sábado, 29 de setembro de 2012

Ricardo Young reúne Marina e Soninha no domingo


Com a participação da ex-senadora e presidenciável Marina Silva e da candidata a prefeita Soninha Francine, da Coligação "Um Sinal Verde para São Paulo",  acontece neste domingo, 30 de setembro, às 15h (Rua Girassol, 555, Vila Madalena), o chamado "encontro de mobilização e inspiração" na reta final da campanha de Ricardo Young para vereador.

"Nossa campanha, feita a muitas mãos, é fonte de muitas alegrias e aprendizados coletivos; nas atividades de rua, feiras livres, escolas, universidades e rodas de conversa encontramos muitas pessoas especiais e conversamos sobre os caminhos de uma nova política para a cidade que queremos", afirma Young.

Leia também:


sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Por uma São Paulo mais acessível para todos


Assista o ‎17º Programa de TV da candidata Soninha Francine sobre Acessibilidade. A Prefeitura de São Paulo tem de garantir uma cidade mais acessível a todos: deficientes físicos, visuais, auditivos, portadores de síndrome de down, idosos etc. Soninha fala sobre medidas simples que podem ser tomadas para garantir a mobilidade dessas pessoas e facilitar o acesso aos serviços públicos.

Reveja aqui todos os programas no horário eleitoral da Soninha, candidata à Prefeitura pela Coligação "Um Sinal Verde para São Paulo".

Presidente do PPS/SP manda o recado na Folha

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Base de Maluf e Pitta ressurge com Russomanno

Nem na época da ditadura, nem mesmo quando surpreendeu na década de 90 como prefeito de São Paulo e elegeu um poste para a sua sucessão, Paulo Maluf deve ter sonhado em colocar dois candidatos no 2º turno da eleição paulistana: enquanto apóia pessoalmente Fernando Haddad (PT), no golpe de mestre que teve como desfecho a constrangedora foto de Lula nos jardins da mansão malufista, seus mais antigos e fiéis seguidores estão na campanha de Celso Russomanno (PRB).

Vamos dar nomes? Os ex-vereadores Zé Índio, Archibaldo Zancra e José Izar são três exemplos dos chamados malufistas "históricos" que acompanham o atual líder das pesquisas. Fora da política desde que tiveram seus nomes envolvidos nos imbróglios da gestão de Celso Pitta (1997-2000), cujo escândalo denominado "máfia dos fiscais" culminou com a cassação e até a prisão de parlamentares, voltam a rondar o poder.

Se não bastassem os malufistas que reaparecem nos bastidores, comendo pelas beiradas, há outros que disputam inclusive uma vaga na Câmara Municipal, como Conte Lopes (PTB) e Vicente Viscome (PRP), ambos de partidos coligados na chapa de Russomanno.

Vamos relembrar "quem é quem?". Para não nos acusarem de parcialidade, só usaremos informações colhidas no Google:

Vicente Viscome - Foi um dos acusados de chefiar o esquema de extorsão na chamada "máfia dos fiscais". Cassado na Câmara por corrupção, tinha amealhado um patrimônio de 16 milhões de reais. Seu envolvimento nas cobranças de propina na Regional da Penha foi comprovado pelo Ministério Público. Foi preso em março de 1999 e condenado a 16 anos de prisão. Ficou na cadeia até 2005, quando conseguiu liberdade condicional. Dois anos mais tarde, sua pena foi extinta pela Justiça. Em 2008, já tentou se reeleger vereador, sem sucesso. No entanto, não desistiu da carreira política, e concorre novamente ao cargo vereador de São Paulo nas eleições 2012, desta vez pelo PRP, aliado a Celso Russomanno.

José Izar - Eleito vereador pela fama de "advogado do Corinthians", ficou célebre também na política pelo discurso que o salvou da cassação na Câmara Municipal: insinuou ter "na mão" seus colegas vereadores que o absolveram em votação secreta. Segundo Izar, eram "amigos" que carregava "entre os dedos”. E avisou: “Enquanto estiverem em minha mão, vocês vão estar dentro do meu coração”. Para não restar dúvidas, concluiu: “Vocês são amigos que, eu tenho certeza, jamais vou esquecer. Mesmo se cassado for, vou ajudar cada um dos senhores.” Ele e o irmão William Izar, ex-administrador regional da Lapa,  foram condenados a oito anos de prisão pela participação na máfia dos fiscais.

Zé Índio - Vereador por três legislaturas e deputado federal por uma, seu lema sempre foi "Uma vida inteira brigando por você", forma sutil de lembrar seu eleitorado cativo da fama de bom de briga, ao lado dos irmãos que, no passado, botavam medo no bairro da Mooca. Além de controlar a administração regional nos governos Maluf e Pitta, era um dos chefões da Câmara. Foi investigado também pela Operação Hurricane, da Polícia Federal, por suposta formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva e concussão. A Operação Hurricane (furacão) desarticulou uma suposta quadrilha especializada em comprar sentenças para favorecer a máfia dos bingos e caça-níqueis.

Archibaldo Zancra - Vereador por dois mandatos, oriundo da região da Vila Prudente - onde também controlava a administração regional - foi escolhido relator do processo de impeachment do então prefeito Celso Pitta. Escândalos e denúncias o impediram de assumir uma cadeira no Tribunal de Contas do Município, vaga que teria negociado em troca da absolvição do sucessor de Maluf


Conte Lopes - Ex-deputado e ex-tenente e capitão da Rota com fama de "linha-dura", que gosta de exaltar (inclusive no número da urna eletrônica: 14.138, fazendo referência ao calibre da arma). É autor do livro "Matar ou Morrer", escrito em resposta a "Rota 66", do jornalista Caco Barcellos, que demonstra a brutalidade e ilegalidade das ações em que Conte Lopes esteve envolvido.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Russomanno FOGE e Record cancela debate na TV

VERGONHA! A Rede Record, emissora de TV da Igreja Universal, a serviço da candidatura de Celso Russomanno (PRB), cancela debate previsto para a próxima segunda-feira, dia 1º de outubro, atendendo ordem da direção da campanha-igreja-emissora (que é tudo uma coisa só!).

Veja como o mundo dá voltas! A emissora criticava duramente, o tempo todo, outro possível ausente, o tucano José Serra (PSDB), que vinha se recusando a participar de qualquer debate ou entrevista da Record. A direção de jornalismo da emissora afirmava que realizaria o debate, mesmo com a eventual ausência de qualquer candidato.

Com a liderança de Russomanno e a possível ida de Fernando Haddad (PT) para o segundo turno, mudaram os interesses da emissora e da campanha de ambos (que fazem parte da base governista comandada por Lula). A ORDEM passou então a ser poupar Russomanno e apostar no crscimento de Haddad, poupando-o do confronto direto e incômodo com os adversários.

Não é a primeira vez (nem será a última) que um líder de pesquisa foge do debate, como estratégia eleitoral. Mas talvez seja a primeira vez que uma emissora de TV - concessão pública - tome uma decisão tão direta e parcial em defesa do seu candidato.

Lembra os tempos em que a edição do debate presidencial de 1989, no Jornal Nacional, da Globo, beneficiou claramente o candidato Fernando Collor contra Lula. Os tempos mudaram: hoje estão todos juntos (Lula, Collor, Sarney, Maluf, Igreja Universal, TV Record), e a manipulação da TV favorece quem um dia já esteve do outro lado do balcão. É o establishment, levando vantagem sempre!

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Soninha "congela" Haddad ao citar Lula e Mensalão



Os principais candidatos à Prefeitura de São Paulo participaram nesta segunda-feira, 24 de setembro, de mais um debate eleitoral transmitido pela TV, desta vez na Gazeta. Talvez o quinto e último debate (dependendo ainda de confirmação da Globo) seja na próxima segunda-feira (1º de outubro), na Record.

Os candidatos do PT, Fernando Haddad, e do PSDB, José Serra, que em tese são os mais prováveis concorrentes a uma vaga no segundo turno contra Celso Russomanno (PRB), líder em todas as pesquisas de intenção de voto, fugiram dos principais confrontos e evitaram responder perguntas incômodas.

Mais uma vez, a participação de Soninha Francine (PPS) foi destacada nas redes sociais e na cobertura jornalística do encontro pela combinação de se mostrar uma das mais preparadas e fazer as perguntas mais contundentes aos adversários - sobretudo a Haddad, que a cada questão parece "congelar", como no efeito do final do capítulo da novela global. Reveja também: "Haddad, e o Maluf?".

