quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Kassab regulamente "lei da água" de Soninha

O prefeito Gilberto Kassab (DEM) regulamentou, enfim, lei de autoria da então vereadora Soninha Francine (PPS) que obriga casas noturnas e danceterias a fornecer gratuitamente água potável aos frequentadores. Essa legislação foi aprovada em 2008 e começa a valer em três meses.

Os bebedouros devem ser instalados em local visível e a danceteria também terá de fornecer copos plásticos descartáveis. O decreto diz ainda que não podem ser colocados bebedouros de garrafão, como os usados em residências, por exemplo.

É necessário um bebedouro para cada 200 frequentadores. Em locais que recebem mais de mil pessoas, são necessários seis bebedouros, mais um a cada 300 frequentadores adicionais.

Trata-se, antes de mais nada, de uma medida de saúde pública. Muita gente deixa de beber água na balada para não pagar por isso, ou, já que vai pagar caro, troca a água por mais álcool. Boa, Soninha! Parabéns, prefeito.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Davi Zaia é o Secretário de Trabalho de Alckmin

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, confirma nesta quarta-feira, 22 de dezembro, a indicação do deputado estadual Davi Zaia (foto), presidente estadual do PPS, presidente da Federação dos Bancários e vice-presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores), para ocupar a Secretaria de Emprego e Relações de Trabalho do Estado.

Com isso, o primeiro suplente do PPS Vitor Sapienza assumirá seu sétimo mandato como deputado estadual.

Quem é Davi Zaia

Davi Zaia nasceu em Cordeirópolis, interior de São Paulo, e é formado em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Começou cedo na política, ainda estudante, na luta contra a ditadura e pela democracia, por eleições diretas, pela anistia, pelo direito de greve, pela liberdade de organização e expressão, por uma Assembléia Constituinte e pelo Estado Democrático de Direito.

Funcionário de carreira do Banco Nossa Caixa, milita há mais de 30 anos no movimento sindical dos trabalhadores, bancários em particular, nas batalhas por melhores condições de vida e de trabalho.

Em 15 de março de 2007, aos 51 anos de idade, David Zaia assumiu, na Assembléia Legislativa de São Paulo, seu primeiro mandato de deputado estadual pelo PPS. No Legislativo paulista, Zaia é o 2º vice-presidente da mesa diretora da Casa, preside a Comissão de Assuntos Metropolitanos, é membro efetivo das Comissões de Promoção Social e de Ética e Decoro Parlamentar, e suplente das comissões de Assuntos Internacionais e de Finanças e Orçamento.

Militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB) até sua transformação no Partido Popular Socialista, PPS, hoje é membro de sua Executiva Nacional e presidente da sigla no estado de São Paulo.

Foi por três vezes presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas. Em 1985 comandou o Encontro Nacional dos Bancários que deflagrou a histórica greve nacional da categoria.

No banco Nossa Caixa foi eleito e reeleito para representar seus colegas no Conselho de Administração da instituição. Fundador e presidente do Clube de Investimentos dos Funcionários da Nossa Caixa ele também integra o Comando Nacional dos Bancários que coordena as lutas de quase 400 mil empregados do sistema financeiro no país.

Na área intersindical, David Zaia foi presidente, vice-presidente e diretor do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos - DIEESE. Pioneiro nas lutas pela criação de uma central sindical dos trabalhadores foi membro da Executiva Nacional da Central Única dos Trabalhadores – CUT. Hoje é presidente da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul – que reúne 25 sindicatos e cerca de 70 mil bancários dos dois Estados – e vice-presidente da UGT – União Geral dos Trabalhadores.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Dizem por aí sobre a Câmara Municipal paulistana...

A Câmara Municipal de São Paulo é verdadeiramente um mundo à parte. Enquanto vereadores do Centrão e do PT pedem sindicância contra o funcionário que, no Blog do PPS, publicou nota crítica do partido ironizando os métodos pouco ortodoxos de conquista de votos para a Mesa Diretora da Câmara, outros acontecimentos absurdos são encarados com normalidade.

Em plena temporada de discussão global do caso WikiLeaks, vereadores paulistanos tentam exercer a mais tacanha e extemporânea forma de censura ao pedirem a cabeça (espera-se que não literalmente) de quem os critica por meio de um blog partidário.

"Cortem-lhe a cabeça", aliás, é a ordem predileta da Rainha de Copas de "Alice no País das Maravilhas". Qualquer semelhança com a realidade do parlamento paulistano deve ser mera coincidência.

O cotidiano da Câmara de São Paulo, tal e qual o país de Alice, ganha contornos de ficção com esses acontecimentos: da sindicância contra um inimigo imaginário ao vereador que, dentro do plenário, à moda Silvio Santos no seu "topa tudo", joga para o alto notas de dinheiro para sugerir que seus pares teriam sido "comprados" em determinada votação.

Outro, esportista respeitado de fama internacional, entra no plenário armado com uma espada usada para o harakiri, símbolo encontrado para denunciar a suposta traição de antigos aliados ao agora derrotado Centrão (agrupamento suprapartidário que controlou a Câmara nos últimos seis anos), e a atitude não causa maior estranhamento.

Mas a crítica à Câmara, embora mal vista pelos vereadores, não é prerrogativa do Blog do PPS. Se levassem ao pé da letra o "cortem-lhe as cabeças" contra todos os críticos, faltariam no mercado guilhotinas e espadas de samurai.

De todo modo, vamos torcer para que, por uma triste e infeliz "coincidência", algo de ruim não acabe acontecendo exatamente com o funcionário do PPS, como já foi alertado por solícitos e dedicados companheiros de Câmara.

Veja nas postagens abaixo outras críticas (inclusive muito mais duras e explícitas que as do Blog do PPS), mas que aparentemente não foram recebidas com tanta indignação pelos nobres vereadores paulistanos. Vai entender...

domingo, 19 de dezembro de 2010

Haraquiri e faroeste municipal, por Fernando B. Silva

O banquete salarial dos congressistas ofuscou a disputa pela presidência da Câmara Municipal de São Paulo. O "centrão" foi, enfim, apeado do comando da Casa, depois de vários anos. Nada parece ser pior do que o "centrão". Mas é menos o caso de comemorar do que de destacar a indigência e os aspectos sinistros dessa disputa.

Passou meio despercebido, mas Aurélio Miguel (PR), o vereador-judoca do "centrão", foi à sessão portando uma espada usada no haraquiri, o ritual suicida dos samurais quando julgam ter perdido a honra.

Era uma maneira de intimidar os "traidores", os que "desonraram a família" (ou a "famiglia"?). A ameaça era dirigida em especial à dupla do PMDB, que seguiu a orientação de Kassab e ajudou a derrotar Milton Leite, do "centrão" e do DEM, mas que teve o apoio maciço do PT.

Diga-se o que se quiser -que a espada era "um símbolo", uma "metáfora", "um mimo"-, o fato é que o vereador foi ao plenário com um tipo de arma. Lembra até uma versão oriental do deputado Tenório Cavalcanti, o famigerado Homem da Capa-Preta. Aonde chegamos no Legislativo da maior capital do país? Chamar isso de quebra de decoro é quase uma delicadeza.

A truculência, física inclusive, não tem sido estranha ao "centrão", esse grupo suprapartidário de 17 vereadores "independentes" (sobretudo de PR, DEM e PTB), que se tornou o fiel da balança entre governo e oposição. Historicamente, parecem ser uma evolução da "máfia dos fiscais", como ficou conhecido o bando que implodiu e ajudou a implodir o governo Pitta.

Por coincidência, no mesmo dia em que o "centrão" sofreu seu revés, o camelô que denunciou o esquema de achaque dos vereadores no fim dos anos 90 foi assassinado. Mas -repito- é uma coincidência.

Alguém pode lembrar ainda do recente assassinato do prefeito de Jandira, na Grande São Paulo. Essas coincidências dão uma amostra do nível do faroeste municipal hoje no Estado mais avançado do país.

(Artigo de Fernando de Barros e Silva, publicado na Folha de S. Paulo de sábado, 18 de dezembro de 2010)

Milton Jung relata métodos utilizados na Câmara

O jornalista Milton Jung, âncora da CBN, é dos mais críticos e privilegiados observadores dos acontecimentos da Câmara de São Paulo. Foi ele, inclusive, em seu twitter, o pioneiro da alusão irônica entre a ação das unidades pacificadores nas comunidades do Rio de Janeiro e a conturbada campanha eleitoral para a Mesa Diretora da Câmara, nada pacífica.

Os relatos de Milton Jung sobre a eleição na Câmara não deixam dúvidas sobre os métodos exercidos para conquista e/ou manutenção do poder, incluindo pressões de todo tipo, agressões físicas e verbais.

"A guerra pela presidência da Câmara Municipal de São Paulo está sem controle. O boicote às votações há mais de 40 dias é, talvez, das poucas manifestações que tenha legitimidade política. A maioria se equivale a atuação de facções criminosas ou, em menor grau, a um teatro de ópera bufa, tais os absurdos que tem sido cometidos."

