Lula" e o veto ao cigarro nos parques seguem para votação

A Câmara Municipal de São Paulo inova ao divulgar um WhatsApp disponível ao cidadão paulistano para trocar informações, receber críticas e sugestões. É o mesmo número da central de telefone fixo dos vereadores: (11) 3396-4000.

Também retorna à pauta para segunda e definitiva votação, que não ocorreu na semana passada por falta de entendimento político e para ajustes finais no substitutivo, o projeto do Executivo que cancela o aumento do IPTU de 2019 considerado abusivo, estabelece um teto de 10% para reajuste e autoriza a revisão da chamada planta genérica, que aumenta o valor venal dos imóveis para 2020.

Na prática, significa que o IPTU do próximo ano vai pesar no bolso de todo mundo: para alguns, o aumento limitado ao teto de 10%; para outros, porém, a mudança do valor venal interfere na faixa de isenções: quem não pagava nada pode começar a pagar e quem tinha desconto pode perdê-lo. Vamos ficar de olho!

Há ainda uma pauta de projetos de autoria dos vereadores, com 49 projetos em 2ª votação e três em 1ª, alguns polêmicos, como a lei que proíbe o uso de canudinhos plásticos em bares e restaurantes da cidade. Outro que veda ou exige a mudança da denominação de logradouros públicos quando os homenageados cometerem "graves crimes contra a sociedade". Está sendo popularmente chamada de "Lei Lula" na Câmara.

Entre outros se destacam também a proibição de cigarro e narguilé em parques públicos; a criação de bolsões de estacionamento para motoboys; a proibição de cursos à distância na área da saúde e a aprovação de um plano de carreira para profissionais de creches e centros de educação infantil.

terça-feira, 16 de abril de 2019

Aspirante a jornalista nas redes sociais comenta censura dos ministros do STF à imprensa no #Olhar23



Hoje você conhece mais um dos inusitados personagens do #Olhar23, esse universo paralelo e surreal do Brasil atual. O jornalista "foca", ou aspirante do jornalismo nas redes sociais, comenta o estranho episódio da censura aos veículos de comunicação determinada pelos ministros do Supremo Tribunal Federal. Vivemos tempos estranhíssimos. Assista.

Direção do #Cidadania23 de São Paulo prepara calendário de atividades para 2019 e 2020

A Direção Executiva do #Cidadania23 de São Paulo se reuniu nesta segunda-feira, 15 de abril, na sua sede municipal.

Foi a primeira reunião desde que o PPS anunciou a mudança de nome, em 23 de março, e que também divulgou a sua carta de princípios.

O objetivo é estabelecer um amplo calendário de atividades para o partido e seus filiados.

A partir de maio, serão promovidos debates e encontros preparatórios para o congresso extraordinário convocado para outubro, quando devem ser definidos os novos estatutos e o programa do #Cidadania23. Também serão agendadas reuniões temáticas com pautas específicas (por exemplo: Educação, Sustentabilidade, Eleição dos Conselhos Tutelares etc.).

Esses eventos são importantes ainda para compartilhar as experiências positivas de mandatários do partido em todo o Brasil. Está previsto para 11 de maio (data sujeita a confirmação), em São Paulo, um encontro com a participação do prefeito de Vitória, Luciano Rezende, e do ex-senador Cristovam Buarque, entre outras personalidades de dentro e de fora do partido.

Para 2020, ano das eleições para vereadores e prefeito, também haverá atividades importantes: além da preparação dos pré-candidatos e da formação da chapa do #Cidadania23 para a Câmara Municipal, no primeiro semestre serão realizados os congressos zonais e o municipal. Para o segundo semestre, passadas as eleições, devem ocorrer os congressos estadual e nacional.

Todas as atividades serão divulgadas com antecedência e, como de praxe, são abertas a filiados e simpatizantes do partido. Participe!

segunda-feira, 15 de abril de 2019

Diretamente das catacumbas da direita retrógrada, múmia bolsonarista manda recado para o presidente Jair Bolsonaro no #Olhar23



Em defesa do homeschooling, o ensino domiciliar, e do resgate dos valores da família tradicional brasileira. Tendo como guru Olavo de Carvalho e ídolo máximo o presidente Jair Bolsonaro. Contra a ideologia de gênero, o marxismo cultural, o mimimi da igualdade feminina e a vitimização de negros e gays. Pelo orgulho hetero! Pela escola sem partido! Pelo combate aos comunistas! São os recados de hoje no #Olhar23 da Múmia Bolsonarista. Assista.

Conheça também o Bolsominion que comemora o aumento da pontuação da Carteira de Habilitação, ideia genial de Bolsonaro para proteger motorista infrator da "indústria de multas"; ou o Olavista que comenta a entrevista de Olavo de Carvalho no programa Conversa com Bial, recebendo ainda a crítica da Intelectual Petista. Quando a realidade é mais ridícula que a paródia, estamos f******.

sábado, 13 de abril de 2019

Sem dias de governo do presidente Bolsonaro

Eles conseguiram subverter até a velha máxima "Si hay gobierno, soy contra".

Desde 1º de janeiro de 2019 "no hay gobierno, por eso estoy contra".

Passamos mais de cem dias sem comando, sem planejamento, sem inteligência, sem estratégia, sem organização. Simplesmente não há governo.

Estamos nas mãos de um aparvalhado, despreparado, desqualificado que não sabe o que fazer nem o que dizer quando precisa demonstrar equilíbrio, sensatez e autoridade, até porque está numa posição equivocada. O meme que virou presidente não nasceu pra isso! O Brasil merece um destino melhor!

Feito a reencarnação da Magda do humorístico "Sai de Baixo", o tuiteiro da 5ª série afirma, após uma semana de silêncio sobre o pobre coitado assassinado com 80 tiros, que "o Exército não matou ninguém". Que falta faz o Caco Antibes numa hora dessas - até ele, que odeia pobre - pra mandar a anta calar a boca! Ignorar ou ser ignorante, eis a questão. Elegeram uma piada!

Ao se meter em Educação - fossa ideologizada deste (des)governo influenciado pelo astrólogo da Virgínia - cometeu a sandice de afirmar que o objetivo é formar "uma garotada que comece não a se interessar por política, como é atualmente dentro das escolas, mas comece a aprender coisas que possam levá-las ao espaço no futuro". Coerente. Desse jeito nossos jovens e o futuro já estão mesmo indo pro espaço! Ou pra cucuia!

