quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

#ProgramaDiferente: Por um 2016 cheio de acertos e muitos motivos para sorrir e ser feliz



Feliz Natal e um 2016 do jeito que a gente quer, cheio de saúde, paz, amor, alegria e realizações! São os votos de toda a equipe que faz o #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, para você que nos acompanhou neste ano.

Para fechar 2015 com bom humor e entrar no Ano Novo com muito mais acertos do que erros, assista alguns momentos de "falha nossa" na gravação do programa. Pode rir da nossa cara, não tem problema. Assista :-)

E o Blog do PPS volta em 2016 para o seu 10º ano de atividade... Seguuuuura!!!

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Assista o clipe de apoio aos estudantes de São Paulo



Aqui no #‎ProgramaDiferente, da TVFAP.net, você assiste o clipe de apoio aos estudantes de São Paulo, com Chico Buarque, Paulo Miklos, Dado Villa-Lobos, Zélia Duncan e váaaaaarios outros artistas. Assista.

Para fazer parte da rede que apoiará os estudantes em 2016, inscreva-se em: #‎todoscomosestudantes‬

Leia também:

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Peça de mentirinha do Haddad é aprovada; alguns tucanos, numa bancada dividida, ajudam...

A aprovação do Orçamento da Cidade de São Paulo para 2016, com votação arrastada até as 23 horas desta segunda-feira, 21 de dezembro, chama a atenção não apenas por ser uma peça de ficção (como de praxe), quase uma salvo-conduto para o prefeito em ano eleitoral, mas para a divisão do principal partido de oposição, o PSDB.

Num placar que repete o que se viu durante a votação da Mesa Diretora, por exemplo, e em outros projetos de interesse do governo, nota-se que o voto dos tucanos Adolfo Quintas, Anibal de Freitas, Claudinho de Souza e Gilson Barreto coincide com a base de Haddad e diverge do restante da bancada do PSDB e dos demais oposicionistas (Natalini, do PV; Toninho Vespoli, do PSOL; e Ricardo Young, do PPS). Estranho, não?

Números flutuantes

O Orçamento de R$ 54 bilhões é sabidamente impraticável. O voto contrário do PPS, portanto, é plenamente justificável. Leia aqui a declaração do vereador Ricardo Young, que mostra por A + B as mentiras do Executivo, promessas não cumpridas e metas irrealizáveis.

Por exemplo, como nos anos anteriores, entram nas contas da Prefeitura recursos federais que nunca chegam, repetindo uma promessa eleitoreira de parceria entre Haddad e Dilma, desde 2012, que nunca se concretizou de fato. A expectativa neste ano é por mais R$ 7 bilhões, que deveriam chegar numa canetada da Presidência para São Paulo.

Sonha, paulistano... (A gestão ruinddad está acabando!!! Viva 2016!!!)

"Haddad mãos de tesoura: como cortar a participação popular" é o artigo do presidente do PPS paulistano

A máscara da modernidade do prefeito Fernando Haddad não resiste ao fracasso de duas eleições recentes: uma para os conselhos tutelares e outra para os conselhos participativos, ambas sob responsabilidade da Prefeitura. A primeira, marcada por irregularidades, foi suspensa e ficou para depois do Carnaval. A segunda, igualmente suspeita, levou duas semanas para ter, enfim, seus resultados divulgados.

Para um gestor e um partido que gostam de propagar o apoio irrestrito e o incentivo à participação popular, à transparência e ao protagonismo da sociedade civil, a realidade derruba a fantasia da propaganda eleitoreira. A obscuridade reinante tira toda a legitimidade e põe a perder um histórico de conquistas que deveriam ser exaltadas e consolidadas. Mas, ao contrário, sofreram neste ano um revés inexplicável.

Não foi à toa que o PPS recorreu ao Ministério Público e à Justiça para que a gestão Haddad seja obrigada a ressarcir aos cofres públicos o dinheiro gasto na eleição cancelada dos conselheiros tutelares. Afinal, alguém tem que responder judicialmente por tamanha irresponsabilidade e incompetência.

Esses processos eleitorais que deveriam ser marcados pela autonomia e pelo empoderamento dos cidadãos, em espaços consultivos e de representação da sociedade no território das 32 subprefeituras da cidade (hoje loteadas entre os seus apoiadores), na prática sofrem com o aparelhamento partidário e a manipulação das velhas oligarquias da política.

Com isso, o controle social e a democratização no planejamento e na fiscalização das ações e dos gastos públicos, além de uma participação mais efetiva na definição de políticas públicas, por exemplo, que justificam essa representação popular e um novo patamar de governança democrática e inteligente, acabam existindo apenas no papel e ficam totalmente distantes do dia-a-dia da cidade.

Some-se a conduta diária de um prefeito inapto para governar nossa metrópole, o total descumprimento das metas da sua gestão e a maquiagem absurda de um orçamento decorativo (reconhecidamente irrealizável e retalhado para atender objetivos midiáticos e eleitorais), para termos o recorte pronto e acabado de uma administração caótica e deletéria para São Paulo.

Precisamos retomar os rumos da cidade. Que 2016 nos salve das mãos de tesoura do PT!

Carlos Fernandes, ex-subprefeito da Lapa, é o presidente do PPS paulistano.

domingo, 20 de dezembro de 2015

Na semana do Natal, o #ProgramaDiferente entrevista Elifas Andreato e debate o drama dos refugiados



Em plena semana do Natal, desculpe se emocionarmos ou chocarmos você com as imagens de abertura do #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, mas não tem como fechar os olhos para o que acontece no mundo. Aliás, essa época do ano é uma boa oportunidade para refletirmos sobre o futuro que estamos deixando para os nossos filhos. Assista.

Mesmo que o ano tenha sido marcado por momentos difíceis, por atos de terrorismo e tragédias causadas pela mão do homem, não podemos perder a esperança. É esse otimismo e muita superação que vemos na entrevista com o artista plástico Elifas Andreato, bem como a busca de soluções humanas e racionais para o problema dos imigrantes e refugiados, no debate final do programa.

O #ProgramaDiferente é exibido na TVAberta de São Paulo todos os domingos, às 21h30 (canal 9 da Net, 186 da Vivo e 8 Vivo Fibra).

Na internet, está disponível na TVFAP.net e em programadiferente.com na íntegra.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Depois do STF, o que acontece com o #ForaDilma?