Veja abaixo algumas postagens do Blog do Milton Jung sobre a Câmara:

Câmara de Vereadores precisa de UPP, em São Paulo

Está superado, diz presidente da Câmara após agressões

A guerra dos vereadores pelo comando da Câmara

Centrão e Governo sem acordo na Câmara de Vereadores

Vereador apela ao “bom humor” em eleição na Câmara

Considerações sobre a eleição na Câmara de Vereadores

Revista Veja conta detalhes do dia da votação

Foi uma sessão para entrar nos anais da Câmara Municipal de São Paulo. Não pela aprovação de algum projeto de interesse dos paulistanos ou pela discussão dos rumos da metrópole. Mas pela comicidade.

(...)

"Eles não têm um plano político, só a intenção de se manter no poder", afirma o vereador Claudio Prado, do PDT.

(...)

Com a derrota iminente, alguns vereadores optaram pelo pastelão. “Muito cuidado com eles, porque a traição é a coisa mais feia do mundo”, bradou Wadih Mutran (PP), em relação aos dissidentes José Olímpio (PP), Jooji Hato e Goulart (ambos do PMDB).

Os dois últimos receberam um exemplar do livro “Traição”, da escritora sueca Karin Alvtegen. Aurélio Miguel empunhou uma pequena espada oriental, explicando que só através do haraquiri (o suicídio ritual) os desertores conseguiriam restaurar a honra.

Também do PR, Toninho Paiva jogou sobre Hato cédulas falsas de dinheiro, sugerindo que ele havia mudado de posição em troca da liberação de verbas, acusação repetida por membros do PT.


Leia aqui a reportagem completa da Veja.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Mesa da Câmara paulistana inicia "caça às bruxas"

O Jornal da Tarde informou nesta sexta-feira que a Mesa Diretora da Câmara Municipal de São Paulo, presidida até o próximo dia 31 de dezembro pelo vereador Antonio Carlos Rodrigues (PR), líder do Centrão, abriu sindicância contra "assessor do PPS" (sic) que comparou a disputa interna do parlamento paulistano com a situação da violência no Rio de Janeiro.

Se confirmada a notícia, há uma sucessão de equívocos na atitude da atual Mesa da Câmara. Primeiro, porque parece se tratar de uma abominável e descabida tentativa de censura. Afinal, qual o impeditivo de um blog partidário emitir uma opinião sobre fatos políticos da cidade?

Segundo, se a alegação for de uso de equipamento público para tal finalidade, o equívoco é ainda maior. Por dois motivos muito simples: a sindicância, se for de fato aberta, será contra o secretário de Comunicação do PPS, que é também o coordenador da liderança do partido na Câmara (o chefe de gabinete da liderança).

O funcionário citado é jornalista, militante e dirigente nacional do PPS, não mero servidor da Câmara, e o equipamento utilizado para publicação do blog é particular (pertence ao partido), não é patrimônio público.

E o último e derradeiro argumento: a nota contestada, além de representar a livre manifestação de pensamento garantida pela Constituição, foi publicada no dia 1º de dezembro, durante o gozo das férias do assessor citado. Portanto, não há nem sequer como a Câmara tentar impedi-lo de se expressar livremente em nome do partido (ainda que a nota fosse de autoria do funcionário), no rigoroso exercício de sua função profissional e partidária.

Se não bastasse isso tudo, a nota foi retirada do blog assim que provocou polêmica entre os vereadores, justamente porque o objetivo não era tumultuar o processo interno de eleição da Mesa Diretora nem ofender a instituição ou individualmente qualquer parlamentar ou partido.

Tratava-se de um posicionamento político do PPS, que fechou questão em torno da candidatura do vereador José Police Neto (PSDB) contra o candidato do Centrão e do PT, agrupamento que há seis anos controla o legislativo paulistano com métodos questionáveis.

Tudo, portanto, dentro das regras democráticas e constitucionais. Prática que deveria ser corriqueira dentro do parlamento e do cotidiano político-partidário: o livre exercício da crítica com amplo direito ao contraditório. Como, de fato, vinha ocorrendo.

Mas, estranhamente, apesar de atender a solicitação de retirar do ar tanto a nota contestada quanto uma nota posterior, esclarecendo o posicionamento do Blog do PPS, noticia-se agora a abertura da tal sindicância, numa estranha "caça às bruxas" depois de confirmada a derrota do candidato do Centrão e do PT.

Reveja as duas notas que foram retiradas do blog a pedido dos vereadores, mesmo depois de esclarecido o posicionamento do partido:

Comparação com situação do Rio irrita vereadores

Uma nota do Blog do PPS/SP, que fazia uma analogia crítica entre a disputa pela presidência da Câmara Municipal paulistana e a situação da violência no Rio de Janeiro, provocou discursos irados dos vereadores Adilson Amadeu (PTB) e José Américo (PT) na sessão desta terça-feira, 7 de dezembro.

O Blog do PPS/SP reproduziu o que toda a imprensa noticiou: o próprio vereador Adilson Amadeu teria agredido (e a informação é dos vereadores que testemunharam os fatos) o seu colega Marcelo Aguiar (PSC), acusando-o de trair o grupo denominado "Centrão" ao declarar apoio à candidatura do tucano José Police Neto para a presidência da Câmara.

Nem a ironia de comparar com as "unidades de polícia pacificadora" que atuam nos morros do Rio de Janeiro é novidade. O jornalista da CBN, Milton Jung, para citar um único exemplo, fez a mesma piada.

Ao se preocuparem com uma opinião crítica do Blog do PPS/SP, os vereadores desviam o foco da gravidade do que vem ocorrendo na Câmara Municipal. Tentativas de agressão ou intimidação viraram atos corriqueiros, segundo relatos de parlamentares e notícias divulgadas pela grande imprensa.

Alega o vereador Adilson Amadeu que jamais houve alguma tentativa de intimidação ou agressão. Para tanto, aparentemente nervoso, berrou no plenário enquanto caminhava em direção do líder do PPS, vereador Claudio Fonseca, quer fazia uso da palavra no microfone de apartes. O vereador petebista precisou ser contido por seus colegas.

Logo após, prosseguindo no mesmo assunto, o líder do PT José Américo também criticou a nota do Blog do PPS/SP, dizendo que o PPS "não tem autoridade moral para falar dos vereadores de São Paulo", afinal de contas, segundo o petista, o partido é presidido por "um pernambucano que mantinha duas sinecuras na Prefeitura de São Paulo."

A fala em tom alterado do líder do PT, jornalista e ex-secretário de Comunicação na gestão de Marta Suplicy, descambou da defesa dos vereadores para um absurdo ataque xenofóbico e preconceituoso contra os nordestinos.

Estranha a censura de José Américo ao fato do presidente nacional do PPS e deputado federal eleito por São Paulo, Roberto Freire, ter ocupado dois conselhos municipais na gestão Serra/Kassab. O ataque - pessoal - foi todo ele contra o fato de Freire ser nordestino.

Triste que justamente um vereador do PT destile esse preconceito absurdo contra um nordestino. E Luiza Erundina, primeira mulher prefeita de São Paulo, eleita pelo PT, não é paraibana? O fato de ser nordestina não lhe dava "autoridade moral" para administrar a cidade? Ora, ora, quanto ranço antidemocratico...

É compreensível que os vereadores não aceitem críticas. Estão no seu direito. Retiramos, portanto, qualquer crítica que possa ser considerada ofensiva a qualquer um dos parlamentares paulistanos. Porém, repudiamos mais uma vez as ações exacerbadas - como esta ocorrida na sessão de terça-feira - e a tentativa de intimidação provocada pelos vereadores do "Centrão" e do PT.


(Publicada em 7/12/2010)

A 15 dias da eleição na Câmara SP, segue impasse

Como vem sendo noticiado pela grande imprensa, já teve até agressão física na disputa pelo comando interno da Câmara Municipal de São Paulo. Não é de hoje que os "nobres" vereadores paulistanos se estapeiam por cargos na Mesa Diretora, responsável por controlar cargos, comissões e interferir nos orçamentos (da própria Casa e da cidade).

Se traçarmos um paralelo com a situação dos morros do Rio de Janeiro, lá as unidades pacificadoras já conseguiram frear a ação da bandidagem... Bom, deixa esse assunto para lá!

Por aqui, os vereadores lançaram até manifesto contra a violência entre os colegas de parlamento (leia).

O PPS fechou questão: apóia a candidatura do vereador José Police Neto (PSDB) para a presidência da Câmara, contra o candidato do Centrão e do PT, grupo que vem controlando o legislativo paulistano há pelo menos seis anos.

(Publicada em 1/12/2010)

Eleitos para 2011/2014 são diplomados hoje

O PPS de São Paulo elegeu três deputados federais: Arnaldo Jardim foi reeleito com 140.641 votos (0,66%) e Dimas Ramalho com 139.636 votos (0,66%). Já Roberto Freire obteve 121.471 votos (0,57%) em sua primeira disputa eleitoral pelo Estado de São Paulo. Veja aqui.

Também foram reeleitos quatro deputados estaduais do PPS/SP para o mandato de 15 de março de 2011 a 15 de março de 2015: Alex Manente com 114.714 votos; Roberto Morais com 107.145; Dr. Gondim com 104.663; e Davi Zaia com 68.658 votos. Veja aqui.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Câmara paulistana elege Police Neto presidente

Com apoio decisivo do PPS, o vereador José Police Neto (PSDB) foi eleito presidente da Câmara Municipal de São Paulo na manhã desta quarta-feira, 15 de dezembro.