Instituto Lula

No 1º bloco, sexta candidata sorteada, Soninha Francine faz uma pergunta para Carlos Giannazi (PSOL) sobre a cessão de um terreno na região da Nova Luz pela Prefeitura de São Paulo para o Instituto Lula. Giannazi afirma que Kassab “nada mais é do que um grande corretor de imóveis” e transformou a Prefeitura em um balcão de negócios. Ele acusa o prefeito de permitir a “especulação imobiliária”.

Na réplica, Soninha afirma que a proposta do seu partido é de “revitalização” do centro de São Paulo, e foi contra a cessão da área. Ela destaca a importância da criação de moradias e diz que a cessão do terreno ao Instituto Lula é “uma injustiça”. Na tréplica, Giannazi diz que “empreiteiras mandam neste governo” e, por isso, “São Paulo está um verdadeiro caos”.

Ainda no 1º bloco, Russomanno faz uma pergunta para a Soninha. Ele quer saber o plano da candidata para melhorar os serviços públicos. Ela diz que é preciso reduzir a burocracia para não sujeitar o cidadão à “boa ou má vontade” dos funcionários. Ela defende uma revisão de “todos os processos”, mas destaca o papel das ouvidorias para garantir a qualidade da gestão, além de destacar a participação dos cidadãos e a transparência que gera eficiência.

O chefe do Mensalão

No 2º bloco, Soninha faz uma pergunta para Haddad sobre a absurda carta assinada por partidos da base do governo em apoio ao ex-presidente Lula, que acusa de "golpe" associá-lo ao Mensalão. Haddad diz que a oposição foi irresponsável ao atacar o governo acusando sem fundamento. “São Paulo está em descompasso com o que está acontecendo no País”, diz o petista. Na réplica, Soninha volta a falar sobre a nota de desagravo e diz que o teor da carta é “agressivo” e deixou até políticos que apoiaram o texto constrangidos. Na tréplica, Haddad diz que Soninha “fala como se não tivesse participado da Prefeitura de Kassab, da qual foi subprefeita”. Ele diz que vai acabar com a taxa de inspeção veicular. Lembra o caso Aref e diz que o funcionário envolvido em diversos casos de propina foi indicado por José Serra.

O candidato Paulinho (PDT) faz uma pergunta sobre saúde. Soninha diz que faltam profissionais de saúde em São Paulo, e destaca que é preciso uma série de ações emergenciais para garantir atendimento à população. Ela também defende um programa de concessão de bolsas para garantir que médicos com especialidade “em falta” no serviço público (geriatras, por exemplo) sejam formados com ajuda da Prefeitura, para que atuem no atendimento municipal.

Russomanno: aliado ou inimigo do PT?

No 3° bloco, Soninha pergunta para Haddad se ele assina embaixo das acusações e críticas feitas contra Russomanno na propaganda eleitoral do PT, que é comparado ao ex-prefeito Celso Pitta (cria de Maluf) e acusado de ser uma "aventura" ou um "salto no escuro". Haddad ignora a pergunta e retoma assunto anterior. Ele volta a explicar porque, na sua opinião, a proposta de Russomanno para a segurança não daria certo. Em seguida, cita proposta para os transportes. Na réplica, Soninha diz que sua posição é clara, em “oposição ao Russomanno por suas ligações com a Igreja Universal. Na tréplica, Haddad lembra declaração de Soninha sobre votar nele em eventual segundo turno entre o petista e Russomanno. Agradece, com ironia, o “apoio” de Soninha e mais uma vez foge do querstionamento incômodo.

O tucano José Serra faz uma pergunta para Soninha sobre a indicação de Marta Suplicy ao Ministério da Cultura. Ele diz que, segundo a imprensa, a indicação foi parte de uma troca para que ela apoiasse Haddad em São Paulo. Ele pergunta se Soninha acha correto essa maneira de agir. Ela afirma ser contra esse tipo de negociata. Na réplica, Serra diz que “troca-troca” prejudica serviço público. Soninha concorda e diz que é possível fazer acordos republicanos sem fazer escolhas equivocadas.

Herança maldita na Educação

No 4º e último bloco de perguntas, Soninha pergunta para Giannazi o que ele acha da gestão do Ministério da Educação nos últimos anos, quase uma "herança maldita" do atual governo, e sobre os boatos de que Gabriel Chalita (PMDB) pode ser o novo ministro. Giannazi afirma que Haddad “fechou a representação do MEC em São Paulo” e, por causa disso, as faculdades “deitam e rolam” sobre os alunos. Na réplica, Soninha fala sobre o ProUni e lembra que o modelo foi criticado inicialmente pela União Nacional dos Estudantes (UNE), que agora estranhamente o apóia, de forma acrítica. Por que será?

Tendo que escolher entre Soninha e Serra para questionar, Haddad titubeia e faz uma pergunta para Soninha - provocando risos na plateia e acusações de "arregão" nas redes sociais. Ele quer saber se a candidata é favorável à “privatização de leitos” nos hospitais públicos. Soninha afirma que é favorável ao modelo de parcerias público-privadas, mas condena a “porta-dupla” nos hospitais, que tratam de forma desigual pacientes da rede pública e privada. Ela defende mais uma vez a construção de mais leitos e um tratamento de qualidade para todos, sem distinção.

Eleição em dois turnos

No final do debate, Soninha voltou a afirmar que é a melhor opção para um provável 2º turno contra o candidato do PRB, Celso Russomanno, líder nas pesquisas de intenção de voto, já que essa própria liderança é decorrente da saturação do eleitor com a polarização PT x PSDB.

O presidente do PPS paulistano, Carlos Fernandes, deixou claro que não existe qualquer outra decisão do partido para o 2º turno, sejam quais forem os concorrentes. "Vamos ouvir todo o partido após 7 de outubro, respeitando as opiniões individuais, mas acreditamos que Soninha ainda seja a melhor opção para a cidade de São Paulo."

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Quer um motivo para votar na Soninha? Aqui tem 23!

Quem disse que político é tudo igual? Quem disse que não tem mais jeito? Quem disse que só tem um jeito de fazer política? Quem disse que nosso voto não faz diferença? Mas por que, afinal, votar na Soninha para a Prefeitura de SP?

Então, vamos lá:

1) Soninha é verdadeiramente diferente dos demais candidatos. No modo de falar, na forma de agir. É transparente. Diz o que pensa. E pensa no que diz! - Não sai por aí no blablablá. É jovem, idealista, ética. Mas não por obrigação ou por imposição de marqueteiro. Ela é assim de verdade!

2) Soninha é gente como a gente, fala a nossa língua. É honesta, é preparada, é segura; enfim, é confiável! Não é política tradicional. Não é dondoca, nem madame. Não é uma personagem. Não se coloca num pedestal. Não está associada às siglas do mensalão, da compra de votos, das fichas sujas etc.

3) Soninha tem as melhores e mais viáveis propostas para resolver os problemas mais urgentes da cidade. Reúne sua experiência de jornalista, vereadora, subprefeita, voluntária, moradora da cidade. Vive o dia-a-dia de São Paulo como usuária dos serviços públicos. Anda, pedala, dirige, enfrenta fila, pega ônibus, trem, metrô...

4) Soninha tem um olhar diferenciado sobre a política e tem coragem de denunciar os conchavos que existem por aí; teve coragem de sair do PT no período de maior popularidade do presidente Lula simplesmente porque não tolera esses métodos antigos de fazer política - que o PT tanto combatia, mas que agora deixou "órfão" este eleitorado.

5) O MEU voto vai ser importante para marcar uma posição, para dar um recado aos políticos tradicionais, mesmo se a Soninha não chegar ao segundo turno. Temos que dar um basta à mutretagem na política. Cada um de nós tem que mostrar a nossa indignação e fazer a parte que nos cabe, votando em uma alternativa à mesmice. Por isso eu me orgulho de votar na Soninha!

6) Todos que estão aí já tiveram a sua chance, fizeram nada ou muito pouco e aparecem na TV com soluções mirabolantes que não implantaram quando estavam no poder. São os mesmos de sempre se apresentando como o "novo". Por que agora seria diferente? Diferente é a Soninha, e ponto final!

7) NUNCA MALUFEI! Por isso voto na Soninha e nos vereadores da Coligação "Um Sinal Verde para São Paulo"! PT, PSDB e Russomanno já se aliaram a Paulo Maluf, o símbolo do que existe de PIOR na política nacional! Nós do PPS, não! Sempre fizemos oposição a tudo aquilo que representa  o MALUFISMO de nefasto para a cidade!