E a trapalhada irresponsável na hora de mandar a Petrobras recuar no reajuste do diesel? O tal mito do liberalismo virou um intervencionista sem vergonha, repetindo os piores momentos de Dilma Roussef e do tão odiado PT. A repercussão, obviamente, provoca uma catástrofe nos índices da economia. 
Vão quebrar o Brasil e a Petrobras? Será que os bolsominions investem na Bolsa?

Curioso que um dia desses o trio de fraquejadas políticas - Carluxo, Flavinho e Dudu - comemorou a alta recorde da Bovespa atribuída ao otimismo da sociedade com o papi Pateta. Agora ficaram caladinhos. A culpa é da imprensa, claro! E o "Posto Ipiranga", o que tem a dizer? Nada! 

Mas não basta ser alienado, aloprado, biruta, desatinado, destrambelhado, insano, mentecapto. Além de tudo isso também precisa ser assassino. Em cem dias, o sem governo libera 152 agrotóxicos. Boa parte dessa lista, diga-se, é proibida nos países minimamente civilizados, preocupados com a saúde de suas populações. Aqui, f***-se o brasileiro!

O retrocesso na área da sustentabilidade vem de todas as direções. Nosso exterminador do futuro tupiniquim, que já havia dizimado a Funai e o Serviço Florestal, resolveu também extinguir as multas ambientais. Faz sentido para quem estava há anos com uma multa do Ibama entalada na garganta - pior que espinha de peixe - depois de ser flagrado por pesca ilegal em área de preservação. Anula a própria punição e, ao contrário, pune o fiscal. Gênio da vingança, Bolsonaro!

Por decreto, nos cem dias o sem governo extingue ou esvazia conselhos, comitês e comissões de participação popular, incluindo o Conselho Nacional do Meio Ambiente e o Fórum Brasileiro de Mudança do Clima, essa invencionice esquerdista (que Donald Trump também despreza, graças a Deus e a Olavo de Carvalho), conspiração comunista de quem adora fake news!

Ah, vá, mas tem notícia boa: o Bolsa Família ficará com o maior poder aquisitivo da sua história, festeja o ministro Osmar Terra, retuitado pelo presidente. Diz ele que isso equivale a um aumento de 8,3% neste ano, que será pago integralmente em dezembro. Quase três vezes mais que a inflação. Viva*!

(* Uai, mas o governo Bolsonaro não era contra o Bolsa Família, prezado ministro Osmar Terra? Não se tratava de um programa assistencialista, caçador de votos, sem porta de saída e perpetuador da miséria? Não votaram nesse presidente justamente pra acabar com isso? Roubou a bandeira da esquerda, capitão?)

Pula para outro assunto: "O nazismo é de esquerda". Hmmm. Outro. "É possível perdoar o Holocausto, mas não esquecer". Outro, por favor. "No Brasil nunca teve ditadura". Passa. "O nosso voto na ONU será baseado na Bíblia". Algo mais ameno. "O que é golden shower?"Meu Deus, os neurônios Tico e Teco não se entendem na cabeça do presidente! Socorro!

Depois de passar pelo Amapá, Bolsonaro se manifestou: Era o único estado que não tinha visitado durante a campanha, segundo ele (reproduzido textualmente) "devido a facada quase fatal que sofri de um ex-integrante do PSOL, braço esquerdo do PT e PCdoB".

Convenhamos que é uma canalhice associar a "facada quase fatal" a esses partidos. Somos críticos dos métodos da velha esquerda tanto quanto da direita ressurgida das catacumbas. Certas atitudes e golpes abaixo da linha da cintura são inaceitáveis. Baixo nível, petismo e bolsonarismo, tudo a ver! Isso a
tenta contra o bom senso e a verdade. Sem limites.

Sem governança, sem transparência, sem participação popular, sem controle social, sem cidadania, sem democracia. Cem anos de atraso em cem dias sem governo. E sem oposição, porque o Brasil segue dividido entre as duas bolhas ideologizadas e idiotizadas: uma falsa esquerda, corrupta, desnorteada e incompetente contra uma direita pseudo liberal, mas tristemente preconceituosa, truculenta e retrógrada. Assim não dá mais, talquei?

Mauricio Huertas, jornalista, é secretário de Comunicação do #Cidadania23 em São Paulo, líder RAPS (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), editor do #BlogCidadania23 e apresentador do #ProgramaDiferente.

sexta-feira, 12 de abril de 2019

Obrigado, presidente Bolsonaro. Finalmente teremos um Brasil livre das fake news e dos comunistas!

Viva o homeschooling! Com o ensino domiciliar enfim poderemos exercer controle absoluto sobre as nossas crianças, impedindo que elas sejam desvirtuadas nas mãos de comunistas travestidos de educadores, interessados em fazer lavagem cerebral na cabeça dos alunos que frequentam certas escolas públicas e privadas que na verdade são antros da ideologização esquerdista. 

Graças a mentes iluminadas como Jair Bolsonaro, Damares Alves, Olavo de Carvalho, Ernesto Araújo e o novo ministro da Educação Abraham Weintraub podemos desmascarar o sistema educacional brasileiro, que hoje se presta a formar jovens e adolescentes que acabam por se envolver até em política e subvertem completamente a moral e os bons costumes.

Não é à toa que as últimas gerações vieram com essa conversinha fiada de direitos humanos, igualdade entre homens e mulheres (com casos deploráveis de feminismo explícito), identidade de gênero (que, para mim, não passa de sem-vergonhice) e toda essa libertinagem que coloca nas ruas pedófilos e pederastas como se fossem pessoas normais, livres para ameaçar a integridade heterossexual dos nossos filhos e desonrar as nossas famílias.

Não consigo conter a satisfação e o orgulho pelo meu voto neste governo. É música para os meus ouvidos. Finalmente estamos sob o comando de cidadãos de bem, com honradez, hombridade e coragem para dizer verdades que o marxismo cultural e o domínio do pensamento gramsciano sobre a mídia e as universidades nos impediam de difundir sob o argumento de estarmos vivendo em uma democracia.