Passada a ressaca da decisão de encomenda do STF, que a princípio parece ter jogado um balde de água fria na oposição ao PT, vamos analisar os fatos com equilíbrio e bom senso: obrigado, ministros, vocês deram a turbinada que faltava para a população voltar às ruas e exigir o impeachment, a renúncia ou a cassação de Dilma Rousseff.

Afinal, ao atender o desejo governista para o rito processual no Congresso Nacional, estão descartados os argumentos de "golpe" contra o PT e acaba o papo furado de que o impeachment é mera vingança do deputado Eduardo Cunha. Fortalecendo o Senado, como queria o Executivo, e apesar da interferência descabida do Judiciário em questões internas do Legislativo, está montado por vias tortas o cenário que a oposição idealizava.

O recesso - que até então era dúvida - está confirmado. O receio de que a pecha de manipulação oportunista do calendário recaísse sobre os parlamentares anti-Dilma caiu por terra. Tudo voltou à estaca zero por iniciativa da própria base governista. Além disso, a decisão sobre a paralisação do Congresso até fevereiro foi do aliado preferencial, Renan Calheiros, o presidente do Senado.

Ou seja, a manifestação convocada para o dia 13 de março de 2016 tem tudo para coincidir exatamente com o prazo de definição do impeachment por deputados e senadores. Até lá, certamente, novas revelações da Lava Jato, decisões do TSE e a incompetência administrativa do (des)governo petista vão agravar a crise. Nada melhor para levar de volta às ruas os 93% de brasileiros que desaprovam Dilma e não precisam de mortadela para aderir às manifestações.

A barganha com parlamentares no vale-tudo para dar sobrevida a um governo-zumbi é uma vitória ilusória. A queda de braço e os constrangimentos causados ao vice Michel Temer também acirram os ânimos e forçam de vez a ida do PMDB para a oposição. É só questão de tempo. A maioria que hoje Dilma tem na Câmara e no Senado vai se desmanchar no ar.

Leia abaixo a nota divulgada pelo Movimento Brasil Livre e endossada publicamente pelo Vem Pra Rua, os dois principais organizadores das manifestações de 2015 e que prometem repetir a dose em 13 de março de 2016:


quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Comprovado: milhões pró-Dilma nas ruas...


Dilma é tricolor! (Só para quem gosta de futebol)


E a presidente Dilma Roussef tem seu dia de Fluminense: ganhou no tapetão. Para quem gosta de futebol, é desnecessário dizer algo mais...

Exclusivo: os números do DataBlog no Mortadela Day


Como cada um exerce o shownarlismo como bem entende, puxando a mortadela para o seu pãozinho, o instituto DataBlog também saiu a campo para fazer o contraponto de outros institutos sérios (hahaha!) que foram às ruas nesta quarta-feira para "medir" o apoio às manifestações pró-Dilma (hahaha 2). Os números falam por si.

Cadê as multas, Haddad? E aí, Tatto?


O prefeito Fernando Haddad e o secretário Jilmar Tatto formam uma daquelas duplas impagáveis e inesquecíveis, do tipo Batman & RobinDom Quixote & Sancho Pança, Zé Colméia & Catatau, Atchim & Espirro, Pink & Cérebro, Beavis & Butt-Head, entre outras.

A última da dupla da ruinddad foi multar os manifestantes do Movimento Brasil Livre, do Vem Pra Rua, do Revoltados On Line, do Endireita Brasil e do Solidariedade por supostamente interromperem a ciclovia da Paulista no último domingo.

Ora, ora, dupla... (qual é mesmo o antônimo de "dinâmica"? Inerte, inativa, estática? Enfim...) cadê as multas para a CUT, o PT, a UNE, o MTST? A lei não é para todos? Ou os cooPTados pelo seu partido e pelo seu (des)governo estão acima da lei? Ou a lei foi só pretexto para vocês punirem os manifestantes pró-impeachment? Caras-de-pau!

Só lembrando que a dupla Haddad & Tatto, sem qualquer tato administrativo, é a mesma que teve suspensas, por suspeitas de irregularidades, a licitação do novo contrato do sistema de transporte, dos corredores de ônibus, das ciclovias, da inspeção veicular, o sorteio dos táxis pretos e até a aplicação dos recursos das próprias multas de trânsito. Eita lerê!

Mas será que eles são bons em alguma coisa, além do mimimi e do chororô?

Leia mais:

Haddad e Tatto anunciam multa para carros de som do #ForaDilma; vão repetir a dose contra os aliados?

Exclusivo: os números do DataBlog no Mortadela Day

O Zoneamento da "Legolândia" do Haddad

Papai e mamãe Haddad devem estar orgulhosos

Impeachment, cassação, renúncia... #ForaDilma

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Aberta a temporada de plantações para 2016...

Segue a novela das possíveis candidaturas à Prefeitura de São Paulo, com a tradicional troca de farpas internas nos partidos, além de diretas e indiretas distribuídas pela imprensa.

Como não poderia deixar de ser, os "recados" chegam também ao PPS. Tentam dar como favas contadas o apoio do partido ao "candidato do governador". A bola da vez na bolsa de apostas é o empresário João Doria Jr., que já teria recebido uma declaração de apoio de Geraldo Alckmin.

Especula-se ainda que a cordialidade do presidente municipal do PPS paulistano, Carlos Fernandes, que visitou o pré-candidato João Doria na comemoração do seu aniversário, seria uma sinalização de apoio. Mas falta bom senso e informação aos plantadores de notícias. O nosso campo tem em comum a oposição ao PT.

Se não bastasse a rotina de conversas da direção do PPS com todos os potenciais candidatos deste campo oposicionista (não apenas os tucanos Andrea Matarazzo, José Anibal, Ricardo Tripoli, Bruno Covas, José Serra, Aloysio Nunes, Floriano Pesaro, FHCAlberto Goldman, Mara Gabrilli, mas também o PMDB de Marta Suplicy, o PV de Eduardo Jorge Gilberto Natalini, o PSB de Marcio França e Eliseu Gabriel, entre outros), é preciso lembrar que o PPS já apresentou o seu próprio postulante às eleições de 2016: Ricardo Young, neste diálogo com os outros partidos.