8) Soninha é "Um Sinal Verde para São Paulo". Não poderia haver simbologia melhor para a cidade que não pode parar. Sinal verde para o cidadão que pede passagem, sinal verde para o trânsito, sinal verde para o desenvolvimento, sinal verde para o transporte alternativo, para a saúde, para a educação, para a segurança, para o esporte e o lazer. Sinal verde para a qualidade de vida. Sinal verde para a diversidade. Verde do meio ambiente e da sustentabilidade. SONINHA 23!

E as melhores razões para votar em Soninha
(por ela mesma, que explica porque é candidata)

9) VONTADE MONSTRO: já fui militante e defendi causas e bandeiras de muitas formas, na minha atividade profissional (apresentadora, comentarista etc.) e como voluntária. De uns anos para cá, concluí que quero estar na POLÍTICA, na ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, onde é possível ter resultados de alcance muito maior.

10) VONTADE MONSTRO (cont): na vida política, o que mais quero é estar no PODER EXECUTIVO. E meu maior sonho/projeto/objetivo é ser CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL. Isto é, prefeita :o). Podia ter disputado a eleição em 2010 para deputada, por exemplo, e provavelmente teria sido eleita. Mas eu não queria ser deputada, quero ser PREFEITA.

11) Reúno EXPERIÊNCIAS que nenhum dos outros candidatos tem: fui repórter e me enfiei em tudo quanto é canto; como voluntária, trabalhei na Brasilândia, em Heliópolis, em um Hospital Infantil; fui vereadora; fui Subprefeita; fui Superintendente de uma autarquia do governo estadual; sou USUÁRIA do serviço público como nenhum deles é ou foi - ônibus, metrô, rua, calçada, UBS, 156, SAC, Zona Azul, teatros distritais, centros culturais, parques etc.

12) ESTUDO pra caramba (palestras, seminários, conferências, livros, manuais, indicadores, legislação, experiências daqui e de tudo quanto é canto).

13) Conheço e me interesso por MUITOS temas, muito variados: mobilidade, habitação, cultura, esporte, juventude, educação, meio ambiente, democracia digital, saúde, planejamento urbano, acessibilidade, indígenas, direitos LGBT, gestão pública etc.

14) ESCUTO as pessoas com muito interesse e paciência - funcionários, munícipes, qualquer um que queira falar. É só marcar horário - ou me pegar por aí na rua, como muitas vezes me pegam :o)

15) CRIO ESPAÇOS para que as pessoas tenham como falar sem depender da minha boa-vontade: na C
âmara, fiz PLs (que depois viraram lei) criando os Conselhos Regionais de Meio Ambiente nas Subprefeituras e o Conselho Municipal da Juventude.

16) É MUITO FÁCIL saber o que eu penso dos problemas da cidade - ou sobre qualquer questão, aliás. "Pergunta que eu respondo" - não fujo de temas "chatos", não escondo opiniões porque elas podem me criar problema. Falo com todo mundo que quiser me entrevistar, seja grande mídia, TV comunitária, blog, trabalho de escola. Vou a escolas de ensino fundamental ou a qualquer outro lugar em que queiram me ouvir. As pessoas podem discordar do que eu penso, mas não reclamar que não sabem o que penso!

17) É MUITO FÁCIL acompanhar o que eu faço por aí, por onde ando, quem encontro, o que vejo na TV... Tem blog, tuíter, site etc. Quem quiser ver o que foi o meu mandato de vereadora, por exemplo, pode entrar no gabinetesoninha.zip.net. Tá tudo lá: fracassos e sucessos, certezas e dilemas.

18) Também é muito fácil saber QUEM está comigo - assessores, conselheiros, consultores... Minhas equipes estão sempre publicadas na internet... Aliás, outro PL que eu fiz foi o que obrigava a prefeitura a publicar na web os nomes e a função de todos os funcionários da administração municipal.

19) Quando eu falo o que pretendo fazer, não transformo tudo em um slogan simples: "Mais educação! Mais saúde!". Falo das coisas com mais profundidade, expondo a complexidade delas, e explico como realmente pretendo lidar com elas, a curto e médio prazo.

20) O PPS é um partido que escolhe o caminho mais difícil, onde mais leva porrada, para não abrir mão daquilo em que acredita. Passou de PCB a PPS porque o modelo de regime comunista vigente era de um autoritarismo que o partido não endossava; apoiou Lula no segundo turno em 2002 e deixou a base do governo tão logo percebeu que ele contradizia o que o PT havia defendido a vida toda (política econômica, política de alianças, loteamento da máquina pública etc); dispensou seus dois vereadores eleitos em 2004 em São Paulo porque desaprovava sua atuação na Câmara, e em 2008 partiu "do zero" para eleger vereadores. Não me censura opiniões que podem ser "polêmicas", não me obriga a defender coisas com as quais não concordo. Não faz qualquer coisa para ter mais tempo de TV, mais recursos etc. É intolerante com desvios cometidos por seus membros e aliados. É um partido sempre disposto a se rever, reformular, corrigir os rumos. Na reforma política, defende até a possibilidade de haver candidatos que não sejam filiados a partido algum, isto é, não coloca a sobrevivência do partido em primeiro lugar.

Agora vamos inverter a lógica, e responder a quem diz que NÃO VAI VOTAR na Soninha, por não entender de verdade o que ela propõe!

21) Não voto na Soninha porque ela defende a "liberação da maconha"... MENTIRA!!! O que a Soninha defende - como cidadã, não como candidata a prefeita, porque isso não tem nada a ver com a campanha municipal, é LEGALIZAR a maconha! PRESTE ATENÇÃO: não é "liberar geral", mas trazer para o mundo da lei, criar regras, fiscalizar! Esse assunto se repete há mais de 10 anos quando se fala da Soninha. Chamá-la de "maconheira" é o ataque preferido dos críticos e adversários, que fingem que não entendem o que a candidata defende (sua opinião pessoal sobre um assunto federal, sem nenhuma relação com a eleição à Prefeitura): que o monopólio do comércio dessa droga saia da mão do crime organizado e passe a ser realizado sob rigoroso controle da lei e da sociedade, como outras drogas legalizadas (álcool e cigarro, por exemplo).

22) Não voto na Soninha porque ela vai implantar o "pedágio urbano"... MENTIRA! Pouca gente presta atenção à essência do que foi dito por Soninha, que é promover um plebiscito para que a população decida sobre a melhor solução para o problema crônico do trânsito: se a maioria optar pela implementação do pedágio, a tarifa seria de R$ 3 (equivalente a uma passagem de ônibus), e o dinheiro arrecadado seria revertido todo ele exatamente para a melhoria do sistema de transporte coletivo. O que a Soninha coloca, e os adversários se acovardam, é que do jeito que está o problema do trânsito não dá para continuar. Uma solução precisa ser tomada com urgência. Qual seria? Vamos debater!

23) Não voto na Soninha porque a candidatura dela não é pra valer, funciona como "linha auxiliar" de fulano ou beltrano... MENTIRA! A Coligação "Um Sinal Verde para São Paulo" foi criada justamente porque ninguém aguenta mais a polarização entre PT x PSDB. Chega dos mesmos nomes se sucedendo no poder! Estamos propondo uma alternativa à cidade de São Paulo. Não queremos repetir a fórmula desgastada de petistas e tucanos para enfrentar os problemas da cidade. Chega de mesmice! Basta da velha política!

EU AMO SÃO PAULO! VOTO SONINHA 23!

Leia também:

Quem foge do script dos marqueteiros assusta?

Artigo na Folha: "Um sinal verde para São Paulo"

Soninha Francine: Andar, conviver e dormir

Por que apoio a Soninha? (Pedro Ivo)

Para onde vai o meu voto (Lekka)

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Soninha Francine mostra preparo e firmeza no SPTV

Em entrevista ao apresentador César Tralli, do telejornal SPTV 1ª edição, na Rede Globo, a candidata a prefeita Soninha Francine, da Coligação "Um Sinal Verde para São Paulo", falou sobre algumas das suas propostas para a cidade.

Assista aqui a íntegra da entrevista.

Veja também a repercussão no twitter:

Marcelo Serrano ‏@mserrano

Ai gente, tem como não amar a Soninha trollando o Russomanno? "Bom tarde, Tralli. Nós vamos falar de São Paulo, né?" hauhauhauahuahauha

alexandre ‏@serravallo

@CesarTralli @SoninhaFrancine entrevista pacífica e produtiva, Parabéns.