O tucano, atual líder de governo do prefeito Gilberto Kassab (DEM) teve 30 votos. Seu opositor, Milton Leite (DEM), candidato do "Centrão" com apoio do PT, recebeu 25 votos.

Veja aqui mais notícias sobre a eleição da Câmara e a atuação dos vereadores do PPS.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

PPS aprova por unanimidade apoio a Police Neto

O Diretório Municipal do PPS paulistano, reunido nesta sexta-feira, 10 de dezembro, decidiu por unanimidade aprovar a seguinte resolução: "Considerando o quadro que se apresenta na Câmara Municipal de São Paulo, para eleição da Mesa Diretora, fecha questão no apoio à candidatura do vereador José Police Neto, determinando que a bancada de vereadores do PPS cumpra esta decisão democrática, por entender que se trata de um avanço institucional para a cidade, para a política paulistana e para toda a sociedade."

A decisão unânime será referendada também pela direção executiva estadual do PPS, que se reune nesta segunda-feira, 13 de dezembro. A eleição para a Mesa Diretora da Câmara de São Paulo ocorre na próxima quarta-feira, 15 de dezembro, às 9h da manhã.

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

PPS reune diretório paulistano na sexta, dia 10

O Diretório Municipal do PPS de São Paulo convoca os seus Membros Titulares e respectivos Suplentes, para reunião a ser realizada no dia 10 de dezembro de 2010, às 19h em primeira convocação e às 19h30 em segunda convocação, na sede da Rua Germaine Burchard, 352 - Água Branca, com a seguinte pauta:

- Conjuntura Municipal;
- Avaliação do Quadro Político Municipal.
- Eleição da Mesa da Câmara Municipal.
- Balanço das Eleições 2010;
- Eleição da Executiva Municipal;
- Informes Gerais.

São Paulo, 02 de dezembro de 2010

Carlos Eduardo Batista Fernandes
Presidente

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Presidente do PPS é homenageado na Câmara SP

O presidente municipal do PPS e subprefeito da Lapa, Carlos Eduardo Batista Fernandes, será um dos homenageados nesta sexta-feira, 3 de dezembro, às 19h, durante a sessão solene que vai comemorar os 450 anos da Câmara Municipal de São Paulo.

O legislativo paulistano começou a funcionar em 1560, por ato do terceiro governador-geral do Brasil, Mem de Sá, com apenas dois vereadores (hoje são 55).

A Câmara ocupou várias sedes diferentes ao longo dos séculos. O endereço atual, no Viaduto Jacareí, 100, Bela Vista, foi inaugurado em 7 de setembro de 1969.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Cartunista Glauco recebe homenagem póstuma

O cartunista Glauco Villas Boas (1957-2010), criador, entre outros, do personagem "Geraldão", foi um dos mais talentosos e renomados desenhistas brasileiros.

Paranaense de Jandaia do Sul, mudou-se para Ribeirão Preto (SP) e foi "descoberto" pelo jornalista José Hamilton Ribeiro, publicando seus primeiros trabalhos no jornal Diário da Manhã. Foi premiado no Salão Internacional de Humor de Piracicaba em 1977, por um júri formado por Jaguar, Millôr Fernandes, Henfil e Angeli,e mais tarde na 2ª Bienal de Humorismo y Gráfica de Cuba.

Em 1984, ao desenvolver sua "autobiografia com exageros", começou a publicar no caderno Ilustrada do jornal Folha de São Paulo, convidado por Angeli, onde permaneceu até ser assassinado junto com o seu filho, em 2010.

Veja mais aqui sobre a homenagem agendada para esta quarta-feira, 1 de dezembro, no salão nobre da Câmara Municipal.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

PPS terá seus congressos no 2º semestre de 2011

O Diretório Nacional do PPS aprovou neste fim-de-semana, em Brasília, resolução convocando a realização do 17º Congresso Nacional do partido entre os dias 9 e 11 de dezembro de 2011, em local ainda a ser definido.

De acordo com a resolução, os congressos municipais e zonais terão de ser convocados de 25 de setembro a 2 de outubro de 2011. Já os estaduais deverão ser realizados entre 25 de outubro e 6 de novembro de 2011.

Confira abaixo a íntegra da resolução aprovada por unanimidade pelo Diretório Nacional.

RESOLUÇÃO nº 05/2010

Considerando as diversas manifestações dos Diretórios Estaduais, Municipais e lideranças do partido;

Considerando os preparativos, planejamento e prazo de filiação partidária com vistas as eleições de 2012.

O Presidente da Comissão Executiva Nacional, ouvido o Diretório Nacional,

RESOLVE:

1º - Convocar o XVII Congresso Nacional do PPS, a se realizar nos dias 9, 10 e 11 de dezembro de 2011;

2º - O processo congressual desenvolver-se-á por intermédio das mais diversas formas de participação, observando-se o seguinte calendário:

- CONGRESSSOS MUNICIPAIS e ZONAIS de 25 de setembro a 2 de outubro de 2011;

- CONGRESSSOS ESTADUAIS, de 25 de outubro a 6 de novembro de 2001;


Brasília, 27 de novembro de 2011

Roberto Freire
Presidente

Homengem à cicloativista Renata Falzoni

A ex-vereadora, jornalista e ciclista Soninha Francine (PPS) participa de homenagem à cicloativista Renata Falzoni no próximo dia 7 de dezembro, a partir das 19h, na Câmara Municipal de São Paulo.

Renata Falzoni, um dos símbolos do chamado "cicloativismo" em São Paulo. receberá Medalha Anchieta e Diploma de Gratidão em reconhecimento aos mais de 30 anos de luta pelo espaço e valorização da bicicleta como meio de transporte.

Ela conseguiu fundir sua vida profissional com sua paixão pela bicicleta. Hoje trabalha nos canais de TV da ESPN e é bike-repórter na Rádio Eldorado. Formada em arquitetura, Renata ingressou no fotojornalismo em 1979, colaborou com os principais jornais e revista do Brasil, como: Veja, Isto é, Nova, Cláudia, Placar, Playboy, Folha de São Paulo, Estado de São Paulo entre outros.

O evento contará com a presença de personalidades que compartilham das mesmas bandeiras da homenageada, como o presidente da Escola de Bicicletas, Arturo Alcorta; presidente da Caloi, Eduardo Musa; diretor presidente do Instituto Ciclo BR, André Pasqualini; membro fundador da Ciclo Br, Thiago Benicchio; secretário Municipal de Esportes e Lazer, Walter Feldman; o secretário do Verde e Meio Ambiente, Eduardo Jorge; presidente da Comissão de Bicicletas da ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos), Reginaldo Paiva; e o membro da Transporte Ativo, João Lacerda.

Data: terça-feira, 7 de dezembro
Horário: 19h
Local: Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo
Viaduto Jacareí, 100, 8° andar – Bela Vista

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Lula concede entrevista aos "blogueiros sujos"

O anúncio oficial é assim mesmo: Nesta quarta-feira (24), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva concede a primeira entrevista coletiva de um líder brasileiro a "jornalistas exclusivos da blogosfera".

Prossegue o release oficial: "Solicitada por um grupo de blogueiros progressistas – conhecidos por ´blogueiros sujos´, devido ao ataque do candidato derrotado à presidência, José Serra – o evento ocorre às 9h no Palácio do Planalto."

E tem mais: "Segundo notificação dos organizadores, o presidente demonstra estar atento às transformações que acontecem no espaço midiático ao abrir sua agenda à blogosfera, e ao mesmo tempo atesta a importância dessa nova esfera pública da comunicação."

Termina com a lista do novo bloco dos sujos: "Já confirmaram presenças os blogueiros Altamiro Borges (Blog do Miro), Altino Machado (Blog do Altino), Cloaca (Cloaca News), Conceição Lemes (Viomundo), Eduardo Guimarães (Cidadania), Leandro Fortes (Brasília Eu Vi), Pierre Lucena (Acerto de Contas), Renato Rovai (Blog do Rovai), Rodrigo Vianna (Escrevinhador) e Túlio Vianna (Blog do Túlio Vianna). Outros dois buscam desmarcar compromissos para se integrar ao grupo."

Nem precisamos dar opinião depois do belo trabalho de marketing pessoal, não é mesmo?

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Assista a entrevista de Roberto Freire no Roda Viva

O presidente nacional do PPS e deputado federal eleito por São Paulo, Roberto Freire, foi o entrevistado do programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite de segunda-feira (22). Assista.

Na entrevista, Freire falou sobre os rumos da oposição, fez um balanço do governo Lula, deu sua opinião sobre o bolsa família e discutiu os rumos da esquerda no Brasil.

Com apresentação de Marília Gabriela, o programa também contou com a participação dos jornalistas Augusto Nunes, Paulo Moreira Leite, Ricardo Noblat e Silvio Navarro.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Folha cita Davi Zaia como secretariável de Alckmin

Companheiros Centrais sindicais se reúnem às 11h com Geraldo Alckmin. Pretendem discutir nomes e rumos para a Secretaria de Emprego e Relações de Trabalho. O favorito para ocupar o cargo é o deputado estadual Davi Zaia (PPS).

Abrigo A opção por Zaia teria dupla utilidade ao PPS, pois promoveria à Assembleia Vitor Sapienza, decano da Casa. Ex-presidente entre 93 e 95, ele buscava o sétimo mandato e ficou como primeiro suplente. No atual governo, o partido comanda a pasta da Habitação.