Vale a pena ler antes de plantar notas na imprensa:

PPS apresenta pré-candidatura de Ricardo Young e prioriza "Diálogo por São Paulo" com PSB, PV e Rede

PPS/SP dá a largada para as eleições de 2016

Fala de Marcio França causa incômodo entre aliados

O Zoneamento da "Legolândia" do Haddad

A Câmara Municipal de São Paulo espera votar logo o Orçamento de 2016 para entrar em recesso, sob as ordens do governo para aprovar antes a Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo. A oposição e (note a dimensão da "ruinddad") até mesmo parte da base de sustentação são contra.

Afinal, tal lei deveria ser baseada no Plano Diretor, mas na verdade ambos estão mais para "Plano Exterminador do Haddad" (que ignora os efeitos das suas ações na vida cotidiana da cidade e despreza qualquer visão de sustentabilidade, priorizando seu pragmatismo raso e eleitoreiro).

O Executivo tem o péssimo hábito de querer dar as cartas no Legislativo, fazendo-o funcionar como mero puxadinho, tratando os vereadores da base como despachantes de luxo (e parece que a maioria gosta mesmo disso). A chamada Lei de Zoneamento é um exemplo típico: a Prefeitura tenta impor a sua vontade, realiza audiências públicas pró-forma, inclui uns mapas indecifráveis no Projeto, manda as ordens para a base e pronto! Acha que vai enfiar goela abaixo da população suas ideias mirabolantes.

Como já disse, com razão, o vereador Andrea Matarazzo (PSDB), "o prefeito Haddad conhece a cidade pelo Google Maps". Pois é assim que ele administra: ao rabiscar ciclofaixas sem qualquer racionalidade ou planejamento, ao reduzir a velocidade de vias expressas, ao entregar áreas verdes de mão beijada para a especulação imobiliária e agora ao modificar a Lei de Zoneamento. O prefeito parece um adulto irresponsável brincando de ser criança, administrando a sua cidade Lego.

Não há transparência, clareza, coerência ou precisão nas propostas da Prefeitura. Não se tem os mínimos detalhes dos perímetros e limites de cada zona, não há um descritivo exato do que deseja a gestão Haddad, mas simplesmente um amontoado de mapas e textos imprecisos. Porém, o que às vezes parece apenas displicência, repare, acaba se tornando o modus operandi deste governo (e deste partido). Estão aí as investigações a provar... Olho neles!

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Haddad e Tatto anunciam multa para carros de som do #ForaDilma; vão repetir a dose contra os aliados?

Nesta quarta-feira, 16 de dezembro, tem manifestação pró-governo na Avenida Paulista, fazendo o contraponto do #ForaDilma de domingo, dia 13. Vamos ficar de olho no comportamento do prefeito Fernando Haddad (PT) com os manifestantes que já avisaram que vão bloquear o trânsito da regão central. Até porque Haddad mandou multar os carros de som dos movimentos pró-impeachment.

"A CET tem um padrão, ou seja, os agentes de trânsito obedecem ao Código Nacional de Trânsito. Se você tem um local onde não é permitido veículo motorizado e o veículo está lá, é um procedimento do próprio agente de tomar medidas", afirmou o secretário municipal de Transportes, Rolando Lero Jilmar Tatto.

Será que a Prefeitura vai ser tão rigorosa e repetir a dose contra os manifestantes do PT, do MTST, da UNE e da CUT, por exemplo, como agiu contra o Movimento Brasil Livre, o Vem Pra Rua, o Solidariedade, o Endireita Brasil e o Revoltados On Line?

O mais engraçado é que Haddad e Tatto não conseguem fazer nada certo, da licitação do contrato de transporte, que está vencido e vem sendo prorrogado indefinidamente, até a aplicação dos recursos arrecadados com as multas de trânsito, que tem a sua legalidade questionada pelo Ministério Público e pelo Tribunal de Contas do Município. Mas a dupla segue na ação caça-níqueis, agora até mesmo contra os manifestantes de rua... É uma vergonha essa gestão ruinddad!

Conheça João Monteiro, autor dos cartazes de Lula, Dilma e Cunha que fizeram sucesso na Paulista


O #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, conversa com o escultor e artista plástico João Monteiro, autor dos cartazes que fizeram sucesso na manifestação deste domingo do #ForaDilma, na Avenida Paulista. Assista.

Ele estilizou uma torre da Petrobras, intitulada de "Abreu e Lula", além de fazer enormes charges de Lula e Dilma com roupas dos Irmãos Metralha, e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, conferindo o saldo bancário de uma conta na Suiça.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

O #ProgramaDiferente analisa a crise do petismo e debate o parlamentarismo como alternativa



Neste momento de grave crise política, o #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, entrevista Breno Altman, um jornalista com histórico de militante petista, amigo pessoal de Lula e José Dirceu (mas crítico da política econômica e social do governo Dilma), e debate com Eduardo Jorge e Roberto Freire a adoção do parlamentarismo como alternativa futura (a partir das eleições de 2018) ao saturado e combalido presidencialismo brasileiro. Assista.

Aliás, o programa lembra os dez anos da primeira prisão do então ministro José Dirceu, no episódio do mensalão. Ou seja, como ele teve os direitos políticos cassados por uma década, desde dezembro de 2005, poderia voltar a se candidatar, se não tivesse sido preso novamente (dessa vez na Lava Jato) e caído em desgraça, abandonado agora até por velhos companheiros.

Essas prisões motivaram uma piada nas redes. Preso três vezes, José Dirceu já teria direito a pedir música no Fantástico. Mas o assunto é sério. Não é piada. Na primeira vez, nos anos 60, José Dirceu foi preso como líder estudantil, na militância política contra a ditadura.

A prisão mais recente foi na Operação Lava Jato, em agosto de 2015, como reincidente em crimes como corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Entre essas duas está a prisão da foto do punho cerrado (ao lado de Breno Altman), uma tentativa marqueteira de vitimização para atenuar sua ação criminosa no Mensalão. José Dirceu permaneceu preso de novembro de 2013 a março de 2015. Ficou solto cinco meses e voltou para a cadeia.

O #ProgramaDiferente é exibido na TVAberta de São Paulo todos os domingos, às 21h30.