Fábio Silva ‏@fabinhoadm

A candidata @SoninhaFrancine se mostrou madura o suficiente pra administrar a cidade de São Paulo, com propostas simples e possíveis

Thiago da Hora ‏@thiagodahora_

De todos os candidatos que já passaram pelo 'SPTV' @SoninhaFrancine foi a melhor. Clara e objetiva, como um candidato deve ser. Perfeito!

Luiz Fernando Lins ‏@LuizFLins

Finalmente: propostas sinceras, inteligentes e lógicas: @SoninhaFrancine

Thiago Gil ‏@Gilthiago

Muito boa a entrevista da @SoninhaFrancine no #SPTV, cada vez simpatizo mais com ela! Pena eu votar em São Caetano

Aida Nakanishi ‏@aidanakanishi

Acabei de te ver no SPTV, muito coerentes todas as propostas! Ótimo discurso sobre as bikes e o tráfego de caminhões! @SoninhaFrancine

Betto D'Elboux ‏@bettodelboux

@SoninhaFrancine saiu-se muito bem na sabatina do SPTV. Praticamente, comeu o repórter com farinha #CesarTralliFail

Rodrigo Nunes ‏@RodrigoMNunes

@SoninhaFrancine Muito boa a entrevista Soninha... Sempre gostei de vc, desde a epoca da radio globo! Achei bastante transparente

PPS/SP ‏@23pps

Pesquisa não garante eleição, nosso voto SIM! RT @marcelsheik muito triste que a Soninha não vai ter força pra competir nas cabeças :/

Catharina Pecoraro ‏@Cathariinaa

Na boa deveria ter tirado meu título de eleitor esse ano,quero votar na Soninha.

Sullivan de Souza ‏@sullivancasper

Nas entrevistas do SPTV com os candidatos a prefeito que eu vi achei a Soninha com as melhores idéias.

Fábio de Lima ‏@fabiolimamor

Soninha trolla Tralli e Russomano.

Robson Rocha ‏@robson_rochac

Soninha Francine no SPTV mostrando que é possível fazer Política HONESTA.

PPS/SP ‏@23pps

A diferença está na resposta do entrevistado @Diego_Polachini. Perguntas incômodas foram feitas, vai de cada 1 @CesarTralli @celsorussomanno

Gabriela Molko ‏@gabymolko

Posso falar? Acho incrível como a Soninha consegue dar o ritmo pra entrevista e se o entrevistador não for muito ligeiro acaba caindo

Esmeralda Oliveira ‏@esmeraldaBR

Soninha Francine sempre sobe no meu conceito

NATIBRASIL Naturismo ‏@natibrasil_nat

Essa Soninha tem integridade e merece ser prefeita de SP, precisamos valorizar as pessoas do bem para que melhore os serviços públicos

vic :3 ‏@vitoriasouzaa_

Eu e o @gabrieelsouzaa_ falando que ama minha mãe e ela querendo ouvir a soninha no sptv --'

Wilames B. Gomes ‏@Wilamesg

A #Soninha tá se saindo melhor que o #Russomano. #SPTV

Robson Rocha ‏@robson_rochac

Soninha Francine no SPTV  Falou muito bem que a responsabilidade de fiscalização de roubalheiras em obras


Pedro de Oliveira ‏@pedrooliveiras

.. Soninha é a única que fala dos problemas da cidade com propriedade, convicção e vontade de solucioná-los ..

Robson Rocha ‏@robson_rochac

Soninha Francine no SPTV. Desenvolvendo um raciocínio consciente da locomoção dentro de nossa Cidade.

PPS/SP ‏@23pps

Bem que o delírio petista de @nagirub podia ser real e @SoninhaFrancine ser apoiada pela Globo, né? Vamos falar da cidade, @CesarTralli :-)

Karen ‏@xkarenzinhax

desses candidatos de sp, a que mais me agrada é a soninha...

Leonardo B Viviani ‏@leobarsotti

Soninha dá uma leve cutucada em Russomano na sua entrevista para o SPTV. Vamos falar de São Paulo? aheuahueah

PPS/SP ‏@23pps

Ao contrário de PT, PSDB e Russomanno: NUNCA MALUFEI! Por isso VOTO em @SONINHAFRANCINE e nos vereadores do @23pps
alangoes @alangoes
Aqui vai o meu apoio e de minha família a candidata @SoninhaFrancine #vidadeverdade


Leia também:

"Vamos falar de São Paulo?", brinca Soninha em entrevista

A íntegra da Sabatina na Record News (em 21/9)

Sabatinada na sexta (21), Soninha fala de experiência como subprefeita

Soninha Francine participa de sabatina da Record News/R7

Em números: a saturada polarização PT x PSDB

Afirmamos o óbvio, desde a eleição de 2010: a polarização PT x PSDB está desgastada. O eleitor está saturado de ver estes dois partidos se sucederem no poder. Se não bastasse o feeling de quem faz política e percebe o sentimento da população, os 20 milhões de votos de Marina Silva (então no PV) na eleição presidencial e a liderança de Celso Russomanno (PRB) nas pesquisas para a Prefeitura de São Paulo indicam o tamanho da crise enfrentada por petistas e tucanos.

Mais: reportagem da Folha de S. Paulo de hoje apresenta como deverá cair a votação dos candidatos do PT e do PSDB nesta eleição paulistana. Se a eleição fosse hoje...

Leia:

Em dois anos, PT e PSDB perdem 2,6 milhões de votos em SP
RICARDO MENDONÇA (Folha de S. Paulo)

O bom desempenho de Celso Russomanno (PRB) na disputa pela Prefeitura de São Paulo marca o fim da polarização PT x PSDB que há anos domina a política paulistana?

Difícil saber. Mas com base nos números do Datafolha e nos resultados da eleição presidencial de 2010 no município, é possível estimar o tamanho do "estrago" que a liderança isolada de Russomanno --35% das intenções de voto-- já está provocando.

Se a eleição fosse hoje, PT e PSDB teriam 2,6 milhões de votos a menos do que tiveram no município em 2010. Isso representaria uma redução de 50,4% na votação total desses dois partidos juntos.

A maior queda ocorre com o PT. No primeiro turno de 2010, a então candidata Dilma Rousseff obteve 2,53 milhões de votos na cidade, ou 35,3% do total computado.

Agora, o candidato petista à prefeitura, Fernando Haddad, tem 15% das intenções de voto, segundo o Datafolha finalizado anteontem.

Considerando o eleitorado de 2010, para efeito de comparação, e os mesmos padrões de comparecimento e de votos em branco e nulos, os 15% de Haddad resultariam em 1,08 milhão de votos.

Nessa simulação, a queda de Haddad em relação à votação de Dilma seria de 57,5%. Ele teria 1,46 milhão de votos a menos que ela na capital.

Com o PSDB, o resultado é só um pouco menos pior. Em 2010, o candidato a presidente da República pelo partido, José Serra, venceu Dilma em São Paulo com 37,3% dos votos. Dois anos atrás, 2,68 milhões de eleitores votaram em Serra na capital.

Hoje, sempre com base no Datafolha, o mesmo Serra teria 21%, o que, conforme os padrões de comparecimento, daria 1,58 milhão de votos.

Tamanho da redução tucana: 43,7%, o que daria 1,17 milhão de votos a menos.

As quedas de PT e PSDB ocorrem em todas as oito grande regiões da cidade investigadas pelo Datafolha.

No centro e na chamada zona leste 1, que reúne Aricanduva, Mooca e Tatuapé, entre outros distritos, as quedas de Haddad em relação a Dilma beiram 70%.

Com Serra, o maior tombo é na zona oeste, com redução superior a 55% (confira nos gráficos ao lado).

CONSOLIDAÇÃO

Alguns resultados do Datafolha sugerem como poderá ser difícil mudar esse quadro nos próximos dias.

O instituto investigou o grau de convicção dos eleitores. Só 30% disseram que ainda podem mudar de candidato. Outros 66% afirmaram que já estão totalmente decididos.

A crença na vitória de Russomanno subiu. No início de setembro, 43% dos eleitores paulistanos achavam que ele iria ganhar. Agora, 52% afirmam que ele é o favorito.

Outra curiosidade: o Datafolha também perguntou o que as pessoas acham de ter um próximo prefeito de determinados partidos. Entre os eleitores de Russomanno, 31% dizem que seria "ótimo" ou "bom" ter um prefeito do PT.

Leia também:

Artigo na Folha: "Um sinal verde para São Paulo"

Agenda da campanha de Soninha à Prefeitura de SP

Acompanhe os compromissos públicos para hoje e os próximos dias:

Sexta, 5 de outubro, às 12h - Caminhada com os candidatos a vereador da Coligação "Um Sinal Verde para São Paulo" na Zona Sul. Local: Av. Comendador Sant' anna, 905 - Capão Redondo.