(Painel da Folha de S. Paulo, segunda-feira, 22/11/2010)

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Eleição da Mesa agita bastidores da Câmara de SP

De um lado, o centrão e o PT. Do outro, o PSDB. Na corda bamba, DEM e PCdoB, pendendo para um lado ou para o outro. Uma situação inusitada porque o DEM é, até o momento (já que se fala na sua transferência para o PMDB), partido do prefeito Gilberto Kassab, que declarou apoio a José Police Neto (PSDB) contra Milton Leite (DEM), o candidato do centrão.

O DEM segue rachado. A maioria da bancada está com o prefeito. Contra estão os vereadores Milton Leite e Carlos Apolinário, que ditam a linha dura do Centrão, traduzida no "recado" que o nobre colega Adilson Amadeu (PTB) transmitiu a Kassab: "O prefeito brinca com fogo. Se continuar a assediar quem está no nosso grupo, vai ganhar um belo presente de Natal antecipado."

O "assédio" acusado pelo Centrão são conversas que Kassab tem mantido com vereadores de todos os partidos. Até o PCdoB, tradicional satélite petista, teria espaço na Mesa com a eleição do tucano José Police Neto. Seria um golpe de morte no Centrão, que vem controlando a Câmara, elegendo seus membros e chantageando o Executivo desde a posse do então prefeito José Serra, em 2005.

Para constar: o PPS, com seus vereadores Claudio Fonseca e Dr. Milton Ferreira, que fazem parte da base de sustentação do governo, deve apoiar a eleição de José Police Neto para a presidência da Câmara Municipal.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

A participação do PPS no governo Alckmin

Um reunião das bancadas estadual e federal do PPS com o governador eleito Geraldo Alckmin e o futuro secretário da Casa Civil, Sidney Beraldo, serviu para debater algumas propostas do partido para o futuro governo paulista e a eventual participação de representantes do PPS na administração.

Participaram do encontro os deputados federais Arnaldo Jardim, Dimas Ramalho e Roberto Freire (que é também presidente nacional do PPS), os estaduais Alex Manente, Dr. Gondim, Roberto Morais e Davi Zaia (também presidente estadual), além do subprefeito da Lapa, Carlos Fernandes (presidente municipal do PPS paulistano).

Veja aqui mais informações sobre a reunião e a íntegra dos documentos apresentados: a "Carta ao governador Geraldo Alckmin" e a "Visão do PPS para o Estado de São Paulo".

terça-feira, 16 de novembro de 2010

É cedo para definir culpa no Enem? Como assim?

O ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou hoje que ainda "é cedo" para apontar culpados pelos erros absurdos cometidos na aplicação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Cedo??? Como assim??? Vamos esperar os alunos se formarem na faculdade???

Além disso, o Ministério da Educação deve anunciar no fim desta semana ou no início da próxima (nunca se sabe) a data e os inscritos no Enem 2010 que deverão refazer a prova, por problemas gráficos no caderno amarelo. O ministro Haddad esteve no Senado na manhã desta terça-feira (16) para audiência na Comissão de Educação, Cultura e Esporte.

Segundo o ministro, “[só] depois da apuração das 113 mil atas de provas" será possível identificar os alunos que não conseguiram trocar o caderno amarelo com problemas. "Não podemos anunciar os convocados e a data sem termos clareza de quantos iremos atender”, explicou Haddad.

Após o convite dos parlamentares aprovado na semana passada, o ministro participa de uma audiência para prestar esclarecimentos ao senadores sobre as falhas na aplicação do exame deste ano. “O principal intuito é prestar esclarecimento para evitar o prejuízo para qualquer estudante, penso que a preocupação dos senadores que ninguém seja prejudicado”, avaliou.

Haddad afirmou que a sindicância interna pelos erros de revisão da prova está em processo e que ainda é cedo para apontar culpados. Aham! Vamos empurrar com a barriga...

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

PPS na bolsa de apostas do secretariado paulista

Em todo período de formação de governo é a mesma coisa: começam as especulações sobre a participação dos partidos coligados no secretariado. Em São Paulo, com a montagem da equipe do governador Geraldo Alckmin, não poderia ser diferente.

Veja abaixo o que a imprensa tem publicado:

(Painel da Folha de S. Paulo, 15/11)

Outra cara Geraldo Alckmin quer dar novo perfil à Secretaria de Emprego e Relações do Trabalho, considerada muito "patronal" durante a gestão de José Serra. O governador eleito tende a escalar para o cargo um nome egresso do sindicalismo ou pelo menos com bom trânsito no meio.

Agenda Uma das reivindicações que as centrais sindicais levarão ao tucano é a de participação ativa nas negociações do salário mínimo regional, hoje de R$ 560. A data-base do reajuste é abril, mas o novo valor do piso da remuneração paga no Estado deve começar a ser discutido desde a posse.

Currículo Alckmin sonda nomes do PPS para a secretaria. Davi Zaia, deputado estadual e presidente da Federação dos Bancários, e Chiquinho Pereira, secretário de organização da UGT (União Geral dos Trabalhadores), são os favoritos.


(Folha de S.Paulo, 11/11)

Chefia da Segurança é impasse para Alckmin

(...)Marco Antonio Desgualdo, delegado que é próximo de Alckmin a ponto de suas mulheres serem amigas, também está entre os que querem outro nome na pasta.

São aliados de Desgualdo nessa empreitada o delegado Ivaney Cayres de Souza e Everardo Tanganelli Junior. Ambos são desafetos do secretário porque ele tirou-o de cargos cobiçados, como o Detran e o Denarc (Departamento de Narcóticos).

Eles fazem lobby para o deputado Dimas Ramalho (PPS) e o advogado Marcelo Martins de Oliveira, que foi adjunto na secretaria na gestão de Saulo de Castro.(...)

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Acompanhe as novidades da Câmara de São Paulo

A atuação dos vereadores do PPS paulistano na Câmara Municipal, Professor Claudio Fonseca e Dr. Milton Ferreira, pode ser acompanhada diariamente no Blog da Liderança.

Vale a pena tomar conhecimento das últimas notícias do parlamento, principalmente neste momento em que se discute a aprovação do Orçamento da cidade de São Paulo, a apresentação de emendas de vereadores, a aprovação de um pacotão de projetos e a eleição da Mesa Diretora da Câmara.

A atuação coesa entre a bancada de vereadores e a direção do PPS merece destaque. O presidente municipal Carlos Fernandes e a coordenação da liderança fazem a ponte entre o partido e os parlamentares.

Acompanhe também pelo twitter e pelo site do PPS a atuação dos representantes do partido, deliberações da direção e os mais recentes acontecimentos.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Reforma política vem aí... Será?

Se há uma certeza após a desgastante campanha eleitoral de 2010, é a urgência da reforma política. Enquanto o Congresso não demonstrar vontade e empenho, distorções e absurdos vão continuar ocorrendo nas eleições.

O problema é que qualquer reforma política séria acarretará um corte na própria carne dos parlamentares. Aí que fica a dúvida dos limites entre o espírito público e o interesse privado.

Enquanto não se aprofunda a necessária reforma, o TRE segue promovendo audiências públicas para elaborar um novo código eleitoral. A Liderança do PPS esteve representada pela advogada Roberta Rosa na reunião desta segunda-feira, 8 de novembro. Mais cinco audiências ainda vão acontecer até 6 de dezembro.

Trata–se de uma iniciativa do Senado Federal. As audiências públicas tem por objetivo colher sugestões da sociedade local, conhecer os seus anseios e daí elaborar o anteprojeto do novo Código Eleitoral. As audiências vão acontecer em todo o país.

Foram apresentadas algumas sugestões que a Comissão já recebeu em outros Estados. São elas:

• Atribuir aos Juizes Federais competência de Juiz Eleitoral
• Extinção do processo de consulta nos TREs
• Diminuição do período de propaganda eleitoral
• Flexibilização do processo de prestação de contas que atualmente é muito complexo
• Proibição de doação para campanhas de pessoas jurídicas, sendo permitida somente doação de pessoa física
• Abolir as coligações partidárias nas votações proporcionais
• Limitação de número de páginas nos recursos eleitorais
• Extinção da Juntas Eleitorais

Com a palavra, o presidente de uma comissão de juristas reunidos para este fim, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) José Antonio Dias Toffoli , enfatizou a necessidade desta alteração do Código para aperfeiçoar a legislação eleitoral, que data de 1965, e também pelo fato de terem surgido diversas leis esparsas que versam sobre o tema. Salientou que o sistema eleitoral vigente funciona bem, mas que precisa ser melhorado.