Finalmente podemos esclarecer nossos jovens sobre a nossa verdadeira História. Tirar de circulação obras subversivas, todas escritas, editadas e distribuídas por comunistas, em conluio com professores formados em Cuba, na Albânia, na China e na Venezuela, que inventaram por exemplo um fantasioso golpe em 1964, quando nossos militares tomaram o poder para nos salvar da completa esquerdização do País.

Enfim estamos livres para publicar nas redes sociais - sem o controle dessa imprensa mentirosa e das fake news criadas pelos partidos de bandeira vermelha - que nunca existiu ditadura no Brasil, que o nazismo é de esquerda e que heróis nacionais como o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra precisam ter o seu valor reconhecido pela nossa população.

E sobre a Redentora de 31 de março de 1964 - que deve ser tão comemorado como o 7 de setembro - se alguém apanhou é porque mereceu, boa coisa não devia ser. Cidadão honesto, que trabalhava e estudava sem se envolver com partidos, nunca foi perseguido. Um viva ao Ustra e aos 21 anos de crescimento econômico e política livre de corruptos que o Brasil viveu de 1964 a 1985, antes do retorno dos comunistas ao poder.

Chega de educação sexual nos livros de escola. Chega de Ciência que não reconhece a origem em Adão e Eva, que tenta fazer da mulher, tirada da costela do homem para estar sempre ao lado do companheiro, um ser completamente independente. Daí vem pensamentos como trabalhar fora e abandonar o cuidado dos filhos a esses professores insurgentes. Vamos voltar às origens, com o Brasil acima de tudo e Deus acima de todos. Salve o fundamentalismo religioso!

Meninos vestem azul, meninas vestem rosa. Que lindo! Quero que minha filha seja tratada como uma princesa. Que encontre seu príncipe encantado, bem formado, cidadão de bem, para constituir uma família tradicional, respeitadora, temente ao Senhor. Com cavalheiros que abram a porta do carro e puxem a cadeira do restaurante para a sua dama. Que dêem condições para a mulher ser dona de casa e não tenha ideias de sair por aí pensando em trabalhar fora ou, quando trabalha, que absurdo, reivindicar salários iguais.

Que o próximo passo, presidente Bolsonaro, seja fechar esses jornais e essas emissoras de TV que funcionam como difusoras dos ideais da antiga União Soviética. As lives e postagens nas redes sociais são um bálsamo para todos nós, mas você precisa ter um programa de televisão para divulgar em todo o Brasil as realizações do seu governo. Também precisamos incentivar os jornalistas independentes da internet que nos ajudam a reconhecer as fake news dessa mídia esquerdista, como Globo, Folha, Veja e Estadão.

Seremos ainda mais felizes quando tivermos definitivamente liberados a posse e o porte de arma. Que seja garantida na lei essa segurança a nós, famílias de bem, que possamos nos proteger de pessoas desprezíveis - desculpe falar, mas geralmente de cor ou vindas do nordeste e de classes sociais mais baixas - que ameaçam a nossa integridade física e moral ou colocam em risco a nossa propriedade. Vão aprender o que é meritocracia na marra! Chega de vitimismo e assistencialismo para vagabundos! Viva o novo Brasil!

* O autor do texto pede para não ter o seu nome divulgado porque a ideia não é fulanizar nem fazer promoção pessoal. Queremos apenas agradecer o nosso presidente por restabelecer o País para os cidadãos de bem e para a tradicional família brasileira. Graças a Deus! Obrigado, Jair Bolsonaro, nosso mito!

(Observação: Não acredite em tudo que lê!)

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Quando a paródia do #Olhar23 não supera o realismo fantástico das bolhas ideologizadas e idiotizadas



Se você achava que surrealismo ou realismo fantástico fossem apenas movimentos artísticos ou gêneros literários, estava bastante enganado. É porque não tínhamos vivido ainda essa inigualável experiência da eleição de Jair Bolsonaro, o meme que virou presidente.

É disso que trata a realidade paralela do #Olhar23. Um olhar crítico, bem humorado, irônico e irreverente sobre as sandices do bolsonarismo, esse fundo de poço atingido pela nossa política. Uma parceria do #BlogCidadania23 e do #ProgramaDiferente que traz alguns personagens lunáticos e típicos dessa nova era das bolhas ideologizadas, idiotizadas e retrógradas.

Afinal, quem são Salvador Dalí, Luis Buñuel ou André Breton para quem tem Damares Alves, Ernesto Araújo Vélez Rodriguez ou Abraham Weintraub, a dupla "seis por meia dúzia" da Educação? Pra que perder tempo com a obra de Gabriel García Márquez se temos as lives de Olavo de Carvalho?

Quem ainda se espanta com as aberrações de novelas como O Sétimo Guardião, Roque Santeiro e Saramandaia, ou de cidades fictícias como Tubiacanga, Serro Azul, Greenville, Resplendor e Asa Branca, depois de conhecer a Brasília dos Bolsonaros ou o Rio de Janeiro de CrivellaWitzel e da gangue de governadores presos, além de outras tragicomédias diárias tipicamente brasileiras?

Pois então venha conhecer o Bolsominion que comemora o aumento da pontuação da Carteira de Habilitação, ideia genial de Bolsonaro para proteger motorista infrator da "indústria de multas"; ou o Olavista que comenta a entrevista do guru Olavo de Carvalho no programa Conversa com Bial, recebendo ainda a crítica da Intelectual Petista. Quando a realidade é mais ridícula que a paródia, estamos f******.

quarta-feira, 10 de abril de 2019

Bolsominion e a suspensão da CNH no #OLHAR23


O que um Bolsominion acha da ideia do Governo Bolsonaro dobrar o limite de pontos, de 20 para 40, que leva à suspensão da Carteira Nacional de Habilitação do motorista infrator? Assista.

#CNH #PontosNaCarteira #Multas #Motoristas #Bolsonaro #Mito

Vereadores votam teto de 10% para reajuste do IPTU e cancelam aumento abusivo de 2019, porém revisão do valor venal tira moradores da isenção em 2020

A Câmara Municipal de São Paulo deve aprovar nesta quarta-feira, 10 de abril, em segunda e definitiva votação, projeto de lei do Executivo que cancela o aumento abusivo do IPTU anunciado no início deste ano e que estava suspenso.