Na internet, está disponível na TVFAP.net e em programadiferente.com na íntegra.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Vamos todos pra rua no domingo, dia 13? #ForaDilma


Para tirar o 13 do calendário da política, a data é 13 de dezembro, às 13 horas. Vamos todos!

Leia também:

Impeachment, cassação, renúncia... #ForaDilma

Victor Fasano fala da crise e do meio ambiente



Famoso como ator mas também como ativista ambiental, Victor Fasano fala, com exclusividade para o ‪#‎ProgramaDiferente, da tragédia de Mariana (MG), da Conferência do Clima (COP21), realizada em Paris, e da crise do governo Dilma. Assista.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Papai e mamãe Haddad devem estar orgulhosos

Leia também: Caso do filho de Haddad envolve ética e política

Papai Fernando Haddad e mamãe Ana Estela Haddad devem estar orgulhosos do primogênito Frederico Haddad.

O filhão acaba de ser aprovado na 1ª fase do concurso público da Prefeitura de São Paulo e tem tudo para fazer carreira na Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão.

O primeiro passo é o cargo de Analista de Políticas Públicas e Gestão Governamental (APPGG), um dos vagões do trem da alegria criado pela caneta do pai-prefeito.

Veja que coincidência: além de Frederico Haddad, foram aprovados no mesmo concurso André Correia Tredezini e Alexandre Rebelo Ferreira, que em janeiro deste ano também apareceram juntos em matérias da Folha de S. Paulo e da Veja São Paulo. O motivo? A revelação de que os amigos do filho de Haddad estavam nomeados no gabinete do prefeito. Fala sério: são ou não são garotos de ouro, prendados, esforçados e brindados pela sorte?

A remuneração inicial será de R$ 9.619,14 para uma jornada de trabalho de 40 horas semanais, além de outros benefícios (vale-refeição, auxílio transporte e auxílio alimentação). Estes cargos fazem parte do pacotão criado pelo prefeito Haddad sob o argumento de reforçar o combate à corrupção na Prefeitura, pela Controladoria Geral do Município. Para o cargo de auditor municipal, o salário inicial é de R$ 13.900, podendo chegar a R$ 21.405 ao longo da carreira. Nada mal para esses jovens estudiosos que entram na Prefeitura por concurso público.

É um salto e tanto para Frederico, Alexandre e André, que há 11 meses viraram notícia por ocuparem cargos de assessores no gabinete do prefeito Fernando Haddad, recebendo salário líquido de R$ 3.300 e atuando, segundo explicaram, em "agendas ligadas à cultura, direitos humanos e igualdade racial". A Prefeitura negou, à época, que os jovens tinham sido nomeados por relações de amizade. Foi por mérito, é claro!

Formados em direito na USP, os amigos atuaram juntos também em atos da Juventude do PT e das campanhas eleitorais de Dilma Roussef à Presidência e de Alexandre Padilha ao Governo do Estado. Bem se vê que o petismo compensa.

Caso do filho de Haddad envolve ética e política

Como chegou ao Blog do PPS a informação que o prefeito Fernando Haddad teria considerado um ataque pessoal (e, portanto, alheio à política) a nota Papai e mamãe Haddad devem estar orgulhosos, que relata com ironia o caso pitoresco da aprovação em concurso público municipal do filho e de dois amigos (os mesmos que já foram notícia por estarem nomeados em cargos de livre provimento na Prefeitura), são necessários alguns esclarecimentos.

Não há intenção de citação pessoal. A informação é pública (reproduzida do Diário Oficial) e a questão é essencialmente política. Em nenhum momento há qualquer insinuação sobre a legitimidade do concurso. Ao contrário. Simplesmente registramos a coincidência de um caso que já foi apontado no início deste ano como possível nepotismo e favorecimento (negados pela Prefeitura), ao serem nomeados para cargos de confiança, na Secretaria de Governo, os amigos do filho do prefeito. Os mesmos personagens que agora, juntos, foram aprovados na primeira fase do concurso para os novos cargos criados pela gestão Haddad.

A partir da postagem do Blog do PPS, que teve grande repercussão exatamente por envolver questões éticas e políticas relevantes, cidadãos interpretaram das mais variadas maneiras a notícia. Por exemplo: Claudio Vieira, do Movimento "Adote um Vereador", encaminhou denúncia ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público do Estado de São Paulo. É um direito do cidadão.

O nosso interesse é apenas o debate político do tema. Reveja o que foi postado no Blog do PPS e as matérias do início do ano, relatando a nomeação na Prefeitura dos amigos do filho de Haddad, por exemplo, nos jornais O GloboFolha de S. Paulo e na revista Veja São Paulo.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Bruna Lombardi lança livro "Jogo da Felicidade" e anuncia filme "Amor Em Sampa" com Riccelli



Atriz, escritora, produtora e roteirista de cinema, modelo e eterna musa da TV com inacreditáveis 63 anos, Bruna Lombardi está lançando o livro "Jogo da Felicidade", uma espécie de oráculo moderno, como define, ou um "manual de orientação sobre a vida".

Ao lado do marido, o também ator e diretor de cinema Carlos Alberto Riccelli, ela recebeu amigos em São Paulo e prepara para o dia 25 de janeiro de 2016, data do aniversário da cidade, o lançamento do novo filme do casal (veja nas redes #AmorEmSampa).

#ProgramaDiferente, da TVFAP.net, fala sobre o livro e sobre o filme com o diretor Riccelli, em primeiríssima mão, além de ouvir uma série de personalidades sobre o momento crítico que o país atravessa. Nesta semana, Bruna Lombardi esteve também no Programa do Jô e no centro do Roda Viva, para contar da carreira e dos lançamentos.

Assista a cobertura do evento e as entrevistas com Nabil Bonduki (PT), secretário de Cultura da Cidade de São Paulo; João Doria Jr., empresário e pré-candidato do PSDB à Prefeitura; as atrizes Eva Wilma e Leona Cavalli; os atores Victor Fasano e João Signorelli; o coreógrafo Ivaldo Bertazzo; o advogado Luiz Flávio Borges D'Urso; o ex-presidente da SP Turismo, Caio de Carvalho; o empresário e ex-presidente do Santos Futebol Clube, Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro; e o jornalista Salomão Schvartzman.

Em 192 páginas e 21 capítulos, Bruna Lombardi detalha as peças-chaves "para a autodescoberta e para atingir a conexão com o universo", conseguindo assim alcançar a felicidade que, para ela, consiste em "viver um fato presente com todas as possibilidades que este apresenta".