Sábado, 6 de outubro, às 11h – Caminhada final da campanha. Local: ponto de encontro na estação de trem do Brás com destino à estação de trem de São Miguel, onde faremos uma caminhada pelo calçadão seguindo para o Mercado Municipal do bairro; segue também de trem para o Itaim Paulista, caminha pelo calçadão e termina na praça Silva Teles.

Domingo, 7 de outubro, às 10h - Dia da Eleição. Soninha vota na PUC - PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA (Zona: 2 Seção: 57). Local: RUA MONTE ALEGRE, 984 - PERDIZES.

Reveja aqui a cobertura do dia-a-dia da campanha.

Veja aqui tudo sobre a campanha da Soninha

Aqui você encontra diversas informações interessantes sobre a campanha da Soninha Francine à Prefeitura de São Paulo:

A jornalista Sonia Francine Gaspar Marmo, 44 anos, foi vereadora de São Paulo eleita pelo PT em 2004, candidata à Prefeitura pelo PPS em 2008 e subprefeita da Lapa. O advogado Lucas Albano Ribeiro dos Santos, 62 anos, é presidente estadual do PMN paulista e foi candidato a senador (2002), deputado federal (2006 e 2010) e vice-prefeito (2008).

Agenda diária da campanha

PPS Atualiza: o dia-a-dia de Soninha

Resumo do Plano de Governo de Soninha para SP

Confira relação dos 110 candidatos do PPS e PMN


Jingle da Soninha

Reveja todos os programas da Soninha no horário eleitoral

Álbum de fotos da campanha

Vídeos da campanha

Soninha: Entrevistas, debates, palestras, sabatinas

Foto oficial da Soninha (em vários tamanhos e resoluções)

Logo da campanha Soninha Prefeita

Logo da Soninha (individual)

Entenda coligação "Um Sinal Verde para São Paulo"

Veja calendário de debates e entrevistas com Soninha

Facebook do PPS

Twitter do PPS

Site do PPS

Blog do PPS

Facebook Soninha

Vídeo: Por que ser candidata à Prefeitura de SP?

Soninha Francine: "Existe um porquê..."

Perguntas e respostas na internet

Site da Soninha

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Soninha participa de debate da Igreja nesta quinta

A partir das 15h desta quinta-feira, 20 de setembro, acontece mais um debate entre os candidatos à prefeitura paulistana, mas dessa vez de forma inédita, promovido pela Arquidiocese de São Paulo, a convite do arcebispo dom Odilo Scherer.

São esperados mais de 300 padres na plateia do "colóquio", como vem sendo divulgado pela assessoria do encontro. Dez destes padres, sobretudo aqueles vinculados a pastorais sociais, foram escolhidos para fazer perguntas aos candidatos.

A candidata da Coligação "Um Sinal Verde para São Paulo", Soninha Francine (PPS), tem presença confirmada. Ela estará acompanhada do candidato a vice, Lucas Albano (PMN), e de postulantes à Câmara Municipal de São Paulo.

Polêmica

A crítica mais dura nesta "guerra santa" paulistana é contra a Igreja Universal e a sua vinculação com o PRB e o candidato Celso Russomanno. Mas não dá para dizer que a Igreja Católica não faz política, né? Veja dois exemplos de postagens no twitter: do assessor de imprensa de dom Odilo Scherer, o jornalista Rafael Alberto, e do padre Julio Lancellotti, um dos participantes "imparciais" do colóquio católico de hoje com os candidatos:

Rafael Alberto ‏@rafa_arquiSP

E o Russomanno não vai ao Colóquio da @arquidioceseSP ... pra quem era "católico fervoroso"...

JULIO LANCELLOTTI ‏@pejulio

Incêndio de grandes porporções atinge a favela do moinho . Vergonha e tristeza . Governo covarde que não fez nada desde o outro incêndio .

Tanto católicos quanto evangélicos estão envolvidos com a política, direta ou indiretamente. Todos defendem o seu lado (e atacam o "adversário"). Quem tem razão?

Quinta, 20 de setembro, às 15h - Debate da Arquidiocese de São Paulo com os candidatos a prefeito, a convite do cardeal dom Odilo Scherer. Local: Teatro Fernando Torres, no Colégio Agostiniano Mendel (Rua Estevão Pernet, 588, Tatuapé).

Leia também:

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Soninha e Giannazi: sem medo do “kit gay”


Roldão Arruda (O Estado de S. Paulo)

No último bloco do debate promovido pelo Estadão, TV Cultura, e YouTube, Soninha Francine (PPS) perguntou a Carlos Giannazi (PSOL) o que ele achou da suspensão do programa de combate à homofobia nas escolas, pejorativamente apelidado por grupos conservadores de kit gay.

O que veio a seguir foi um dos pontos altos do debate. Enquanto a maioria dos candidatos evita o assunto, com medo de perder votos de grupos religiosos, os dois disseram o que pensam e, de maneira ousada, defenderam o programa. Valorizaram a coerência, moeda cada vez mais desprezada na política.

Pode-se argumentar que fizeram isso porque suas chances de vencer a eleição são nulas e não têm nada a perder. Não é só essa, porém, a utilidade dos debates. Teoricamente, também deveriam servir para o confronto de ideias, a exposição de programas partidários, a provocação política, o aperfeiçoamento democrático. Sob essa ótica, Soninha e Giannazi, que já foram filiados ao PT, deram conta do recado.

A seguir, o que eles disseram sobre o assunto:

Soninha: Tramita hoje no Congresso um projeto de lei que tipifica o crime homofóbico, o crime de ódio, movido a intolerância, a preconceito. Eu acho que sim, que a violência deve ser punida com rigor, mas insisto que a educação é a melhor forma de evitar que aconteça. O Ministério da Educação produziu aquele material contra homofobia, que foi batizado pejorativamente de kit-gay. Eu queria saber o que você acha dessa iniciativa.

Gianazzi: Nós do PSOL travamos a luta em todo o Brasil contra a homofobia. Homofobia é crime, tem que ser criminalizada. Mais de trezentos homossexuais são mortos, exterminados, esquartejados no País, então nós todos temos que lutar contra a homofobia, como lutamos contra o racismo, contra a violência em relação às mulheres. Nós aprovamos a Lei Maria da Penha, aprovamos a Constituição Federal e a Lei do Racismo. A homofobia também tem que ser criminalizada, é muito importante que isso aconteça. Agora há um retrocesso enorme, porque os governos estão com medo. Esse kit anti-homofobia, que foi lançado num primeiro momento pelo MEC, tinha o aval da ONU, mas fez parte de uma negociata. O governo federal precisava naquele momento livrar o Palocci e negociou com a bancada fundamentalista. Tivemos um verdadeiro retrocesso. Nós defendemos a criminalização da homofobia porque, para nós, os homossexuais devem ser respeitados, como todas as pessoas são respeitadas nesse País. O que não dá mais é tolerar a violência que vem acontecendo, não só a física, mas, sobretudo, a psicológica, que é às vezes tão ruim quanto. É por isso que nós apresentamos muitos projetos nessa direção, em defesa da diversidade.

Soninha: Eu tenho certeza que a escola, além de ensinar português, matemática, tem de promover valores como o respeito. Ao meio ambiente, não é à toa que todo mundo clama por educação ambiental; respeito às leis de trânsito; aos idosos; a todas as pessoas. Independentemente de você gostar do jeito da pessoa ou não. A gente tem um problema muito sério do bullying na escola. Se você não vai muito com a cara de uma pessoa, com o jeito que ela se veste, como ela se porta, você não tem o direito de agredir. Promover isso na escola é muito importante. Mas a presidente mandou suspender o kit, alegando que o governo não poderia fazer propaganda de opção sexual. Eu também tenho certeza que foi uma medida para tentar não desagradar a base mais conservadora. Então, uma pergunta que já foi feita: será preciso que para governar você tem de entregar cargos, comprar votos, como sendo julgado agora no Supremo, e ainda por cima abrir mão das suas bandeiras históricas?

Leia também:

Revista tenta esclarecer polêmica sobre homofobia

Igrejas acirram "guerra santa" na disputa paulistana

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Soninha é, de novo, mais sincera e direta no debate

A 20 dias do primeiro turno das eleições municipais, a candidata Soninha Francine, da Coligação "Um Sinal Verde para São Paulo", deu mais um show de informação e honestidade no debate promovido pela TV Cultura, jornal O Estado de S. Paulo e Youtube.