Cerca de 2,5% dos imóveis da cidade receberam carnês com reajustes em valores muito acima da inflação, que chegavam a mais de 50%.

Na época, a Prefeitura explicou que não havia lançado anteriormente, por falha da Secretaria de Finanças, o aumento autorizado para os anos de 2015 a 2018, daí o aumento acima do índice previsto para uma parcela de contribuintes paulistanos.

Como não poderia deixar de ser, a repercussão do aumento foi péssima. Choveram críticas à falha do poder público, então tanto o prefeito Bruno Covas (PSDB) quanto os vereadores paulistanos correram atrás de alguma medida legal para estancar o prejuízo (financeiro e de imagem). Chegaram à conclusão que deveriam suspender por lei a cobrança retroativa de cerca de R$ 128 milhões.

Porém, a compensação desse dinheiro que não foi arrecadado em 2019 virá no próximo ano, com o reajuste do valor do metro quadrado na cobrança do IPTU de 2020, aumentando o valor venal dos imóveis, mas dentro dos limites aprovados para tais cobranças (um teto de 10% ao ano). Também serão compensados créditos tributários da Prefeitura com empresas estatais municipais.

Ocorre que muitos moradores que hoje estão dentro da faixa de isenção integral ou de desconto proporcional do IPTU serão atingidos em 2020: muita gente que atualmente não paga nada, começará a receber o carnê; e outros perderão o desconto que tinham até este ano.

Como regra geral, imóveis de até R$ 160 mil são isentos do IPTU. Já as propriedades entre R$ 160 mil e R$ 320 mil têm descontos que chegam a até 50% do valor devido. É a essa faixa de imóveis que pertenciam os 90 mil imóveis com o aumento que está cancelado neste ano, e também aqueles que mais vão sentir no bolso a cobrança do próximo ano.

Vamos aguardar como será esse reajuste da chamada Planta Genérica de Valores para 2020, como ficarão os contribuintes isentos e com desconto, e quantos moradores serão atingidos efetivamente pelas mudanças da lei aprovada na Câmara. Olho neles!

terça-feira, 9 de abril de 2019

‘Merecia um cargo de ministro, ele me colocou aqui’, diz Jair Bolsonaro sobre o filho Carlos, autor de baixarias deploráveis nas redes sociais

O Brasil está definitivamente entregue a um bando de malucos, despreparados e desqualificados.

Mais eficiente no papel de pai coruja do que na função de Presidente da República, Jair Bolsonaro cometeu essa frase insana sobre o filho Carlos em entrevista à Jovem Pan: “Falam que ele me atrapalha. Atrapalha em quê? No meu entender eu acho até que ele deveria ter um cargo de ministro, foi ele que me botou aqui.”

É um pensamento revelador deste raciocínio raso, de três neurônios, da família Bolsonaro (somados pai e filhos). Eles simplesmente se acham os reis da cocada, donos do poder e, pior, tudo isso graças às sandices que postam nas redes sociais, fundamentalmente nos 140 ou 280 toques do twitter - o que é até compreensível, porque este deve ser o limite intelectual de 01, 02, 03 e do papai 00.

Deboche à parte, e sem entrar em outras particularidades deste governo de abilolados, vamos rever algumas das últimas postagens de Carlos Bolsonaro, vereador pelo PSL no Rio de Janeiro e o filho que, segundo o presidente, poderia ser ministro pelo simples fato de gerenciar suas contas nas redes sociais desde a campanha eleitoral, e que, afinal, foi quem "botou o homem lá!"

“As redes sociais não me tomam mais do que 30 minutos do meu dia. Quem me ajuda nessa coordenação é o Carlos Bolsonaro. Até por isso as pessoas querem afastá-lo de mim”, explicou o papai-presidente. “Ele não está pleiteando um cargo, eu até poderia colocá-lo, mas ele não está pleiteando isso daí.”

Ufa! Que alívio!

Questionado pelo jornalista Augusto Nunes sobre algum eventual arrependimento em relação a diversas postagens que provocam polêmicas frequentes e desnecessárias nas redes sociais, Bolsonaro minimizou: “[Erro] Acontece. Mas está feito, está feito”.

É uma justificativa condizente com o nível escatológico dos tuítes presidenciais, como o já tristemente famoso "golden shower" deste Carnaval.

Antes fosse apenas isso. Vamos ver mais alguns exemplos:


Para contextualizar: O tal "chupão na barriga" é obviamente uma insinuação maldosa e de claro teor sexual, típica do padrão Bolsonaro. Baixaria pura contra um senador da República, Randolfe Rodrigues, da Rede Sustentabilidade, que cobrava providências contra o desemprego nos 100 dias do governo.

Não deixa de ser curiosa e contraditória essa agressão "ad hominem" feita por Carluxo, o apelido de Carlos Bolsonaro que, ironicamente, também é vítima diária de insinuações homofóbicas nas redes sociais. Talvez Freud explique. 

Mas não foi só isso. Além da indireta sobre o suposto "chupão na barriga" ainda há uma maliciosa referência a "engolir a varinha mágica" do Harry Potter, como Carluxo e um robô bolsominion se referiram a Ranfolfe Rodrigues. Absolutamente deplorável.


Quer acompanhar as bobagens postadas diariamente por Carlos Bolsonaro? Tem estômago para isso? Siga aqui. É simplesmente repugnante.


Leia também:

O ócio carnavalesco não fez bem aos Bolsonaros!

Presidente Pateta e seus três Patetinhas no #ProgramaDiferente

Bolsonaro é uma ameaça diária à nossa democracia!

Quem está contente com esse presidente? Bolsominion só pode ser idiota, ingênuo ou mal intencionado!

Cota de malucos de Bolsonaro já está preenchida?

Se você faz parte da bolha bolsonarista ou da bolha petista, não leia esse texto. Você vai odiá-lo!