"Não é um livro de autoajuda, mas um oráculo moderno que trata dos períodos do caminho pelos quais necessariamente passamos para conseguir cumprir qualquer projeto, tarefa ou história de amor", afirma a autora. "É fácil entender a felicidade, mas muitas pessoas não a compreendem porque acreditam que ela é o fim e não o caminho".

Já o filme "Amor em Sampa" é uma comédia musical romântica com roteiro de Bruna e direção do marido e do filho deles, Kim Riccelli, que conta cinco histórias de amor interligadas e tendo a cidade de São Paulo como cenário. 

No primeiro teaser do filme, o publicitário Mauro (Rodrigo Lombardi) apresenta um projeto para melhorar a vida das pessoas na cidade: o movimento #AmorEmSampa, que já circula nas redes. O elenco conta ainda com Eduardo Moscovis, Mariana Lima, Tiago Abravanel, Marcello Airoldi, Odilon WagnerMiá Mello, Bianca Müller e Letícia Colin, entre outros.

O médico Claudio Lottenberg, presidente do Hospital Albert Einstein, está no #ProgramaDiferente



O #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, ouve com exclusividade o médico Claudio Lottenberg, presidente do Hospital Israelita Albert Einstein há 14 anos e ex-secretário municipal da Saúde de São Paulo (gestão do prefeito José Serra), no lançamento do livro "Saúde e Cidadania – A tecnologia a serviço do paciente e não ao contrário".

O livro é uma reflexão sobre os atuais desafios dos sistemas de saúde, as novas tecnologias que começam a ser incorporadas à prática da medicina e o que alterou na relação médico-paciente. "Adaptar-se não é mais uma questão de sobrevivência, mas de sabedoria", afirma o autor. Quais são as mudanças? O que trarão de benefícios aos pacientes e médicos?

Paulistano, doutor em Oftalmologia, graduado pela Escola Paulista de Medicina. sua clínica oftalmológica, a Lotten Eyes, já atendeu mais de 50.000 pacientes.

É professor de Pós-Graduação em Oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo. Professor Titular do curso do MBA em Saúde do IBMEC. Autor de trabalhos médicos e livros como "A Saúde Brasileira pode dar Certo", Claudio Lottemberg é, sem sombra de dúvidas, um dos mais conceituados e respeitados médicos do Brasil. Assista.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Impeachment, cassação, renúncia... #ForaDilma

O governo Dilma acabou. Isso não é torcida, mas um fato. Se o afastamento vai se dar pelo processo político-jurídico iniciado no Congresso ou no TSE por crime eleitoral, se vai ser por pedalada fiscal, por ação ou omissão flagrada na Lava Jato, se a saída vai ser por impeachment, cassação ou renúncia, ao modo Collor ou Getúlio, tanto faz. Uma coisa é certa: à Jango não será!

Em uma afirmação a petralhada e os oportunistas que se arvoram na defesa de Dilma e deste (des)governo corruPTo tem razão: NÃO VAI TER GOLPE! E não vai mesmo! O PT será defenestrado do governo por ação constitucional amparada em princípios republicanos. É o tão decantado Estado Democrático de Direito funcionando na prática e se mostrando por inteiro.

Ainda que uns e outros tentem carimbar como "golpe" o que a sociedade faz em sua legítima defesa, justamente para salvar o Governo, o Estado, o País das mãos dos verdadeiros golpistas, assaltantes dos cofres públicos, estelionatários eleitorais, gestores inaptos, políticos desonestos.

O que está em jogo não é o tradicional fla x flu da política e das redes sociais. Não se trata de um Cunha x Dilma, nem mesmo da típica polarização governo x oposição.

Estamos vivendo um momento histórico, em que TODOS aqueles que cometeram crimes de responsabilidade ou contra a administração pública devem ser cassados e condenados exemplarmente. Todos, sem exceção.

O Brasil está parado não por culpa da oposição ao governo. Ao contrário. A incapacidade de conduzir o país é demonstrada cotidianamente por quem está no poder. Dilma é protagonista da crise política e econômica que desagregou a sua base e derreteu qualquer resquício de credibilidade. É cúmplice do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo modus operandi mafioso montado para o controle partidário e eleitoral da máquina estatal, que inaugurou as PPPs (parcerias público-privadas) do crime.

Não há setor do governo que não tenha um esquema criminoso. Isso é degradante, inaceitável. Como bem disse a ministra Carmen Lúcia, do STF: "Parece que o escárnio venceu o cinismo, mas o crime não vencerá a Justiça". É o que defendemos indo às ruas pelo impeachment, pela cassação ou pela renúncia da ex-presidente Dilma Roussef. Ela já não governa. Perdeu a autoridade, a competência, a direção. Perdeu o equilíbrio e a razão.

Para o Brasil retomar o rumo da estabilidade, da governabilidade e do desenvolvimento sustentável, sem perder a legitimidade democrática e republicana, a saída de Dilma é primordial. Os ajustes posteriores virão pela ação soberana do povo nas ruas e nas urnas. Ó Pátria amada, idolatrada... Salve! Salve! #ForaDilma #ForaPT

Leia também:

PPS aprova nota que defende o impeachment de Dilma

A íntegra da carta enviada pelo vice Michel Temer a Dilma

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

O #ProgramaDiferente debate a ocupação do espaço público e a gestão das cidades inteligentes



Na semana em que a ocupação das escolas por estudantes paulistanos foi notícia em todo o país, o #ProgramaDiferente discute, muito além deste caso, a ocupação do espaço público e a compreensão do papel das novas gerações. Assista.

É preciso compreender esta nova visão urbana, metropolitana e sustentável das grandes cidades. Assim como conhecer os novos protagonistas do mundo moderno e globalizado. 

O segredo das cidades inteligentes, com uma população à altura desta concepção, é construir um programa de governança democrática e um pacto de governabilidade.
O foco principal é no desenvolvimento sustentável, na qualidade de vida e na garantia de uma administração pública eficaz para atingirmos este novo patamar urbano e civilizatório.
Por isso, valorizamos boas práticas para aproximar as demandas do cidadão com a gestão da cidade e a necessidade de superarmos essas administrações atuais, caóticas e antiquadas.