Logo no primeiro bloco do debate, o mediador Mario Sergio Conti surpreendeu ao perguntar a cada participante a avaliação sobre o atual líder nas pesquisas de intenção de voto, o candidato do PRB, Celso Russomanno.

Um a um, Levy Fidelix (PRTB), José Serra (PSDB), Fernando Haddad (PT) e Gabriel Chalita (PMDB) evitaram entrar no mérito da pergunta. Os candidatos do PT, PMDB e PSDB preferiram dizer que ainda não há nada definido sobre o resultado dessa eleição e que os eleitores ainda estão analisando as propostas dos candidatos.

"Não me sinto à vontade para analisar a trajetória de um candidato com o qual estou disputando", disse Serra. "Muita coisa vai acontecer, coisas que o candidato têm proposto vão ser analisadas da mesma maneira que sua biografia", completou o tucano.

O petista Haddad foi na mesma linha e disse que a pergunta pressupõe que "as coisas não vão evoluir", mas que o eleitorado ainda vai se informar sobre as propostas dos candidatos nos próximos dias. "Eu penso que há um sentimento de mudança na cidade", afirmou. Chalita reforçou: "o eleitor não definiu nada ainda".

Críticas

A primeira a falar diretamente sobre o perfil de Russomanno foi Soninha Francine (PPS), destacando que Russomanno teve exposição em TV aberta durante muito tempo e foi "o grande paladino do consumidor". Além disso, a candidata afirmou que Russomanno foi "subestimado" pelos demais candidatos e se viu livre das "trocas de farpas". Concluiu que, diante da saturação do eleitor com a polarização PTxPSDB, ela é a melhor opção para enfrentá-lo.

Paulinho da Força (PDT) afirmou que Russomanno votou contra o interesse do povo no Congresso Nacional. "Não entendo uma pessoa que faz o que você faz. Parece que tem duas caras", alfinetou.

Carlos Giannazi (PSOL) também criticou o candidato do PRB e disse que Russomanno é um "filho bastardo do lulopetismo e do populismo conservador de São Paulo", usando expressão do filósofo Vladimir Safatle. "É também um produto da falência do rebaixamento político que nos estamos vivendo", disse Giannazi, afirmando que Russomanno tem "propostas altamente duvidosas, como a verticalização das creches".

Contradições

Também foi Soninha a primeira a criticar a nomeação de Marta Suplicy (PT) para o Ministério da Cultura em troca do engajamento dela na campanha de Fernando Haddad, além da ingerência de Lula na escolha do candidato petista.

Preterida pelo PT na disputa à prefeitura paulistana após intervenção do ex-presidente, Marta resistia em apoiar Haddad.

Foi Soninha, também, a mais preocupada em divulgar suas propostas para a cidade de São Paulo.

Acompanhe alguns momentos do debate pelo twitter:

Estadao ‏@Estadao
Soninha promete continuar a ser 'diferente' se eleita #debatesp

Rádio Estadão ESPN ‏@estadaoespn
Soninha em sua manifestação convida o eleitor a mandar as perguntas para o seu site www.soninha.com.br

Estadao ‏@Estadao
Para Soninha, tema do mensalão foi evitado porque 'muito candidato é vulnerável' #debatesp

Fernando Rodrigues ‏@FR_BSB
Waaal... RT @mauriciostycer Melhor resumo do debate: João Sayad, presidente da TV Cultura, jogando tetris no celular.

Fábio Zambeli ‏@fzambeli
Termômetro do debate: até agora nenhum pedido de direito de resposta. Ao contrário dos encontros anteriores. #debatesp

Política Estadão ‏@EstadaoPolitica
#debatesp Soninha: É preciso pensar a questão do meio ambiente em relação ao consumo.

Estadao ‏@Estadao
Soninha sobre homofobia: 'Escola, além de português e matemática, deve ensinar respeito' #debatesp

Política Estadão ‏@EstadaoPolitica
#debatesp Soninha: É preciso promover o respeito às diferenças nas escolas

Fábio Zambeli ‏@fzambeli
Soninha traz o "kit-gay" ao debate e cita o MEC. Haddad, ex-ministro da pasta, meio que desperta no palco. Estava disperso. #debatesp

Leo Milani ‏@Leo_mMilani
#debatesp : russomano mostrou ter caído de paraquedas e, fora soninha e gianazzi, os outros mostraram-se os velhos modelos de político...

Leo Milani ‏@Leo_mMilani
@SoninhaFrancine sem idealismos vazios, sem mirabolâncias: Soninha mto bem no Debate!! Adorei suas linhas de argumentação!!

Ad Ferrera ‏@adferrera
Meu voto para prefeita de SP, a pessoa mais preparada, na minha opinião, para governar e mudar São Paulo> SONINHA 23 @SoninhaFrancine

Veja também:

Debate tem "pergunta surpresa" e "momento aerotrem"

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Debate Cultura/Estadão/Youtube hoje às 21h15

Acontece nesta segunda-feira, 17 de setembro, com início às 21h15, mais um debate dos candidatos à Prefeitura de São Paulo. Será transmitido pela TV Cultura, pelo Youtube, Portal Estadão e pela rádio Estadão ESPM.

Participam os oito candidatos de partidos com representação no Congresso, conforme determina a legislação eleitoral: Carlos Giannazi (PSOL), Celso Russomanno (PRB), Fernando Haddad (PT), Gabriel Chalita (PMDB), José Serra (PSDB), Levy Fidelix (PRTB), Paulinho da Força (PDT) e Soninha Francine (PPS).

Dia Mundial Sem Carro tem evento na Câmara/SP

Nesta segunda-feira, dia 17 de setembro, às 10h, haverá o lançamento da Pesquisa Nossa São Paulo / Ibope sobre Mobilidade Urbana, no salão nobre da Câmara Municipal de São Paulo.

Esta é a sexta edição da pesquisa, que aborda os mais diversos aspectos da mobilidade em São Paulo, como o tempo gasto no trânsito, a frequência com que os paulistanos utilizam o transporte público e o nível de satisfação com o transporte coletivo.

A mobilidade é uma questão central em todas as cidades do mundo e está diretamente ligada ao acesso à cidade e aos serviços públicos, ao meio ambiente e à saúde da população. Neste sentido, organizações de várias cidades do mundo decidiram dedicar uma semana - de 16 a 22 de setembro (quando é comemorado o Dia Mundial Sem Carro) - para refletir, debater e promover ações para melhorar a mobilidade.

Em São Paulo, frente aos inúmeros congestionamentos, inadequação de calçadas e danos à saúde e ao meio ambiente provocados pelo excesso de veículos nas ruas, o debate do tema é ainda mais urgente.

Representantes de partidos políticos estão sendo convidados para comentar os resultados da pesquisa e apresentar as propostas de suas legendas para as questões da mobilidade. Estão confirmados: Chico Macena, pelo PT; Frederico Sosnowski, pelo PSOL; e Ricardo Young, pelo PPS.

A atividade também contará com a presença do presidente da Câmara Municipal, vereador José Police Neto, que apresentará os indicadores levantados pelo próprio Legislativo paulistano.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Igrejas acirram "guerra santa" na disputa paulistana

O assunto do momento, nos bastidores da eleição paulistana, é a guerra declarada entre a Igreja Católica e a Igreja Universal. O pano de fundo é a liderança de Celso Russomanno (PRB), que se declara "católico fervoroso" apesar de estar no "partido da Universal", o que tem acirrado os ataques entre ambos.

A questão mais prática dessa batalha é saber se Russomanno vai participar ou não do debate agendado pela Arquidiocese de São Paulo para o dia 20 de setembro, com a presença de centenas de padres de todas as pastorais e das seis regiões episcopais (espécies de subprefeituras da igreja católica).

A decisão de Russomanno é estratégica e vai influenciar também a participação dos outros dois candidatos que, em tese (de acordo com as últimas pesquisas), estariam disputando uma vaga no 2º turno: José Serra (PSDB) e Fernando Haddad (PT).

No mesmo dia 20, já foi desmarcado o debate que Folha e UOL pretendiam realizar apenas entre esses três candidatos. Russomanno recusou, inviabilizando o encontro.

Agora a questão é aceitar ou não o debate da Igreja católica: se participar, Russomanno pode ser confrontado por padres e pelos adversários que desejam carimbá-lo como "o candidato do bispo Edir Macedo". Se faltar, cai por terra todo o esforço de marketing para tornar sua candidatura palatável no universo extra-Universal (perdoe o trocadilho).