O centenário do arquiteto Sérgio Bernardes



O #ProgramaDiferente registra o centenário de nascimento do carioca Sérgio Bernardes, sua paixão pela arquitetura e o seu trabalho genial e revolucionário, realizado entre os anos 50 e os anos 90, e sempre tão atual. É interessante ainda notar o contraponto político e ideológico entre Sérgio Bernardes e seu sócio, parceiro e amigo mais famoso, Oscar Niemeyer. Será que tem polarização entre esquerda e direita até na arquitetura? Assista.

segunda-feira, 8 de abril de 2019

#JuntosSomosMais: A cobertura da #BrazilConference no #ProgramaDiferente e no #BlogCidadania23

O #BlogCidadania23 e o #ProgramaDiferente acompanharam mais uma edição anual da #BrazilConference, um dos mais tradicionais encontros de líderes, personalidades e representantes da diversidade social, política e econômica do Brasil, que foi realizada neste fim-de-semana, de 5 a 7 de abril, em Boston, nos Estados Unidos, com o tema #JuntosSomosMais.

Um dos destaques, pela terceira vez na Brazil Conference, foi o apresentador de TV e ativista dos movimentos pela renovação da política, Luciano Huck, cuja participação você assiste aqui na íntegra.

Mas teve um pouco de tudo. Entre os palestrantes deste ano estavam os ministros Dias Toffoli e Luís Roberto Barroso, do STF; a Procuradora-Geral da República Raquel Dodge; o vice-presidente da República General Hamilton Mourão; o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso; os ex-candidatos Ciro Gomes (PDT), Henrique Meirelles (MDB) e Geraldo Alckmin (PSDB); entre outras personalidades.

Veja mais informações e alguns painéis na íntegra:

Luciano Huck é atração da Brazil Conference e parece candidatíssimo à sucessão de Jair Bolsonaro

Renovação: Construindo o Futuro da Política

Os Desafios da Mídia em Tempos de Polarização

O que Ciro, Alckmin e Meirelles pensam do Brasil de Bolsonaro

domingo, 7 de abril de 2019

A prisão não faz bem à lucidez de Lula e o Brasil segue paralisado entre fanáticos de esquerda e de direita

O choro é livre, assim como o chamado "jus sperniandi", ou o "direito de espernear" do réu, como uma criança birrenta.

A criação de narrativas políticas, ainda que inverossímeis, embora convenientes para seus próprios interesses, também.

Se até a Constituição garante o direito de ninguém produzir provas contra si mesmo, é legítimo que o acusado, preso e condenado alegue sua inocência até a morte.

Portanto, o que incomoda nesse movimento virtual #LulaLivre não é o direito do presidiário Luiz Inácio Lula da Silva alegar a sua inocência, sob o argumento que bem entender (como faz nesse artigo reproduzido abaixo, no aniversário da sua detenção).

O problema é que as esquerdas (no Brasil e no mundo) e toda a oposição ao atual governo retrógrado de direita fiquem atreladas a esse discurso tolo, de vitimismo, perseguição política e conspiração internacional contra a democracia brasileira.

Ora, já não basta Lula e Dilma terem comprometido a reputação e a história de toda uma geração de democratas oriundos da esquerda ao traírem a confiança popular e a promessa de mudança, ressuscitando os sentimentos mais repugnantes de parte da sociedade que é naturalmente conservadora e reacionária, chegando ao ponto de alguns festejarem o golpe de 1964 e até clamarem a volta da ditadura?

Meus caros, que Lula perca o bom senso, a lucidez e tenha na alegação da inocência e consequentemente na expectativa da liberdade a sua ideia fixa, após 365 dias encarcerado, parece natural e compreensível. Mas achar normal que todo o PT e seus satélites embarquem junto nesse discurso suicida e dissociado da realidade, é de uma sandice inominável.

Os argumentos de Lula não se sustentam, mas seus seguidores fiéis e fanáticos caminham a passos firmes e largos para o abismo, junto com o seu decrépito guru. É incrível como tanto a direita quanto a esquerda parecem sofrer de uma espécie de "Síndrome de Estocolmo", aquele estado psicológico em que uma pessoa, submetida a um tempo prolongado de intimidação, passa a ter empatia ou até mesmo amor pelo seu agressor.

À esquerda, os lulistas suicidas. À direita, liberais, conservadores e neobolsonaristas que se transformaram, talvez sem se dar conta, na própria caricatura. Materializaram a piada e fizeram de Jair Bolsonaro o meme que virou presidente, à moda de Trump, tendência cafona importada dos Estados Unidos.

O problema agora é encontrar uma saída viável para situações tão paralisantes e constrangedoras. Como sair dessa encruzilhada ideológica pelo caminho mais sensato e equilibrado, dentro dos princípios republicanos e democráticos?


Artigo: Por que têm tanto medo de Lula livre?

(Publicado na Folha deste domingo, 7 de abril)

Já alcançaram o objetivo, que era impedir a minha eleição

Faz um ano que estou preso injustamente, acusado e condenado por um crime que nunca existiu. Cada dia que passei aqui fez aumentar minha indignação, mas mantenho a fé num julgamento justo em que a verdade vai prevalecer. Posso dormir com a consciência tranquila de minha inocência. Duvido que tenham sono leve os que me condenaram numa farsa judicial.

O que mais me angustia, no entanto, é o que se passa com o Brasil e o sofrimento do nosso povo. Para me impor um juízo de exceção, romperam os limites da lei e da Constituição, fragilizando a democracia. Os direitos do povo e da cidadania vêm sendo revogados, enquanto impõem o arrocho dos salários, a precarização do emprego e a alta do custo de vida. Entregam a soberania nacional, nossas riquezas, nossas empresas e até o nosso território para satisfazer interesses estrangeiros.

Hoje está claro que a minha condenação foi parte de um movimento político a partir da reeleição da presidenta Dilma Rousseff, em 2014. Derrotada nas urnas pela quarta vez consecutiva, a oposição escolheu o caminho do golpe para voltar ao poder, retomando o vício autoritário das classes dominantes brasileiras.

O golpe do impeachment sem crime de responsabilidade foi contra o modelo de desenvolvimento com inclusão social que o país vinha construindo desde 2003. Em 12 anos, criamos 20 milhões de empregos, tiramos 32 milhões de pessoas da miséria, multiplicamos o PIB por cinco. Abrimos a universidade para milhões de excluídos. Vencemos a fome.