A entrevista com o empresário Facundo Guerra aponta um pouco nesta direção.

A matéria com os artistas que se apresentam na Avenida Paulista também mostra esse novo enfoque de ocupação compartilhada do espaço público.

O debate final, nesta semana em que a Seleção Brasileira Feminina de Handebol começou a disputa para manter o título mundial da categoria, traz também uma visão reformadora e moderna da gestão do esporte.

É inegável que vivemos novos tempos. Temos no esporte, talvez, o exemplo mais visível e emblemático: o futebol já era! Quem diria!? O novo Brasil é o país do handebol!

Assim como na política, enquanto o futebol enfrenta a maior crise da nossa história dentro e fora do campo, com a vergonha da última Copa e escândalos de corrupção na CBF e na Fifa, o esporte coletivo que mantém o Brasil no topo do mundo é mesmo o handebol.

O #ProgramaDiferente é exibido na TVAberta de São Paulo todos os domingos, às 21h30.

Na internet, está disponível na TVFAP.net e em programadiferente.com na íntegra.

Veja também:

FAP se reúne e define Plano de Trabalho para 2016

A Direção Executiva e o Conselho Curador da FAP (Fundação Astrojildo Pereira) se reuniram neste final de semana em Brasília para aprovar o Plano de Trabalho de 2016. Das atividades programadas para o próximo ano se destaca a Conferência das Cidades e da Governança Democrática, que será realizada em Vitória, no Espírito Santo, nos dias 19 e 20 de março.

Entre as prioridades da FAP também está a (re)criação das representações nos estados e a definição de uma nova dinâmica de trabalho, melhorando a comunicação entre dirigentes e conselheiros, e adotando procedimentos mais eficazes de apresentação e execução de projetos.

Foi criada uma comissão para definir a política editorial e os novos procedimentos de coleta, seleção e aprovação dos livros a serem publicados pela FAP, tendo como critério o princípio estatutário de "editar e veicular publicações que possam servir como referências teóricas, políticas e culturais para as lutas democráticas e progressistas da sociedade brasileira".

Também será incentivado o contato e a articulação de eventos conjuntos com outras organizações da sociedade e fundações partidárias, preferencialmente de legendas como PV, PSB, Solidariedade, Rede Sustentabilidade, PSDB e PMDB, nos moldes do que já ocorreu em 2015 com o "Diálogos Brasil" e que vem sendo realizado com o "Saídas para a Crise".

Diga-se, aliás, que há um novo encontro desta série "Saídas para a Crise" no Rio de Janeiro (ASA – Associação Scholem Aleichem, Rua São Clemente, 155), nesta quinta-feira, dia 10, reunindo o cientista social Luiz Werneck Viana, o cientista político Cesar Benjamin e o jornalista e ex-deputado Milton Temer, com mediação do deputado estadual Comte Bittencourt (PPS/RJ).

Além do Plano de Trabalho foram debatidos inúmeros outros temas, como a necessidade de se resgatar a história do PCB/PPS com os movimentos sociais, operários, camponeses, negros, indígenas etc., além da visão da FAP sobre tragédias ambientais como a de Mariana (MG) e a responsabilidade do poder público e das empresas envolvidas.

Também foi definido que cabe judicialmente um pedido de esclarecimento à Comissão Nacional da Verdade sobre a acusação unilateral contra três ex-integrantes do Partido Comunista Brasileiro, com base em depoimentos de agentes da repressão ao livro "A Casa da Vovó", do jornalista Marcelo Godoy, que foram anexados ao relatório final da comissão que investigou violações de direitos humanos cometidas entre os anos de 1946 e a promulgação da Constituição democrática de 1988.

Atividades de formação política (com cursos presenciais e de ensino à distância) serão promovidas para militantes, pré-candidatos, dirigentes e simpatizantes, sobretudo valorizando a história do PCB/PPS e esclarecendo qual é o papel dos vereadores e dos prefeitos que serão eleitos em 2016, e como eles podem se inserir na prática da governança democrática.

Será incentivada e aprimorada a presença da FAP na internet e nas redes sociais, tanto através do seu Portal quanto de publicações como a Revista Política Democrática e páginas de apoio, como a Esquerda Democrática, para divulgação de ações, artigos, eventos e debates de ideias.

A TVFAP.net, no ar há nove meses, terá continuidade com a sua programação jornalística de conteúdo abrangente e qualificado. Conceitualmente, o objetivo é entender o atual momento do país e manter o diálogo com personalidades e instituições do campo da política democrática e republicana (muito além dos limites partidários do PPS, que também possui a sua própria TV), além do meio acadêmico, científico, artístico e cultural.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Nem truculência da polícia, nem da velha política

A soma da truculência policial com a intolerância da velha política dará sempre um resultado negativo. Quem perde, neste caso da ocupação das escolas, é a própria Educação (Pátria Educadora, salve, salve!).

O prejuízo é da maioria silenciosa que assiste de fora este conflito polarizado (como virou moda em tempos de fla x flu nas redes e nas ruas) e partidarizado (no pior sentido do termo).

Qualquer pessoa, em sã consciência, deve ser contra o fechamento de escolas e a favor da reorganização e da racionalização do sistema de ensino, com diálogo franco e a participação de alunos, pais, professores, funcionários etc.

Mas, por outro lado, o que faz a militância (ou seria milícia) treinada da Apeoesp, do MTST (Educação? Oi?) e de alguns partidos manipulando o movimento de ocupação? Como reagir? Como o Governo do Estado deve enfrentar a questão?

Por princípio, colocar a PM armada para atacar estudantes parece, obviamente, a estratégia mais equivocada da face da terra. Não dá para entender quem orienta o governador, mas parece jogar contra. Estão caindo na armadilha orquestrada da oposição.

O Governo do Estado deveria chamar os estudantes para o diálogo. Ainda é tempo. São duzentas escolas ocupadas? Chame um representante de cada escola, eleito pelos próprios estudantes e desde que seja um aluno regularmente matriculado, num espaço aberto para o debate.

Ouça os argumentos, as reivindicações, esclareça as preocupações. Aja com transparência. Informe. Explique. Seja didático e democrático. Reconheça a legitimidade dos estudantes que ocupam as escolas por idealismo contra o fechamento. Use a palavra e a inteligência como armas, em vez da pistola, do cassetete e das bombas de efeito (i)moral.