Qualquer decisão de Russomanno terá prós e contras que serão explorados pelas campanhas de Serra e Haddad. Aliás, PT e PSDB já começaram a desferir golpes midiáticos contra o adversário em comum, que "ousou" quebrar a polarização prevista por dez entre dez analistas e cientistas políticos.

Já dissemos por aqui que a polarização PT x PSDB só interessava a ambos (e à imprensa míope), numa estranha simbiose política. Ou seja, simbiose, para quem não sabe, é a associação de dois ou mais seres de espécies diferentes, que lhes permite viver com vantagens recíprocas e os caracteriza como um só organismo - não podendo ser separados um do outro (o que causaria a morte de ambos).

Na eleição de 2010, houve um exemplo claro dessa simbiose: em determinado momento, ao perceberem que Netinho de Paula (PCdoB) liderava as pesquisas e seria eleito para o Senado, uniram-se os adversários Aloysio Nunes (PSDB) e Marta Suplicy (PT) para "desconstruir" o inimigo comum.

Leia também:

Igreja Católica ataca Universal e chefe da campanha de Russomanno

Engajamento religioso não ajuda Serra e Russomanno, diz Datafolha

Por que transformar a eleição em "guerra santa"?

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

PPS tem 65 candidatos a prefeito no Estado de SP

AGUAÍ - DR. GUTEMBERG

ALUMÍNIO - BIMBÃO

ALVINLÂNDIA - IVAN ZINETTI

AMÉRICO DE CAMPOS - AQUILES

ANDRADINA - ERNESTO SILVA

ARAPEÍ - EDSON

ARARAS - WALTER DE OLIVEIRA

ARTUR NOGUEIRA - IVAN VICENSOTTI

ASSIS - MARCIO SANTILLI

BÁLSAMO - CATIA

BARRA BONITA - NENE

BERNARDINO DE CAMPOS - ARMANDINHO BELEZE

BOFETE - ELIAS DO MERCADO

BURITAMA - IZAIR

CAÇAPAVA - EDUARDO NATALI

CAMPOS NOVOS PAULISTA - GIL GUERREIRO

CÂNDIDO RODRIGUES - FALCHI

CAPIVARI - RODRIGO PROENÇA

CEDRAL - JANJÃO

DESCALVADO - PANONE

DOBRADA - COSTINHA

ESPÍRITO SANTO DO PINHAL - MARILZA ROBERTO

FERRAZ DE VASCONCELOS - ZÉ BIRUTA

FLÓRIDA PAULISTA - DR. MAX

GETULINA - ULISSES DA FARMACIA

GUAIMBÉ - SEISU

GUARACI - RENATO AZEDA

HOLAMBRA - MARGARETI

ILHABELA - TONINHO COLUCCI

IPEÚNA - WILSON BUENO

IPUÃ - LÉO NASCIMENTO

ITAPECERICA DA SERRA - EDGARD CRUZ

ITAPORANGA - ZÉ DO NUTE

ITAPUÍ - HEROS RAMOS

JACAREÍ - ADRIANO DA ÓTICA

JALES - CLÓVIS VIOLA

JARDINÓPOLIS - JOSE JACOMINI

JOSÉ BONIFÁCIO - MARIA ISABEL

JUQUITIBA - FRANCISCO JUNIOR

LINS - FATIMA

MAUÁ - ATILA

MOGI DAS CRUZES - FERNANDO MUNIZ

NOVA EUROPA - MOSQUITO

NOVA GUATAPORANGA - MOLINA

NOVO HORIZONTE - TOYOTA

PARANAPANEMA - TONINHO ZABÉ

PIRAJUÍ - GIL

PONGAÍ - DONA MARLENE

PRESIDENTE PRUDENTE  - FABIO SATO

RANCHARIA - ELIANA

RIBEIRÃO DO SUL - ELIANA

RIO DAS PEDRAS - DR JULIO

SANTA BRANCA - CELSO SIMÃO

SANTA CRUZ DA ESPERANÇA - DAÉRCIO

SANTA GERTRUDES - GINO DA FARMACIA

SANTA ROSA DE VITERBO - NANDO

SÃO BERNARDO DO CAMPO - ALEX MANENTE

SÃO LUÍS DO PARAITINGA - DANILO MIKILIM

SÃO PAULO - SONINHA

SÃO PEDRO - HELINHO ZANATTA

SERTÃOZINHO - NERIO COSTA

SETE BARRAS - DR. CLEYTON

TAPIRATIBA - TILIZA

UNIÃO PAULISTA - MARLI PADOVEZI

URUPÊS - TONI BOMBA

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Preço do apoio a Haddad é o Ministério da Cultura?

O governo Dilma Roussef levou à última consequência a prática do escambo eleitoral, ao ceder o Ministério da Cultura à senadora Marta Suplicy, que se recusava a entrar na campanha de Fernando Haddad, o pupilo de Lula, e "coincidentemente" mudou de opinião. A fatura foi paga à vista. Isso que é política de resultados. Lulalá!

Abaixo algumas postagens do twitter @23pps sobre o assunto:

PPS/SP @23pps
Qual o preço para vc passar por cima de princípios, consciência e coerência? No caso da neoministra @MartaSenadora é um Ministério. E o seu?

PPS/SP @23pps
Fórmula mágica eleitoral: junte condenados pelo #Mensalão e procurados pela Interpol e forme palanque de @haddad_fernando Tem lá sua lógica!

PPS/SP @23pps
Quem é do tempo que o PT era oposição a Maluf não entende todos juntos hj: Lula, Dilma, @MartaSenadora, @luiza_erundina Atraídos pelo poder!

PPS/SP @23pps
Não deixa de ser coerente @MartaSenadora c/ @haddad_fernando: juntos desde a criação das taxas do PT: taxa do lixo, taxa de luz... #Mensalão

PPS/SP @23pps
Feitos um para o outro: a neoministra @MartaSenadora na campanha do @haddad_fernando ao lado de Maluf e Antonio Carlos Rodrigues no Senado!

PPS/SP @23pps
Ô Dona @MartaSenadora, quer dizer que pra ser ministra vale até acordar de mãos dadas com o "pesadelo" Maluf? E ainda levar ACR p/ o Senado!?

PPS/SP @23pps
Começa a ficar claro porque @MartaSenadora apareceu toda animadinha na campanha do @Haddad_Fernando e já aceita até Maluf.

PPS/SP @23pps
A psicanálise deve explicar: @MartaSenadora tinha medo do "pesadelo" Maluf, mas nada que um relaxante Ministério da Cultura não resolva, né?

PPS/SP @23pps
Na hora do almoço não é um bom momento para falar de #Mensalão e de cargo em troca de apoio eleitoral, né? Mas o PT tem um "apetite"... OMG!

PPS/SP @23pps
É "Mamãe eu quero mamar..." RT @cila_schulman Qual é a música no Ministério da Cultura? O pai da Preta, a irmã do Chico, a mãe do Supla...

PPS/SP @23pps
Essa Dona @MartaSenadora é aquela que RELAXA assumindo Ministérios como recompensa às suas chantagens E GOZA da cara do eleitor brasileiro?

Leia também:

PPS-SP acusa Dilma de 'escambo eleitoral' após nomeação de Marta

Indicação de Marta para a Cultura repercute no Twitter

Revista tenta esclarecer polêmica sobre homofobia

Candidata a prefeita de São Paulo pelo PPS, citada em reportagem polêmica, Soninha Francine diz que sempre defenderá os direitos dos homossexuais e vê na educação uma forte arma para combater toda forma de desrespeito

Por Gil Campos (Revista Free SP)

A candidata a prefeita de São Paulo pelo PPS, Soninha Francine, sempre será uma grande defensora dos direitos homossexuais. “É verdade, a Revista Free SP não mentiu. Eu defendo os direitos homossexuais e continuarei sempre defendendo. Os gays têm os mesmos direitos que todo mundo”, disse ao se referir à reportagem da edição passada sobre “10 motivos para não votar neles”, que gerou repercussão nas mídias sociais e em sites de notícia.

Bem humorada, Soninha disse reconhecer que a publicação não é homofóbica, mas que a formulação da reportagem induziu ao erro. “Sei que a Free SP não é homofóbica, mas quando ela disse que a defesa dos direitos homossexuais é motivo para não votar em mim, passa a ideia de homofobia”.

Ela também confirmou ter interrompido uma gravidez quando tinha 20 anos de idade, como informou a reportagem que a apontou como defensora do aborto. Leitores se manifestaram contra a publicação.