Aquele modelo era e é intolerável para uma camada privilegiada e preconceituosa da sociedade. Feriu poderosos interesses econômicos fora do país. Enquanto o pré-sal despertou a cobiça das petrolíferas estrangeiras, empresas brasileiras passaram a disputar mercados com exportadores tradicionais de outros países.

O impeachment veio para trazer de volta o neoliberalismo, em versão ainda mais radical. Para tanto, sabotaram os esforços do governo Dilma para enfrentar a crise econômica e corrigir seus próprios erros. Afundaram o país num colapso fiscal e numa recessão que ainda perdura. Prometeram que bastava tirar o PT do governo que os problemas do país acabariam.

O povo logo percebeu que havia sido enganado. O desemprego aumentou, os programas sociais foram esvaziados, escolas e hospitais perderam verbas. Uma política suicida implantada pela Petrobras tornou o preço do gás de cozinha proibitivo para os pobres e levou à paralisação dos caminhoneiros. Querem acabar com a aposentadoria dos idosos e dos trabalhadores rurais.

Nas caravanas pelo país, vi nos olhos de nossa gente a esperança e o desejo de retomar aquele modelo que começou a corrigir as desigualdades e deu oportunidades a quem nunca as teve. Já no início de 2018 as pesquisas apontavam que eu venceria as eleições em primeiro turno.

Era preciso impedir minha candidatura a qualquer custo. A Lava Jato, que foi pano de fundo no golpe do impeachment, atropelou prazos e prerrogativas da defesa para me condenar antes das eleições. Haviam grampeado ilegalmente minhas conversas, os telefones de meus advogados e até a presidenta da República. Fui alvo de uma condução coercitiva ilegal, verdadeiro sequestro. Vasculharam minha casa, reviraram meu colchão, tomaram celulares e até tablets de meus netos.

Nada encontraram para me incriminar: nem conversas de bandidos, nem malas de dinheiro, nem contas no exterior. Mesmo assim fui condenado em prazo recorde, por Sergio Moro e pelo TRF-4, por “atos indeterminados” sem que achassem qualquer conexão entre o apartamento que nunca foi meu e supostos desvios da Petrobras. O Supremo negou-me um justo pedido de habeas corpus, sob pressão da mídia, do mercado e até das Forças Armadas, como confirmou recentemente Jair Bolsonaro, o maior beneficiário daquela perseguição.

Minha candidatura foi proibida contrariando a lei eleitoral, a jurisprudência e uma determinação do Comitê de Direitos Humanos da ONU para garantir os meus direitos políticos. E, mesmo assim, nosso candidato Fernando Haddad teve expressivas votações e só foi derrotado pela indústria de mentiras de Bolsonaro nas redes sociais, financiada por caixa 2 até com dinheiro estrangeiro, segundo a imprensa.

Os mais renomados juristas do Brasil e de outros países consideram absurda minha condenação e apontam a parcialidade de Sergio Moro, confirmada na prática quando aceitou ser ministro da Justiça do presidente que ele ajudou a eleger com minha condenação. Tudo o que quero é que apontem uma prova sequer contra mim.

Por que têm tanto medo de Lula livre, se já alcançaram o objetivo que era impedir minha eleição, se não há nada que sustente essa prisão? Na verdade, o que eles temem é a organização do povo que se identifica com nosso projeto de país. Temem ter de reconhecer as arbitrariedades que cometeram para eleger um presidente incapaz e que nos enche de vergonha.

Eles sabem que minha libertação é parte importante da retomada da democracia no Brasil. Mas são incapazes de conviver com o processo democrático.

Luiz Inácio Lula da Silva é ex-presidente da República (2003-2010)

O que Ciro, Alckmin e Meirelles, ex-presidenciáveis de 2018, pensam do Brasil do presidente Bolsonaro



#BlogCidadania23 e o #ProgramaDiferente trazem a cobertura de um dos mais tradicionais encontros anuais de líderes, personalidades e representantes da diversidade social, política e econômica: a #BrazilConference19, que está acontecendo de sexta-feira a domingo, 5 a 7 de abril, em Boston, nos Estados Unidos, com o tema #JuntosSomosMais.

Aqui você acompanha a íntegra do Debate "Visões do Brasil Pós-Eleições" com a participação dos ex-presidenciáveis de 2018 Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Henrique Meirelles (MDB), e a mediação da jornalista Andréia Sadi, da Rede Globo e da Globo News. Assista.

Os Desafios da Mídia em Tempos de Polarização



No Dia do Jornalista, o #BlogCidadania23 e o #ProgramaDiferente trazem a cobertura de um dos mais tradicionais encontros anuais de líderes, personalidades e representantes da diversidade social, política e econômica: a #BrazilConference19, que está acontecendo de sexta-feira a domingo, 5 a 7 de abril, em Boston, nos Estados Unidos, com o tema #JuntosSomosMais.

Aqui você acompanha a íntegra do Painel "Jornalismo: Os Desafios da Mídia em Tempos de Polarização", com a participação das jornalistas Patrícia Campos Mello, da Folha de S. Paulo, e Vera Magalhães, do Estadão e da Rádio Jovem Pan; de Yasodara Cordova, da Digital Kennedy School (Harvard); e moderação de Fabio Pannunzio, da Band. Assista.

Renovação: Construindo o Futuro da Política



#BlogCidadania23 e o #ProgramaDiferente trazem a cobertura de um dos mais tradicionais encontros anuais de líderes, personalidades e representantes da diversidade social, política e econômica: a #BrazilConference19, que está acontecendo de sexta-feira a domingo, 5 a 7 de abril, em Boston, nos Estados Unidos, com o tema #JuntosSomosMais.

Aqui você acompanha a íntegra do Painel "Mais Renovação: Construindo o Futuro da Política", com a participação de Tábata Amaral, deputada federal (PDT/SP); Hélio Bolsonaro, deputado federal (PSL/RJ); Mônica Seixas, deputada estadual (PSOL/SP); e Paulo Ganime, deputado federal (NOVO/RJ); com a moderação de Marcos Nobre, professor da Unicamp e pesquisador do CEBRAP. Assista.

sábado, 6 de abril de 2019

Luciano Huck é atração da Brazil Conference e parece candidatíssimo à sucessão de Jair Bolsonaro



O #BlogCidadania23 e o #ProgramaDiferente acompanham mais um dos tradicionais encontros anuais de líderes, personalidades e representantes da diversidade social, política e econômica na #BrazilConference19, que está acontecendo de sexta-feira a domingo, 5 a 7 de abril, em Boston, nos Estados Unidos, com o tema #JuntosSomosMais.