Permita que os estudantes ocupem as escolas até o pleno esclarecimento das mudanças. Dê segurança, garanta estrutura. Tire de lá quem não tem nenhum vínculo com a Educação e - estes, sim - ocupam irregularmente e representam uma ameaça ao patrimônio público: os invasores profissionais.

Desmoralize quem tenta manipular os estudantes. Não dê mais motivos para quem pretende politizar e faturar eleitoralmente com a reforma do ensino. Ganhe a juventude e a opinião pública com bom senso, com razão, com sensibilidade, com justiça. É simples? Não, não é. Mas é o caminho certo. Tente.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Danilo Gentili e sua trupe comemoram abertura do processo de impeachment da presidente Dilma



Enquanto o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), anunciava a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Roussef, o #ProgramaDiferente acompanhava o lançamento do livro Droodles, com desenhos do apresentador e humorista Danilo Gentili, um dos inimigos declarados do PT.

A trupe de Gentili no programa The Noite, do SBT, comemorou o fato. A TVFAP.net também ouviu os humoristas Murilo Couto e Rodrigo Cáceres, além da jornalista Joice Hasselman, que até o início de novembro era âncora da TV da Revista Veja. Assista.

Joice Hasselmann fala sobre impeachment de Dilma



A jornalista Joice Hasselmann, que até o início de novembro era âncora do canal de vídeos da Revista Veja, fala com exclusividade ao #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, sobre a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Roussef. Assista.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

O #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, apresenta entrevista de Veríssimo a Drauzio Varella



Assumidamente lacônico, tímido e avesso a entrevistas, Luis Fernando Veríssimo conta a sua trajetória como escritor e jornalista ao médico Drauzio Varella, outro que exerce com desenvoltura múltiplas tarefas, entre elas uma série de entrevistas com personalidades das mais diversas áreas. O #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, acompanhou em primeira mão. Assista.

Aos 79 anos, gaúcho de Porto Alegre, Luis Fernando Veríssimo tem mais de 60 livros publicados, entre contos, crônicas, romances, relatos de viagens, cartuns e quadrinhos. Já foi publicitário e revisor de jornal. É humorista, cartunista, tradutor, roteirista de televisão, autor de teatro. Toca saxofone num grupo que percorre o Brasil. Seus talentos são inesgotáveis.

Filho do também escritor Érico Veríssimo, autor da obra-prima O Tempo e o Vento, demorou para se definir pela carreira do pai. Passou parte da infância e da adolescência nos Estados Unidos. Da paixão pelo jazz à produção de horóscopo para jornal, quando foi "desmascarado" pelos leitores, há vários fatos inusitados que ele revela na entrevista.

Entre os mais divertidos está o episódio do jornal familiar que ele lançou aos 14 anos e pendurava no banheiro de casa: "O Patentino" (de patente, como era chamada a privada na gíria do Sul). Ao #ProgramaDiferente, com exclusividade, ele responde se o jornalismo atual chega ao patamar do antigo periódico de banheiro.

Também fala de outros personagens famosos, como A Velhinha de Taubaté e O Analista de Bagé, durante evento de lançamento, em São Paulo, do seu novo livro As Mentiras que as Mulheres Contam. Foi uma oportunidade ímpar ver reunidos Veríssimo e Drauzio Varella, e um encontro inesquecível, que compartilhamos aqui.

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

No Dia Mundial de Combate à Aids, Dr. Drauzio Varella fala com exclusividade ao #ProgramaDiferente



Desde o final dos anos 80, o dia 1º de dezembro foi definido pela Organização das Nações Unidas e pela Organização Mundial da Saúde como o Dia Mundial de Combate à Aids. Pois hoje, o #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, ouve o médico Drauzio Varella com exclusividade sobre o assunto. Assista.

O alerta é para o aumento absurdo de novos casos de Aids no Brasil e no mundo, principalmente entre a população mais jovem, até os 24 anos, que tem se tornado mais acomodada, menos preocupada e não se previne como deveria.

Aos 72 anos, Drauzio Varella é provavelmente o médico mais famoso do Brasil. Oncologista formado pela Universidade de São Paulo, pesquisador, escritor e maratonista, é conhecido pela participação frequente em programas de rádio e TV, sempre com informações didáticas e objetivas.

Ele é um dos nomes mais respeitados no estudo da Aids no Brasil, tema que ajudou a popularizar, com campanhas de esclarecimento e prevenção. Em 1986, começou este trabalho pioneiro na Rádio Jovem Pan, e posteriormente seguiu na 89 FM.

Em 1989, iniciou no Carandiru (Casa de Detenção) uma investigação sobre a alta incidência do vírus HIV nos detentos. Até 2002, ano em que o presídio foi desativado, trabalhou como médico voluntário no local.

Com apoio da Universidade Paulista e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), dirige no Rio Negro um projeto de análise de plantas brasileiras, buscando obter extratos para testar experimentalmente no combate ao câncer e a bactérias resistentes a antibióticos.

Apresenta na Band AM o "Espaço Saúde", em que descreve doenças, seus sintomas e, principalmente, formas de prevenção. O combate ao tabagismo sempre foi prioridade. Na televisão, ficou conhecido pelos vários quadros no programa Fantástico, da Rede Globo, abordando temas como a própria Aids, o corpo humano, tabagismo, primeiros socorros, gravidez, obesidade e transplante de órgãos.

Ruy Castro lança "A Noite do Meu Bem" e conversa com o #ProgramaDiferente, da TVFAP.net



O jornalista e escritor Ruy Castro está lançando "A Noite do Meu Bem: A História e as Histórias do Samba-Canção". Certamente será mais um sucesso deste carioca nascido por acaso em Caratinga, Minas Gerais.

"Sou um carioca que nasceu longe de casa", conta, fazendo graça. "Como vim ao mundo em fevereiro de 1948, imagino que alguma coisa aconteceu ali naquele sobradinho, na Rua da Lapa, onde meus pais moravam antes de seguirem para Minas"

A explicação bem-humorada revela um pouco da personalidade de Ruy Castro. Colunista da Folha de S. Paulo, com passagem por importantes jornais e revistas desde 1967, descobriu-se escritor (várias vezes premiado) com biografias geniais, como O Anjo Pornográfico (a vida de Nelson Rodrigues), Estrela Solitária (sobre Garrincha) e Carmen (sobre Carmen Miranda).