O PPS chegou a postar em seu blog ataques pesados à Revista: “O que é isso???? Homofobia explícita!!!??? Se não bastasse ser uma consideração absurda e preconceituosa, é crime, gente!!! Polícia neles!!!”.

No Facebook, em página assinada por colaboradores da candidata, aparece: “Gente... tem uma revista distribuída no metrô às quintas, que hoje teve na capa assim: 10 motivos para NÃO votar nos candidatos. É preconceito, irresponsabilidade com o eleitor ou falta de noção mesmo?”

Já o Blogay, assinado por Vitor Angelo e postado pela Folha de S.Paulo, aponta: “O guia avisa que isto não reflete a posição da revista e nem é um juízo de valores da publicação. Mas a Free SP deveria fazer um contraponto com o candidato Celso Russomano (PRB) que é fortemente apoiado pelos religiosos fundamentalistas, conhecidos como fortes opositores dos direitos da população LGBT”.

Reportagens sobre o tema também foram realizadas pelos portais G1, Terra e Comunique-se (especialização na área de Comunicação), que foram reproduzidas por uma série de outros sites, sempre levando em consideração a posição da Free SP, já que ouviram o diretor de Redação, Ernesto Zanon. Ele voltou a enfatizar que os motivos elencados não refletem a opinião da publicação. “São argumentos que aparecem na mídia e que podem servir para alguém deixar ou não de votar naqueles candidatos”.

Coordenadoria pede providências

A repercussão da Free SP chegou à Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual do Estado de São Paulo na mesma quinta-feira em que foi distribuída. O setor, ligado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, sob a responsabilidade de Heloisa Gama, encaminhou um ofício à Redação, pedindo providências já que recebeu e-mails e telefonemas de cidadãos que queriam denunciar suposta homofobia por parte da publicação.

A própria Heloisa, em contato telefônico, explicou entender que não se tratava da opinião da revista, mas que considerava a publicação negativa para as pessoas que sofrem todo tipo de preconceito.

“Todos os e-mails são unânimes em ressaltar que a revista prestou um desserviço à sociedade ao inserir como aspecto negativo o fato de referida candidata ser defensora dos direitos da população LGBT, tão vulnerável socialmente e alvo de constante discriminação e preconceito.”

Mais adiante, continua: “entendemos que o fato de não ser um juízo de valores como ressaltado no editorial, não exime o cuidado que esta publicação deve ter ao abordar temas tão delicados como a questão dos direitos da população LGBT”.

Para Soninha Francine, a repercussão que a reportagem causou comprovou que a adesão da sociedade em defesa dos direitos dos homossexuais está mais forte. "Isto é fato, a luta [em defesa desses direitos] melhorou muito, mas por outro lado, estimo que as posições homofóbicas, as reações negativas diante da defesa dos direitos homossexuais também aumentaram."

Ela defendeu a educação como poderosa arma para combater toda forma de desrespeito e irresponsabilidade. "Não é criar uma matéria de educação no currículo escolar, mas aplicar a educação em três pontos: no serviço público, no sistema educacional e na publicidade institucional”, alegou a candidata a prefeita.

Deputados divergem ao comentar críticas

O deputado federal e ex-capitão do Exército, Jair Bolsonaro (PP), comentou as críticas contra a reportagem e afirmou que um candidato que se apresenta como defensor de homossexuais geralmente o faz em causa própria. “As leis não podem ser válidas para uns e não para outros pelo simples fato de usarem seu órgão excretor como fonte de prazer”, afirmou o parlamentar.

O polêmico deputado tachou de “insana” a luta dos movimentos que defendem os gays, lésbicas, transexuais e simpatizantes, e criticou os autores de novela que, para Bolsonaro, “a maioria é homossexual”.

“[Eles] sempre mostram que os gays são mais inteligentes, fieis e prósperos, sugerindo explicitamente que a opção pelo homossexualismo fará o jovem mais feliz no futuro”, declarou Bolsonaro.

E considerou “insana” a luta dos movimentos que defendem os gays. “Ensinar com livros, cartazes e filmes pornográficos infantis que ser homossexual é algo natural é no mínimo incentivar a pedofilia. Após as eleições proporei uma CPI para que, ao lado no Ministério Público, o Kit-Gay seja considerado inadequado para o ensino fundamental, pois as atuais lideranças LGBST certamente continuarão lutando por seus insanos objetivos”.

Já o também deputado federal Jean Wyllys (PSOL), que participou do Big Brother Brasil, notabilizando-se por defender as causas homossexuais, também postou em seu Facebook: “Não sou do partido de Soninha nem voto em São Paulo, mas fico feliz de ela ser considerada defensora dos direitos dos homossexuais. Se eu fosse Soninha, orgulharia-me de ser tratada assim e ignoraria a campanha negativa implícita da tal revista Free SP. O que para a tal revista pode ser um ´ponto negativo é, em minha opinião, um ponto positivo: Soninha não exclui os homossexuais!”. ´

A afirmação de Wyllys vai ao encontro do que é afirmado no editorial da edição passada: “Vale salientar, inclusive, que vários dos motivos apresentados como negativos para alguns podem até soar como positivos para outros tantos”.

A página da Revista no Facebook, assim como o e-mail da Redação, recebeu uma série de manifestações e críticas sobre o conteúdo da reportagem. Mais uma vez, a Free SP vem a público deixar claro que não se trata de uma opinião emitida, mas de argumentos utilizados. “Lamentamos que muita gente tenha se sentido ofendida. Não houve a mínima intenção de defender a homofobia ou mesmo propagá-la”, explicou o diretor de Redação.

Segundo Zanon, a Revista apenas trouxe à luz um tipo de preconceito que existe na sociedade, apesar de poucas pessoas assumirem tal postura. “Enfatizamos que nossa reportagem deixou claro não se tratar de uma posição nossa. Inclusive, a Free SP, quando da realização da Parada GLTB em junho deste ano, trouxe ampla reportagem divulgando o evento. Como uma publicação homofóbica, como disseram alguns, poderia abrir esse espaço?”, questiona Zanon.

Leia também:

Revista manifesta homofobia para não votar na Soninha

terça-feira, 11 de setembro de 2012

E as luzes azuis dos túneis do Kassab, hein?

Se não bastasse o gosto duvidoso da iluminação azulada em alguns túneis e viadutos de São Paulo (como sob a praça Roosevelt, na região central, por exemplo), pichadores estão aproveitando a característica de "luz negra", no melhor (ou pior?) estilo das boates, para suas novas "intervenções artísticas": agora usam tintas fluorescentes ou com efeito neon, que brilham e são realçadas sob a luz azul. Só faltava essa. Obrigado, prefeito Kassab. A população agradece :-)

Por que transformar a eleição em "guerra santa"?

A quem interessa fazer desta eleição municipal uma espécie de "guerra santa", trocando a disputa das melhores propostas para a cidade por um concurso de quem reúne mais igrejas e líderes religiosos em torno de seu candidato?

Repete-se, um tom acima, o que já ocorreu na disputa de 2010, onde tabus, dogmas e preconceitos se sobrepunham ao programa de governo dos presidenciáveis. As redes sociais viram palco de insultos e batalha dos mais "puros", enquanto as diversas denominações religiosas se lançam em cruzadas para aliciar eleitores-fiéis.

Entre os evangélicos, por exemplo, abre-se uma disputa dos seguidores da Universal do Reino de Deus, do bispo Edir Macedo, contra o dissidente e agora inimigo declarado, o apóstolo Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus. Além de Renascer em Cristo, Assembléia de Deus e seus diversos ministérios, Internacional da Graça de Deus etc. etc. etc.

A Igreja Católica não fica atrás das várias ramificações evangélicas e apresenta seu exército de padres-estrelas (Marcelo Rossi, Fabio de Melo, Julio Lancellotti, padre Ticão, bispo Dom Fernando) para combater os pastores midiáticos (Edir Macedo, Valdemiro Santiago, Estevam e Sonia Hernandes, Silas Malafaia, R.R. Soares), entre outros, todos envolvidos direta ou indiretamente no apoio a partidos e candidatos.

Seja no horário eleitoral gratuito ou nos programas religiosos na TV, assiste-se a uma verdadeira romaria. Há fé e esperança de que a aparição junto a uma dessas lideranças carismáticas credencie o candidato a um estágio terreno para deter o poder dos homens enquanto não ganha passe-livre para o paraíso celestial e o reino de Deus. É um vale-tudo pelo voto. Um deus-nos-acuda. Quem perde com isso é o Estado laico.