Um dos destaques, pela terceira vez na Brazil Conference, é o apresentador de TV e ativista dos movimentos pela renovação da política, Luciano Huck, cuja participação você assiste aqui na íntegra. Ele fala sobre a importância do evento para a discussão de ideias e debates aprofundados sobre a situação brasileira, elege a Educação como prioridade para o futuro e também não esconde suas opiniões sinceras e polêmicas sobre o momento do País.

Entre os palestrantes deste ano estão os ministros Dias Toffoli e Luís Roberto Barroso, do STF; a procuradora-Geral da República Raquel Dodge;  o vice-presidente da República General Hamilton Mourão; o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso; os ex-candidatos Ciro Gomes (PDT), Henrique Meirelles (MDB) e Geraldo Alckmin (PSDB); entre outras personalidades.

Cotado antes das eleições de 2018 para uma possível candidatura à Presidência da República, o apresentador Luciano Huck não nega nem confirma seus planos eleitorais. Mas dá pistas. "Quando a gente abre a caixinha para pensar políticas públicas, é difícil voltar atrás", disse.

Ele comentou a sua participação nos chamados movimentos cívicos, como o Renova e o Agora, que elegeram vários dos candidatos que apoiaram."Para mim, seria muito mais confortável ficar protegido nos muros do Projac (complexo de produções da Rede Globo) ou da minha casa", afirmou. "Mas não é isso que vou fazer e estou fazendo. Quero ser um cidadão cada vez mais ativo." 

O apresentador e presidenciável em potencial criticou a elite brasileira: "Adora reclamar, mas na hora de botar a mão na massa, todo mundo sai correndo". Huck convocou todos a "colocarem a mão na massa" e não "torcerem o nariz" em discussões sobre o abismo social que divide brasileiros ricos e pobres.

"A gente não pode fugir dessa discussão da redução da desigualdade. Muitas vezes você fala e as pessoas fazem cara feia. 'Ah, mas não é assim, não pode usar esse termo'. Claro que pode." Repetiu que já viajou o Brasil inteiro nos últimos 20 anos,"dois ou três Estados por semana". Nas viagens, ele diz, aprendeu a se "preocupar com a geladeira das pessoas".

O apresentador não fugiu da polêmica direita x esquerda, ou capitalismo x comunismo, que voltou à pauta do dia. Comentou em tom crítico: "Eu desconheço qualquer sistema que tenha sido mais eficiente que o capitalismo para resgatar gente da pobreza. Comunismo não deu certo. O capitalismo é incrível, mas é que nem uma fera, um leão. Se você não domar ele direito, ele vai nos devorar."

"Eu super apoio teses liberais para a economia. Mas acho que as teses liberais por si só não vão puxar para a sociedade a dona Marlene, de 46 anos, semi-analfabeta, morando com 6 filhos no sertão do Cariri", afirmou. "Ela vai precisar de rede de proteção social."

Em referência direta ao governo de Jair Bolsonaro, criticou o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodriguez, enquanto comentava as próprias visitas que faz a escolas públicas pelo país. "Quando você conversa com pessoas e institutos e fundações, tem tanta gente legal. É só colocar em prática", disse. E completou: "Não é o que a gente está vendo do nosso ministro da Educação. Não vou entrar em política, mas não dá."

Em outra breve referência ao governo, ele criticou a defesa à posse ou porte de armas. "Isso não vai resolver problema nenhum de violência, só vai matar mais gente". É isso aí, Luciano Huck! Sensato, equilibrado, candidatíssimo e muito bem preparado. A anos-luz desses lunáticos, atuais inquilinos do poder. Seja bem-vindo.

Veja também:

Vai, Luciano Huck! Representa esta nossa geração!

Cinco minutos com Luciano Huck sobre política

#ProgramaDiferente: Luciano Huck presidente do Brasil?

sexta-feira, 5 de abril de 2019

Os cinco anos da Lava Jato no #ProgramaDiferente



O #BlogCidadania23 e o #ProgramaDiferente acompanharam nesta semana um evento organizado pelo jornal "O Estado de S. Paulo" e pelo Centro de Debates de Políticas Públicas (CDPP) para celebrar os cinco anos da Operação Lava Jato. Como já fizemos aqui mesmo em outras oportunidades, a comparação entre a Lava Jato e sua antecessora italiana Mãos Limpas é inevitável.

Acompanhe nos links a seguir as falas na íntegra do ministro da Justiça e ex-juiz Sergio Moro, do procurador Deltan Dallagnol, do ministro do STF Luís Roberto Barroso e da economista Maria Cristina Pinotti, do CDPP, organizadora do livro "Corrupção: Lava Jato e Mãos Limpas", que traz uma coletânea de artigos assinados por autoridades brasileiras e italianas.

Nestes cinco anos de atividade, a Operação Lava Jato - iniciada da investigação de um caso de lavagem de dinheiro - se transformou na maior ação de combate à corrupção de que se teve notícia no Brasil. Daí a comparação com a Operação Mãos Limpas (ou Mani Pulite), deflagrada na Itália no início da década de 1990.

Para o ministro Luís Roberto Barroso, a Lava Jato foi bem-sucedida ao quebrar o que chamou de “pacto oligárquico” firmado por uma casta de agentes públicos e privados que, segundo ele, se julgavam “sócios do Brasil” para saquear o Estado. Hoje, ele diz que enxerga a Lava Jato mais como uma “atitude” do que como uma operação.

O procurador da República Deltan Dallagnol afirmou que a redução dos casos de corrupção passa, necessariamente, por um processo de renovação política. Ainda que não veja na renovação algo benéfico por si só, o procurador defende que a mudança virá sobretudo da mentalidade de uma nova geração de parlamentares e membros do Poder Executivo. “Sem renovação das práticas políticas, todo o trabalho da Lava Jato pode ter sido em vão”, disse Dallagnol.