Também faz estrondoso sucesso com seus livros de reconstituição histórica de uma época em que ele próprio foi personagem marcante, como Chega de Saudade (sobre a Bossa Nova) e Ela é Carioca (sobre o bairro de Ipanema, no Rio). Este novo livro bebe da mesma fonte criativa.

São quase 500 páginas para contar a história do samba-canção, que ganha uma série de explicações charmosas e didáticas: 
"É o samba lento, confessional, com frases musicais longas e licorosas, perfeito para ser dançado de rosto colado." 
"É a continuação natural de uma tradição romântica da música brasileira, filho ou sobrinho das modinhas, valsas, serestas, marcha-ranchos." 
"É o samba de mão no ombro." (tomando emprestada uma expressão usada pelo compositor Mário Lago, em 1952). 
"É a música a que duas pessoas apaixonadas sempre poderão recorrer quando sentirem o seu amor em perigo."
A leitura é imperdível, assim como a conversa exclusiva de Ruy Castro com o #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, durante o lançamento do seu livro em São Paulo. Assista aqui um bate-papo sobre o novo trabalho e sobre a situação do país.

O jornalista e escritor José Nêumanne Pinto, direto ao assunto, no #ProgramaDiferente da TVFAP.net



Paraibano de Uiraúna, José Nêumanne Pinto é jornalista, poeta e escritor. Editorialista e articulista do jornal O Estado de S. Paulo, comentarista político e econômico da Rádio Jovem Pan e da TV Gazeta. Publicou diversos livros, dentre os quais se destacam "O Silêncio do Delator" e "O que Sei de Lula".

Com quase meio século de jornalismo, começou a carreira como crítico de cinema e repórter de polícia no Diário da Borborema, de Campina Grande. Depois, trabalhou na Folha de S.Paulo, Jornal do Brasil, Jornal da Tarde, O Estado de S. Paulo, The Miami Herald e SBT, onde popularizou seu bordão: "José Nêumanne Pinto, direto ao assunto".

Assista aqui à entrevista de Nêumanne ao #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, com a sua análise sobre a atual crise do governo brasileiro.

Alberto Dines afirma ser contra o impeachment e defende parlamentarismo para o Brasil sair da crise



O jornalista, escritor e professor Alberto Dines é referência da profissão, sempre atuante e combativo. Aos 83 anos (com 63 de profissão) é pesquisador sênior do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo da Unicamp e editor-responsável do Observatório da Imprensa, criado por ele, o primeiro portal de acompanhamento da mídia no Brasil, com versão online e pela televisão.

Assista aqui à entrevista de Alberto Dines ao #ProgramaDiferente, da TVFAP.net, com uma análise sobre a atual crise do governo brasileiro. Ele afirma ser contra o impeachment da presidente Dilma Roussef e defende o parlamentarismo como saída para a crise.

Carioca, Alberto Dines iniciou sua carreira em 1952 como crítico de cinema da revista A Cena Muda. No ano seguinte foi convidado para trabalhar como repórter na recém-fundada revista Visão, cobrindo assuntos ligados à vida artística, ao teatro e ao cinema. Posteriormente passou a fazer reportagens políticas. Permaneceu na Visão até 1957, quando foi para a revista Manchete. Tornou-se assistente de direção e secretário de redação.

Em 1959 assumiu a direção do segundo caderno do jornal Última Hora. No ano seguinte foi nomeado editor-chefe da recém-criada revista Fatos e Fotos, tendo colaborado, nessa ocasião, no jornal Tribuna da Imprensa, então pertencente ao Jornal do Brasil. Em 1960, dirigiu o Diário da Noite, dos Diários Associados de Assis Chateaubriand, convertendo-o em tablóide vespertino.

Ingressou em janeiro de 1962 no Jornal do Brasil como editor-chefe. Em 1963 criou e ocupou a cadeira de jornalismo comparado na Faculdade de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Nesse período fundou, dirigiu e colaborou regularmente com os Cadernos de Jornalismo e Comunicação do Jornal do Brasil. Em 1965 instituiu a cadeira de teoria da imprensa na PUC-RJ.

Convidado paraninfo de uma turma desta Faculdade logo após a edição do AI-5, fez um discurso criticando a censura e, em conseqüência, foi preso em dezembro de 1968 e submetido a inquérito. Em 1971 recebeu o Prêmio Maria Moors Cabot da Universidade de Colúmbia, nos Estados Unidos.

Foi demitido em 1973 do Jornal do Brasil, depois de 12 anos como editor. No JB criou o Departamento de Pesquisa, a Editoria de Fotografia, a Agência JB, além dos Cadernos de Jornalismo. Em 1974 deixou a Fatos e Fotos, viajando para os Estados Unidos, onde foi professor-visitante na Universidade de Columbia, em Nova York, durante um ano.

Retornou ao Rio de Janeiro em julho de 1975 e assumiu a chefia da sucursal carioca da Folha de S. Paulo. Em 1980, deixou o jornal e passou a colaborar no semanário O Pasquim, onde reeditou a coluna "Jornal dos Jornais". Em seguida assumiu o cargo de secretário editorial da Editora Abril, em São Paulo. Como diretor-editorial-adjunto, participou da criação de revistas como a Exame de Portugal.

Entre 1988 e 1995 residiu em Lisboa como diretor do Grupo Abril em Portugal. Foi também diretor da empresa Jornalistas Associados, que prestava serviços de consultoria no Brasil e em Portugal. Em 1994 criou em Portugal o Observatório da Imprensa.

De volta ao Brasil em 1994, foi o responsável pela criação do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Passou também a escrever, entre agosto de 1994 e setembro de 1995, uma coluna de crítica ao jornalismo na revista Imprensa.

Em abril de 1996 lançou a versão eletrônica do Observatório da Imprensa, jornal de crítica e debate sobre o jornalismo contemporâneo, que passou a ter uma edição na TV Educativa do Rio de Janeiro em maio de 1998. Voltou ao Jornal do Brasil em outubro de 1998, onde passou a manter coluna semanal de crítica jornalística.

Recebeu o título de notório saber em história e jornalismo pela USP, na qual também é membro da comissão de avaliação do curso de jornalismo.