Outras sugestões apresentadas:

* Alteração no sistema de lista aberta para lista fechada
* Financiamento público de campanha para evitar o contato com os empresários
* Criação da federação dos partidos, onde os partidos que não conseguirem atingir determinado número de votos, se juntarão com outro partido
* Melhor avaliação para se utilizar o voto distrital (que ao contrário do que se diz, não precisa de alteração constitucional e sim uma alteração somente no Código Eleitoral)
* Prestação de contas não deve ser de competência do Tribunal Eleitoral, e sim dos partidos políticos. Somente em caso de divergência o Tribunal Eleitoral deverá se manifestar
* Duplicidade de votos, sendo 1 voto no partido e outro no candidato
* Regulamentar o artigo 121 da CF com uma lei ordinária, como está previsto
* Detalhar o direito penal eleitoral
* Consolidar as leis eleitorais esparsas e extinguir o Código Eleitoral
* Atualizar a Lei nº 9504/ 1997 – Lei das Eleições
* Repensar o formato das Eleições, que está obsoleto
* Pesquisas eleitorais devem ser contratadas apenas pelo Tribunal Eleitoral
* ”Recall” político, que significa o poder de cassar e revogar o mandato de qualquer representante político, pelo eleitorado; é uma espécie de confirmação do voto para "reavaliação" popular, destinado não apenas aos mandatários reconhecidamente corruptos, mas os incompetentes ou inoperantes.

Lapa homenageia presidente do PPS paulistano

O subprefeito da Lapa e presidente municipal do PPS, Carlos Fernandes, recebeu na noite de sexta-feira (8/11) o título de Cidadão Lapeano concedido pela distrital regional da Associação Comercial de São Paulo. A solenidade de entrega aconteceu no Espaço Armazém, na Lapa.

Na oportunidade, também foram homenageados diversos comerciantes e personalidades da região com os prêmios Destaque Empresarial, Destaque Comunitário, Mérito Empresarial em comemoração aos 420 anos do bairro da Lapa.

Além de personalidades e dirigentes locais, prestigiaram a noite de festa o deputado e presidente estadual do PPS, Davi Zaia; o secretário-adjunto de Estado da Habitação, Ulrich Hoffmann; os vereadores Claudio Fonseca e Milton Ferreira (PPS); vereador Claudinho (PSDB); a ex-vereadora e ex-subprefeita da Lapa Soninha Francine; e o jornalista Moacir Longo, entre outros.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Produção de veículos bate recorde. Isso é bom?

O governo, parte dos economistas e a indústria automobilística adoram comemorar recordes na produção e venda de veículos, como se isso, por si só, representasse um grande progresso para o país.

Não deixa de ser interessante no sentido da geração de empregos e até como sinal de que parte da população tem o seu poder de compra preservado. Porém, no aspecto urbano e ambiental, é uma catástrofe que milhões de carros sejam despejados nas ruas, sem que se avalie o impacto desse tsunami com aura progressista.

A malha urbana não suporta tamanha invasão de carros. Ruas, avenidas, pontes, viadutos, estradas não esticam para absorver tão festejada produção. Medidas restritivas e paliativas como o rodízio de veículos, implantado há mais de uma década em São Paulo, mostram-se ineficazes. Alternativas de transporte coletivo são insuficientes. Pior: os carros novos não substituem os velhos, mas se somam a estes na tentativa de burlar o rodízio.

Com isso, aumenta o caos: congestionamentos intermináveis, poluição letal, problemas de saúde para grande parte da população. O que fazer? Quem se preocupa verdadeiramente com o "desenvolvimento sustentável" e dá conteúdo efetivo ao termo, além do discurso?

Números e mais números

A produção de veículos no país cresceu 15,3% no acumulado dos dez primeiros meses do ano na comparação com o mesmo período em 2009, atingindo a fabricação de 3,043 milhões de unidades e batendo mais um recorde. A maior marca até então (2,922 milhões) havia sido contabilizada em 2008.

De acordo com os dados divulgados pela Anfavea (associação das montadoras) nesta segunda-feira, em outubro foram produzidos 321.814 automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões, o melhor resultado para o mês, com alta de 5,5% ante setembro e aumento de 1,5% no confronto com igual intervalo em 2009, ano que teve o desempenho afetado pelo agravamento da crise econômica mundial.

O número de empregados nas montadoras somou ao final do mês passado 116.673 trabalhadores, superando o patamar contabilizado em setembro (115.577).

As vendas de veículos novos no país apresentaram expansão de 8,0% no acumulado dos dez primeiros meses deste ano, no confronto com o mesmo intervalo em 2009, batendo o recorde para o período com o emplacamento de 2,805 milhões de unidades.

Em outubro, 303,2 mil automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões foram licenciados, atingindo também um novo patamar para o mês, mesmo com a redução de 1,3% ante setembro. No comparativo com igual período no ano passado, houve acréscimo de 3,0%.

Problemas do ENEM mostram a situação do ensino

Não é de hoje que a Educação no Brasil enfrenta problemas, mas a repetição neste fim-de-semana de falhas no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), assim como nos anos anteriores, retrata com perfeição o descaso com que o assunto é tratado pelo governo.

Questões mal formuladas, problemas na impressão e montagem dos cadernos de provas, gabaritos com cabeçalho trocado, desinformação, falhas burocráticas, um repórter do Jornal do Commercio que entrou na sala de aula com um celular ligado no bolso, foi até o banheiro e passou torpedo com o tema da dissertação do Enem, mostrando a vulnerabilidade da prova.

Será que o Enem é mesmo o melhor termômetro do aprendizado dos estudantes e a porta de entrada ideal para a universidade? O índice de abstenção foi de cerca de 27% - ou seja, 1,2 milhão não compareceram à prova. O que está errado nisso tudo? Com a palavra o Ministério da Educação e os presidentes Lula e Dilma Roussef.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Presidente do PPS/SP é novo "cidadão lapeano"

O presidente municipal do PPS paulistano e subprefeito da Lapa, Carlos Eduardo Batista Fernandes, receberá nesta sexta-feira, 5 de novembro, o título de "cidadão lapeano" da distrital regional da Associação Comercial de São Paulo.

Casado e pai de dois filhos, Carlos Fernandes nasceu no dia 20 de julho de 1961 na cidade de Santos ("por acaso", como explica, durante as férias de sua mãe), mas sempre morou em São Paulo nos bairros de Perdizes e Pompéia, amobos pertencentes à Subprefeitura que hoje administra.

Em 1984, na gestão do prefeito Mário Covas, foi assessor de gabinete da Regional de Santana e depois trabalhou durante 20 anos na iniciativa privada, como empresário do setor gráfico.

Voltou para a administração pública em 2005, com a eleição do prefeito José Serra, como Superintendente de Fiscalização do Sistema de Transporte Público na SPTrans.

Em janeiro de 2009, já na gestão de Gilberto Kassab, assumiu o cargo de Coordenador de Administração e Finanças da Subprefeitura Lapa e a partir de abril de 2010, substituindo Soninha Francine, assumiu o cargo de Subprefeito da Lapa.

A Distrital Lapa da Associação Comercial de São Paulo vai homenagear empresas e personalidades com os prêmios Destaque Empresarial, Destaque Comunitário, Mérito Empresarial e Cidadão Lapeano.

Os 19 indicados receberão seus respectivos prêmios no jantar em comemoração dos 59 anos da Distrital que está marcado para o dia 5 de novembro no Espaço Armazém. O evento faz parte do calendário festivo dos 420 anos da Lapa. Reservas de convites pelo telefone 3837-0544, com Magda.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Dilma não é Lula... então, desejamos sorte à eleita!

E o criador deu vida à criatura, com o sopro divino do voto democrático. Assim se faz a história: Lula, um dos mais carismáticos e populares líderes globais, presidente do Brasil eleito e reeleito após três derrotas consecutivas, fez de uma coajduvante da luta democrática brasileira, técnica mediana paradoxalmente pinçada de fora do gênesis petista, a sua sucessora.

Dilma Roussef, a primeira mulher eleita para a Presidência do Brasil, parece até de certo modo deslocada na peça que o destino lhe prega com as bençãos de seu padrinho, mentor e patrocinador.

O que lhe reserva o futuro, Dilma Roussef? Além da questão puramente filosófica, há uma série de fatores políticos para as respostas que todo brasileiro espera a partir de 1º de janeiro de 2011. Dilma conseguirá se libertar da sombra de Lula? Qual a configuração do futuro governo? Como vai se comportar a presidente diante das forças e partidos coligados que a elegeram? Como exercerá o poder diante da maioria governista no Congresso e, ironicamente, com os estados mais importantes controlados pela oposição? Qual será a marca do seu governo?

A presidente Dilma terá, em tese, quatro anos para mostrar a que veio. Mas quatro anos passam muito rápido, principalmente diante dos desafios de um país como o Brasil, das urgências sociais e dos interesses que estão em jogo.

Dilma não é Lula, herdou parte dos seus votos (suficiente para lhe propiciar maioria) mas não o seu carisma nem a sua trajetória quase mitológica, portanto não terá a mesma condescendência do povo e do establishment.

Neste momento, cabe ao PPS, no seu legítimo papel fiscalizador de partido de oposição, parabenizar Dilma pela eleição e desejar discernimento, capacidade, honradez e sorte para exercer a presidência da República e fazer o melhor para o Brasil.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Moacir Longo recebe "Ordem do Ipiranga"

O jornalista Moacir Longo, presidente de honra do PPS e ex-vereador de São Paulo cassado pela ditadura, recebe das mãos do governador Alberto Goldman a Ordem do Ipiranga.

A homenagem, a mais elevada distinção do Estado, é oferecida aos cidadãos que se destacaram por seu mérito pessoal e serviços prestados a São Paulo e ao Brasil.