O ministro Sergio Moro vê relação entre o combate à corrupção e a política econômica. Para ele, “o avanço no combate ao crime gera ganhos para a economia e para a qualidade da nossa democracia. O sistema de corrupção impede a eficiência econômica”. Moro afirmou ainda que não será em seu turno à frente do ministério que o Brasil permitirá que os esforços contra corrupção serem perdidos.

Porém, o fracasso da Mãos Limpas é atribuído em grande medida à reação do sistema político - que é também o grande desafio para o futuro da Lava Jato. Resta saber como será o movimento das peças nesse tabuleiro da política nos próximos anos, bem como o resultado do governo do presidente Jair Bolsonaro. É aí que mora o perigo.

quinta-feira, 4 de abril de 2019

Só as cachorras do PT dançando até o chão com o tigrão e as tchutchucas do bonde do Bolsonaro

Que vergonha, hein, galera! O PT não se contentou apenas em destroçar a imagem das esquerdas e ressuscitar os zumbis da direita ao trocar as páginas de política pelas de polícia nos jornais em 13 anos de (des)governo e fazer dos três poderes da República sinônimos do crime organizado, dos esquemas de corrupção, da formação de quadrilhas partidárias e da mais completa e absurda desmoralização.

Até para fazer oposição os petistas perderam a mão e chafurdam com o linguajar chulo e a podridão de caráter de alguns dos seus representantes.

O que se viu na presença do ministro Paulo Guedes em mais de sete horas de sessão na Câmara dos Deputados é de dar ânsia e envergonhar qualquer cidadão, por mais desprezo que tenhamos pelo bolsonarismo. Mas desenterrar o funk do Bonde do Tigrão para chamar ministro de "tchutchuca", só as cachorras do PT, mesmo!

Que moral tem Zeca Dirceu, da pior linhagem do proibidão do PT, daquelas facções que dominam os presídios, para tentar ofender alguém? Ouviu do ministro que tchutchuca "é a mãe", "é a avó". Foi pouco. Só o papai Zé Dirceu, justamente a inspiração de Zequinha, foi poupado na resposta exaltada do ofendido Paulo Guedes.

Pô, ministro, que decepção! Tem tanto funk para responder o PT à altura! E nem precisava voltar tanto no tempo, pode ser música do momento.

Vamos lá: Me Solta (Nego do Borel), Vai Malandra (MC Zaac), Din Din Din (Ludmila), Lei do Retorno (MC Hariel), Jogando Sujo (Ludmila), Os Opostos se Atraem (MC Don Juan), A Distância Tá Maltratando (MC G15), Eu Vacilei Mas Eu Te Amo (Nego do Borel).

Pra finalizar: Que tiro foi esse?, da Jojo Toddynho, podia ser tocada em homenagem a Celso Daniel e Toninho do PT, pro papi do Zeca rebolar até o chão.

Deixando esse episódio ridículo de lado, é preciso lamentar como o Brasil está mal servido tanto na base governista quanto na oposição. Eles se merecem! Mas quem paga o pato é o Brasil.

Imperam o despreparo, a ignorância e a incapacidade para o diálogo. Será que ninguém é capaz de elevar o nível da política para discutir com responsabilidade e isenção um assunto tão sério como a reforma da Previdência?

Tremendo Vacilão, PT. Um Tapinha não Dói, Guedes. Sai do Chão, Bolsonaro. E o povo? Créu! (velocidade 13 ou 17?)

Vereadores paulistanos aposentam a gravata e criam plenário virtual para votar denominações e honrarias

Novidades na rotina dos vereadores paulistanos passam a valer a partir desta semana, com a aprovação do substitutivo de um Projeto de Resolução (PR 24/2007), de autoria da Mesa Diretora, que mexe em alguns pontos do regimento interno da Câmara Municipal de São Paulo: o uso da gravata deixa de ser obrigatório e está criado o "plenário virtual".

A inovação no traje obrigatório é a aposentadoria da gravata. Permanece a exigência do paletó. Alguns vereadores já usavam até calça jeans e tênis, colocando gravata e paletó apenas para atender a determinação regimental em plenário. Agora o "dress code" dos parlamentares ganha em informalidade.

Outra alteração, talvez a mais impactante, é a criação do chamado "plenário virtual". A aprovação de projetos como denominações e datas comemorativas, além das concessões de títulos e honrarias, que são inclusive os mais numerosos e frequentes (e também os mais criticados pela imprensa e pela opinião publica), deixam de exigir a presença física do vereador em plenário.

Na verdade, quase sempre esses projetos já são aprovados de forma simbólica. Ou seja, havendo quorum legal para abertura da sessão, esses projetos são lidos, agrupados e aprovados coletivamente, sem nenhum questionamento nem a necessidade do voto individual, ou mesmo sem que a maioria dos vereadores tome conhecimento daquilo que está votando (como títulos de cidadão paulistano, por exemplo, concedidos quase sempre a pessoas desconhecidas fora do círculo do próprio vereador que presta a homenagem).

A mudança regimental aprovada nesta semana, então, oficializa essa votação simbólica ou virtual. Tudo em nome da simplificação e da otimização do funcionamento da Casa. Resta saber como funcionará esse processo de votação à distância, ou não presencial.

Também o número mínimo de vereadores em comissões permanentes que não funcionavam regularmente por falta de quórum, como as do Idoso, de Relações Internacionais ou da Criança e do Adolescente, para citar algumas, caiu da exigência antiga de sete ou nove participantes, dependendo da comissão, para apenas cinco membros.

Outra adequação do regimento à realidade é a que libera os vereadores de faltas nas reuniões dessas comissões sem justificativa e sem desconto na folha de pagamento do ausente, o que na prática já acontecia há pelo menos duas décadas, apesar de o regimento determinar punição aos "gazeteiros" (mas parece que essa prática caiu em desuso tanto quanto o termo que era usado para identificar o aluno que faltava deliberadamente à aula).

Enfim, são inovações defendidas e aprovadas pela maioria das bancadas, mas que a população praticamente desconhece. Os vereadores já vem também se comunicando e tomando decisões internas sobre a pauta da semana e sobre outros temas internos por meio de grupos no whatsapp. São sinais dos novos tempos: se são bons ou ruins, decida você mesmo.