Leia também:

Há 46 anos, Moacir Longo era eleito vereador de SP

Presidente de honra do PPS/SP lança primeiro livro

Noite de gala para o lançamento de Moacir Longo

Veja depoimentos sobre o livro de Moacir Longo

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Vale a pena ver de novo: Porque Soninha vota Serra

Um internauta questionou Soninha Francine, no início do ano, sobre o seu apoio a José Serra. Ela enviou a seguinte resposta, que acabou se espalhando pela internet por ser bastante esclarecedora:

Posso explicar, sim. Talvez não em poucas palavras, mas em muitas informações sobre o que vi, vivi e aprendi nos últimos anos. Pra não deixar sem nenhuma resposta agora, posso resumir assim:

- Descobri que o meio em que eu vivia - de petistas - inventava muitas barbaridades sobre o Serra. Por que o Serra? Não sei, talvez porque ele tenha sido o candidato do governo à sucessão do Fernando Henrique, portanto rival direto do Lula na disputa presidencial...

Porque os petistas já pintavam os tucanos como o fel da terra (e eu, mesmo quando era do PT, achava isso um pouco absurdo), e o Serra como o próprio Satanás.

Só que os fatos, mesmo vistos de longe, já desmentiam algumas coisas que diziam sobre ele: como ele podia ser "queridinho" da grande mídia quando comprava briga contra a publicidade de cigarro, por exemplo - que era uma baita fonte de receita para os meios de comunicação? E como ele era parte da elite imperialista internacional, quando foi à OMC e lutou contra os lobbys e cartéis da indústria farmacêutica, conseguindo as quebras de patente em nome da saúde pública dos países mais pobres?

Mesmo com esses fatos, eu acreditava nas versões do PT... Afinal, o PT era o meu partido, eu tendia a concordar com tudo... Pensava: "Ok, eles fez uma ou duas coisas importantes, corajosas, mas nem por isso é uma pessoa decente".

O PT dizia que ele era covarde, porque tinha "fugido" da ditadura... Que era um manipulador ardiloso, porque "armou" um flagrante pra Roseana Sarney (se bem que eu já pensava naquela época: o marido da Roseana Sarney tem um milhão e meio de reais de origem desconhecida e a culpa é do Serra?).

Enfim, eu o detestava. Até ser vereadora e ele, prefeito. E descobrir que o demônio que pintavam não era nada daquilo. Mal humorado, impaciente, carrancudo, ríspido demais às vezes? Sim. Mau caráter? Não.

Em 2005, começo do meu mandato, o Serra me recebeu (a meu pedido), ouviu atentamente tudo o que eu disse e reconheceu que estava equivocado em algumas medidas que havia tomado como prefeito. Na manhã seguinte, desfez o que tinha feito.

Depois, me procurou inúmeras vezes para perguntar de assuntos que acreditava que eu conhecesse melhor do que ele - políticas de juventude, meio ambiente, cultura. Cansei de vê-lo pedindo idéias, sugestões, opiniões. O contrário do que diziam dele...

Enquanto isso, o PT - que era o meu partido - continuava inventando, mentindo. Uma barbaridade. Analisava um projeto de lei enviado á Câmara pelo prefeito, concluía que o projeto era muito bom e... No plenário da Câmara, fazia DE TUDO para barrar o projeto. Saía do plenário para não dar quórum, subia na tribuna e passava meia hora falando horrores de um projeto que TINHA CONSIDERADO BOM - apenas para prejudicar "os tucanos" na eleição seguinte.

Mesmo assim, mesmo no meio da guerra mais suja - petistas espalhavam mentiras para assustar a população, uma coisa realmente horrorosa - se chegasse um Projeto de Lei de um vereador do PT e ele considerasse o projeto bom para a cidade, ele sancionava (isto é, aprovava). E se chegasse um Projeto de Lei de um vereador do PSDB e ele considerasse o projeto ruim para a cidade, ele vetava.

Aliás, nós ficamos amigos, e ele... vetou vários projetos meus. Ou seja, um comportamento REPUBLICANO, de respeito à Casa Legislativa e ao interesse coletivo. Mas o PT continuava espalhando que ele era autoritário, mentiroso, privatista, neoliberal... E que era repressor, "inimigo dos pobres", "amigo das elites", tudo de pior no mundo.

Mas o Serra ia fazendo coisas muito legais na cidade - criou a Coordenadoria da Diversidade Sexual, a Secretaria da Pessoa com Deficiência... O Centro de Juventude da Cachoeirinha, que é do cacete... Pegou um esqueleto que estava lá abandonado desde o Janio Quadros e fez um troço muito legal. Terminou o primeiro trecho do maldito Fura-Fila do Pitta, que também estava abandonado. Voltou atrás na história dos CEUS - porque essa foi uma das coisas que eu consegui convencê-lo de que ele estava errado - e mandou fazer vários outros, mantendo o nome "CEU" (bandeira da Marta...). Idem com os Telecentros - que os petistas diziam que ele "destruir", transformar em Acessa São Paulo, que era bem diferente... Criou a Virada Cultural. Fez os benditos hospitais de Cidade Tiradentes e do M'Boi Mirim - que o PT anunciava que a Marta tinha feito, quando na verdade ela não tinha começado nem a cavar o alicerce...

Sem falar que a Marta, que passou os 2 primeiros anos de seu governo sanando as contas da prefeitura detonadas pelo Pitta, passou os dois últimos anos destroçando as contas da prefeitura - e deixou dívidas absurdas, contratos temerários de 20 anos assinados "no apagar das luzes"...

O Serra deu muita força para a Secretaria do Meio Ambiente, que sempre era das mais pobrezinhas. E chamou para trabalhar com ele pessoas que tinham trabalhado com a Marta, sem a menor hesitação, sem rancor e ressentimento, porque considerava que elas eram competentes.

Enfim, eu VI, eu testemunhei, condutas absurdas do meu partido - e condutas admiráveis do Serra, que o meu partido pintava como o enviado do capeta.

Resultado: (lembre-se, este é um resumo, a história completa é uma enciclopédia) saí do PT, que foi se distanciando barbaramente dos ideais que pregava, adotando o "vale tudo" (pra governar, pra ser oposição), e fui para um partido de oposição. Que hoje apóia o Serra para presidente, assim como eu.

E eu nem falei do governo do estado... De mais uma seqüência enorme de mentiras e terrorismos, como de costume ("ele vai privatizar o metrô!"; "ele publicou decretos para acabar com a autonomia universitária!"), e, da parte dele, realizações admiráveis, mais ainda para quem ficou 3 anos e pouco no governo (e 1 ano e meio na prefeitura). Uma lista de pontos em que a atuação dele me agrada muito: trens metropolitanos, metrô, meio ambiente, cultura, pessoa com deficiência... E outros mais.

Se você odeia o Serra como eu odiava, eu sei que não vai mudar de idéia assim tão fácil. Não tenho essa pretensão. Mas gostaria que você acreditasse em mim: é com muita convicção que eu voto nele, baseada nos meus 6 anos de vida mergulhada integralmente na política.

Abração,
Soninha

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Lula elogiou imparcialidade de FHC em 2002. Mas...

Eleito presidente em 2002, Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que a participação isenta e imparcial do presidente Fernando Henrique Cardoso no processo eleitoral contribuiu para que o resultado das eleições representasse "a verdadeira vontade do povo brasileiro". É o que mostra reportagem da Folha de S. Paulo reproduzida acima.

Passados oito anos, reeleito em 2006 e na tentativa de fazer de Dilma Roussef a sua sucessora a qualquer custo, Lula parece adepto do "faça o que eu digo mas não faça o que eu faço".

Se a postura isenta e imparcial de FHC mereceu o elogio de Lula em 2002, o que ele diria se o ex-presidente tucano tivesse se comportado como o petista nesta campanha de 2010, quando tomou sucessivas multas da TSE por propaganda antecipada, com uma atuação típica de militante partidário e que passa longe da postura que se espera de um presidente da República?

Campanha na internet faz crítica com bom humor

A campanha pró-Serra na internet mantém o tom da crítica e a acidez contra a gangue petista sem baixar o nível nem partir para a porrada, como fazem os apoiadores de Dilma nas ruas, desesperados com a possibilidade de perder a boquinha no poder após 8 anos.

Há opções engraçadíssimas, como o "Invente sua Dilma" (clique aqui), cujo criativo mote é "Se o Lula inventou a dele, porque você não pode inventar a sua?".

Você escolhe o visual da candidata petista, o cenário, as frases mais repetidas e até os companheiros preferenciais, entre Zé Dirceu, Fidel Castro, Collor, Sarney e Mahmoud Ahmadinejad, entre outros.

Veja as notícias mais recentes da campanha no twitter do PPS, o perfil completo dos nossos deputados eleitos no site estadual e a atuação do partido no site nacional.

Acesse também: http://dilmanao.org/ e http://voudeserra45.wordpress.com/.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

PPS segue firme no apoio a Serra presidente!

A militância do PPS, os deputados eleitos, os demais candidatos a federal e estadual, além de prefeitos, vereadores e lideranças do PPS seguem firmes na campanha de Serra presidente. Por todo o estado o PPS está presente e confiante na eleição do melhor candidato para o Brasil.

Veja as notícias mais recentes da campanha no twitter do PPS, o perfil completo dos nossos deputados eleitos no site estadual e a atuação do partido no site nacional.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Gabeira e Fabio Feldmann declaram apoio a Serra

Um dia depois de o PV e a candidata Marina Silva terem declarado "independência" no segundo turno, o presidenciável tucano José Serra recebeu ontem apoio de duas das mais representativas lideranças verdes.

Num evento em São Paulo, os candidatos do PV ao governo do Rio (em aliança com o PPS), Fernando Gabeira, e de São Paulo, Fábio Feldmann, declararam apoio a Serra.

Compareceram, entre outros, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, os candidatos tucanos eleitos para o governo paulista, Geraldo Alckmin, e para o Senado, Aloysio Nunes Ferreira, além do prefeito Gilberto Kassab.

O PPS vê com entusiasmo essa aproximação. Durante a pré-campanha, houve uma série de conversas entre a direção dos dois partidos. De um lado, os presidentes nacional (Roberto Freire), estadual (Davi Zaia) e municipal (Carlos Fernandes) do PPS. Do outro, os presidentes nacional (José Luiz Penna) e estadual (Mauricio Brusadin) do PV.

Há um promissor diálogo entre as duas legendas, com vistas às eleições de 2012 e 2014, e um projeto alternativo para São Paulo que fuja à atual polarização entre PT e PSDB. Nomes como Soninha Francine e Fabio Feldmann incorporam com perfeição os anseios da sociedade por essa nova visão política.

O presidenciável José Serra também declarou que via ali uma “aliança natural” com políticos do PV. Antes de enumerar políticas de meio ambiente em suas administrações de prefeito e de governador de São Paulo, o tucano rasgou elogios aos colegas Feldmann e Gabeira.

"O Feldmann é o exemplo de uma pessoa determinada e confiável, além de uma referência na questão do meio ambiente", disse Serra. "Ter o apoio do Gabeira tem um significado pessoal e psicológico, e me sinto com mais energia para fazer a campanha.
O Gabeira é um homem diferenciado. É um dos melhores quadros da política da minha geração."

O ex-presidente Fernando Henrique também discursou. E aproveitou para pregar a diferença entre Serra e Dilma, que, segundo ele, deve ser levada em consideração pelos eleitores para votar no tucano.

"Dilma encarna a visão antiga do crescimento, o produtivismo, o crescimento a qualquer preço. Serra respeita o meio ambiente. Quem é realmente ambientalista sabe a diferença de votar em Dilma ou em Serra", disse FHC.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Agora é a hora da virada: Serra é o mais preparado!

O candidato da coligação “O Brasil Pode Mais”, José Serra, finalizou sua participação no debate deste domingo (17), promovido pela RedeTV! e Folha de S. Paulo, ressaltando aos telespectadores a importância de conquistar mais um voto 45 até o dia 31 de outubro, data do segundo turno das eleições presidenciais.

Defensor de um governo de “união”, Serra conclamou a população brasileira a seguir de “braços dados”, “cabeça erguida” e “coração leve”.

“Conquiste um voto a mais. Braços dados, cabeça erguida, coração leve, para, até o dia 31 de outubro, ganhar pelo Brasil”, finalizou, muito aplaudido pela plateia que assistiu ao encontro. O debate foi mediado pelo jornalista Kennedy Alencar.

Serra também discorreu sobre a importância da discussão eleitoral pautada nos valores éticos e morais. “É um motivo de muito orgulho me apresentar como candidato a presidente do Brasil. Graças à escola pública eu cheguei onde cheguei e foi com a minha família, pais, tios, avôs, que eu aprendi valores. Os meus valores são a verdade, a honestidade, a liberdade e a democracia, a justiça e a solidariedade. Solidariedade é aquilo que a gente sente de só se tornar feliz ao fazer feliz outra pessoa. Quem está no comando tem que servir ao público e não se servir dele. Isso pra mim é fundamental”, explicou.

De acordo com o comentarista da RedeTV! José Roberto Toledo, entrevistado após o término do programa, o grupo de indecisos que assistiu ao debate considerou a participação de José Serra como a mais positiva do debate.

Veja aqui o desempenho de Serra nos demais blocos do debate.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

PPS prossegue firme no apoio a Serra no 2º turno

Com uma vitória expressiva em São Paulo, o PPS elegeu três deputados federais, quatro estaduais, ajudou na recondução de Geraldo Alckmin ao Governo de São Paulo e, com José Serra no segundo turno, mostra que mais da metade da população reprovou Dilma Roussef (ao menos por enquanto), ao contrário do que apregoava o presidente Lula, do alto de deus 80% de aprovação popular.

Os deputados eleitos e os demais candidatos a federal e estadual, além de prefeitos, vereadores e lideranças do PPS seguem firmes na campanha de Serra. Por todo o estado o PPS está presente e confiante na eleição do melhor candidato para o Brasil.

Veja as notícias mais recentes da campanha no twitter do PPS, o perfil completo dos eleitos no site estadual e o posicionamento do partido no site nacional.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Veja quem são os deputados federais do PPS/SP

O PPS de São Paulo elegeu três deputados federais: Arnaldo Jardim foi reeleito com 140.641 votos (0,66%) e Dimas Ramalho com 139.636 votos (0,66%). Já Roberto Freire obteve 121.471 votos (0,57%) em sua primeira disputa eleitoral pelo Estado de São Paulo.

Quem é Arnaldo Jardim

Arnaldo Jardim é natural de Altinópolis/SP, nascido em 08 de maio de 1955. Iniciou a vida política como líder estudantil, na Escola Politécnica da USP, onde se formou em engenharia civil e lutou pela redemocratização do País.

Sua vida pública começou em 1982 na campanha de Franco Montoro para Governador de São Paulo. Foi eleito deputado estadual em 1986 e no segundo mandato, em 1991, foi Líder do Governo e do PMDB na Assembléia Legislativa. Em 1992, assume a Secretaria de Habitação do Estado de São Paulo.

Em 1994, foi candidato a Vice-Governador pelo PMDB. De volta à Assembléia paulista em 1999, foi relator geral do Fórum São Paulo Século XXI e da CPI dos Combustíveis que investigou a máfia dos combustíveis adulterados.

Na Câmara, Arnaldo Jardim coordenou as Frentes Parlamentares da Habitação, pela Energia Limpa e Renovável e do Cooperativismo Paulista; foi membro da Câmara Especial de Bicombustíveis, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo; foi presidente do Grupo de Trabalho responsável pela elaboração de uma nova legislação de destinação dos resíduos sólidos no Estado.

Foi Presidente Estadual do PPS de 2001 a 2002. Hoje é o 1º vice-líder da bancada do PPS na Câmara Federal, titular na Comissão de Minas e Energia e compõem as comissões de Ciência e Tecnologia, Desenvolvimento Urbano, Viação e Transportes, Turismo e a Comissão Mista de Orçamento.

Reconhecido como uma das "100 Cabeças do Congresso Nacional" pelo Diap - Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, foi também escolhido pelo Portal Congresso em Foco como um dos melhores parlamentares da Câmara.

Quem é Dimas Ramalho

Deputado Federal reeleito para o seu terceiro mandato, Dimas Ramalho foi líder da bancada do PPS na Câmara dos Deputados e cumpriu um mandato limpo e correto. Assinou e apoiou a instalação das CPIs dos Correios, Mensalão, Sanguessugas e Bingos. Votou, com o Conselho de Ética, pela punição de todos os parlamentares envolvidos nos escândalos políticos.

Defende o voto aberto no plenário da Câmara e votou pela diminuição do recesso parlamentar. Devolveu para a Mesa Diretora da Câmara os dois salários ‘extras’ pagos pela autoconvocação extraordinária do Congresso Nacional. Está entre os 100 parlamentares mais influentes do Congresso Nacional (Pesquisa DIAP).

Dimas Ramalho é um dos deputados mais assíduos em plenário, conforme dados da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados. É membro titular da Comissão de Defesa do Consumidor e da Reforma do Poder Judiciário e suplente da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado. Participou da Comissão de Constituição e Justiça e da Comissão de Defesa Nacional e Relações Exteriores.

Quem é Roberto Freire

Sinônimo de ética e seriedade na vida pública, Roberto Freire é presidente nacional do PPS e um dos mais respeitados políticos do país.

Conhecedor profundo dos problemas nacionais e observador crítico e atualizado dos fatos mundiais contemporâneos, é reconhecido por toda a mídia como um político sério e competente. Escolhido pelo Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar) como um dos 100 “cabeças” do Congresso Nacional por 14 anos.

Seu nome sempre esteve no rol dos políticos efetivamente comprometidos com o avanço da democracia e dos ideais republicanos. Sobre ele não pesa uma só denúncia a respeito de sua atuação pública – e este é o seu maior patrimônio após 32 anos ininterruptos na política (um mandato como senador, cinco como deputado federal e um como estadual).

No Senado (de 1995 a 2002), como líder do PPS, tornou-se referência na luta pela afirmação dos princípios republicanos, pela celebração de um novo pacto federativo e na defesa de políticas sólidas, garantidoras do desenvolvimento, sobretudo das regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste. Defensor de um desenvolvimento regional equilibrado, nunca caiu na preconceituosa esparrela de acusar São Paulo e o Sul pelos dramas do Brasil. Sempre afirmou que longe de ser problema, São Paulo é parte decisiva da solução.

Veja quem são os 4 deputados estaduais reeleitos

O PPS de São Paulo reelegeu quatro deputados estaduais para o mandato de 15 de março de 2011 a 15 de março de 2015: Alex Manente com 114.714 votos; Roberto Morais com 107.145; Dr. Gondim com 104.663; e Davi Zaia com 68.658 votos.

Quem é Alex Manente

Alex Manente nasceu em São Bernardo, é formado em Direito e desde muito jovem atua junto às comunidades na conquista de diversas melhorias, seguindo o exemplo do pai, Otavio Manente, que já foi vereador e secretário de Obras daquele município.

Alex Manente concorreu a um cargo eletivo pela primeira vez em 2004, sendo eleito vereador aos 25 anos, com 12.507 votos. O feito entrou para a história da política regional, pois Alex alcançou a marca de vereador mais bem votado de São Bernardo e também do Grande ABC.

Aos 27 anos, foi eleito para o primeiro mandato de deputado estadual com 60.571 votos (sendo 5.686 na Capital).

Na Assembléia, criou a Frente Parlamentar da Billings e acelerou as discussões sobre a Lei Específica da Billings, garantindo a aprovação em 2009. Também é autor do projeto de lei que propõe a disciplina Introdução ao Direito nas escolas da rede estadual.

Como presidente da Comissão de Defesa e Direito do Consumidor, reforçou as cobranças à Sabesp, negociou a ampliação das centrais da Eletropaulo e desenvolveu a Cartilha da Telefonia, para orientar os usuários sobre os novos planos da Telefônica.

Assumiu a Comissão de Relações do Trabalho, em 2009, com o desafio de estreitar a relação entre empregado e empregador. Atualmente, atua na Comissão de Serviços e Obras Públicas, permanece como membro efetivo da Comissão de Defesa do Consumidor e suplente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar.

Com forte atuação no interior, ajudou a estruturar programas sociais, impulsionou o desenvolvimento de obras de infraestrutura e possibilitou maior investimento das prefeituras na área da saúde.

Quem é Roberto Morais

Roberto Turchi Morais nasceu em 29 de julho de 1959 na cidade de Charqueada, interior do Estado de São Paulo São Paulo.

Começou a trabalhar muito cedo, ajudando seu pai nos afazeres do pequeno armazém da família até seus 17 anos, quando iniciou seus primeiros trabalhos na Rádio Difusora de Piracicaba em programas esportivos e de serviços, sempre acompanhando os jogos do XV de Novembro de Piracicaba, uma de suas paixões.

Abraçando definitivamente o jornalismo como profissão, Roberto Morais mantém hoje programa diário “Manhã da Onda” na Rádio Onda Livre de Piracicaba, o programa “Esporte Livre” na TV Beira Rio e a coluna “Jornada Esportiva” no Jornal de Piracicaba.

Buscando uma participação mais ativa na busca de soluções para os problemas sociais, iniciou sua vida política elegendo-se pelo PPS vereador de Piracicaba pela primeira vez em 1992.

No ano de 1996 concorre à reeleição e vence como o vereador mais votado em toda a história política de Piracicaba.

Foi eleito pela primeira vez para a Assembléia Legislativa em 1998 pelo PPS, sendo reeleito em 2002 e 2006 – sempre como o mais votado de sua bancada.

Sua forte atuação política o levou a ocupar várias e importantes funções no Parlamento Paulista como: 3º Secretário da Mesa Diretora da Assembléia Legislativa, relator da CPI dos pedágios, vice-presidente da CPI que investigou deficiências e abusos no sistema prisional do Estado de São Paulo, membro do Conselho Deliberativo do Instituto do Legislativo, Presidente da Comissão de Assuntos Municipais (por duas vezes), membro das Comissões Permanentes de Constituição e Justiça, Relações do Trabalho, Fiscalização e Controle, Transportes e Presidente da CPI que investiga a “Guerra fiscal”. Atualmente Roberto Morais é líder da bancada do PPS na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo

Roberto Morais foi o segundo parlamentar mais bem avaliado do Estado de São Paulo pelo Movimento Voto Consciente, cujo objetivo é conscientizar os eleitores sobre o seu papel de fortalecer e aperfeiçoar a democracia através do “voto consciente”.

A pesquisa leva a pratica um conjunto de ações desenvolvidas pelo parlamentar nos quatro anos de mandato nos critérios de presença nas Comissões de Estudo , atuação como Legislador, comunicação e resposta a pedido de informação, avaliação do site, Plenário (presença nas votações nominais), fiscalizador do Executivo e fidelidade partidária e fidelidade ao mandato.

Roberto Morais recebeu o índice final de 7,43 pontos, tendo pontuação máxima (10 pontos) nos critérios de Leis, Comunicação e Fidelidade.

Quem é Dr. Gondim

Luiz Carlos Gondim Teixeira nasceu em 29 de novembro de 1947 em Fortaleza, Estado do Ceará.

Mudou-se para Mogi das Cruzes em 1969 para realizar um grande sonho: ser médico. Formou-se pela Universidade de Mogi das Cruzes em 1974. Fez pós-graduação na Universidade de Buenos Aires, na Argentina, tendo sido, ainda, professor voluntário do Hospital das Clínicas em São Paulo, no ano de 1982.

Exerce a Medicina até hoje, atuando nas áreas de Ginecologia e Andrologia. É especialista em Esterilidade Conjugal.

Como médico, realiza há 30 anos campanhas educativas de planejamento familiar, prevenção à Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis e às drogas, através de palestras em escolas estaduais, municipais, particulares, indústrias e associações de bairro.

Foi o criador da Semana do Adolescente, um ciclo de palestras voltado à orientação do público jovem mobilizando profissionais das mais diversas áreas de saúde abordando temas variados, que fazem parte do cotidiano dos jovens.

Optou pelo ingresso na vida política para ampliar seu atendimento à população, notadamente as mais carentes, elegendo-se vereador de Mogi das Cruzes, em 1988, tendo sido reeleito para o cargo em 1992 e 1996.

Elegeu-se deputado estadual em 1998 pelo Partido Verde, com 13.327 votos. Em 2002, foi reeleito pelo mesmo partido, com mais de 57 mil votos. Na eleição de 2006, recebeu cerca de 71 mil votos.

Como legislador atuante no Parlamento Paulista, é membro titular nas Comissões Permanentes de Saúde e Higiene e de Assuntos Internacionais.

É o autor e coordenador de diversas Frentes Parlamentares, entre às quais destacam-se as que atuam na busca de auxílio e recursos para as Santas Casas, bem como em defesa das Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apaes).

Também atua na Frente Parlamentar pela ampliação dos serviços do IAMSPE (Instituto de Assistência ao Servidor Público Estadual) e na Frente Parlamentar em Defesa da Citricultura. É de sua autoria o requerimento para constituição de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o cartel da indústria da laranja. Participou ativamente da CPI dos Pedágios e da CPI dos Crimes Ambientais.

Autor de 60 leis em vigor no Estado, o mandato do deputado Gondim tem como prioridades as áreas da saúde, promoção social, educação, esportes, turismo, habitação, segurança e transporte.

Quem é Davi Zaia

Davi Zaia nasceu em Cordeirópolis, interior de São Paulo, e é formado em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Começou cedo na política, ainda estudante, na luta contra a ditadura e pela democracia, por eleições diretas, pela anistia, pelo direito de greve, pela liberdade de organização e expressão, por uma Assembléia Constituinte, pelo Estado Democrático de Direito.

Funcionário de carreira do Banco Nossa Caixa, milita há mais de 30 anos no movimento sindical dos trabalhadores, bancários em particular, nas batalhas por melhores condições de vida e de trabalho.

Em 15 de março de 2007, aos 51 anos de idade, David Zaia assumiu, na Assembléia Legislativa de São Paulo, o mandato de deputado estadual pelo PPS. No Legislativo paulista, Zaia é o 2º vice-presidente da mesa diretora da Casa, preside a Comissão de Assuntos Metropolitanos, é membro efetivo das Comissões de Promoção Social e de Ética e Decoro Parlamentar, e suplente das comissões de Assuntos Internacionais e de Finanças e Orçamento.

Militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB) até sua transformação no Partido Popular Socialista, PPS, hoje é membro de sua Executiva Nacional e presidente da sigla no estado de São Paulo.

Foi por três vezes presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas. Em 1985 comandou o Encontro Nacional dos Bancários que deflagrou a histórica greve nacional da categoria.

No banco Nossa Caixa foi eleito e reeleito para representar seus colegas no Conselho de Administração da instituição. Fundador e presidente do Clube de Investimentos dos Funcionários da Nossa Caixa ele também integra o Comando Nacional dos Bancários que coordena as lutas de quase 400 mil empregados do sistema financeiro no país.

Na área intersindical, David Zaia foi presidente, vice-presidente e diretor do Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos - DIEESE. Pioneiro nas lutas pela criação de uma central sindical dos trabalhadores foi membro da Executiva Nacional da Central Única dos Trabalhadores – CUT. Hoje é presidente da Federação dos Bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul – que reúne 25 sindicatos e cerca de 70 mil bancários dos dois Estados – e vice-presidente da UGT – União Geral dos Trabalhadores.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

PPS/SP elege 3 deputados federais e 4 estaduais

O PPS cumpre o seu papel. Em meio à tiriricalização da política, maré vermelha, onda verde e outros fenômenos eleitorais, ajudou a fazer de Geraldo Alckmin governador de São Paulo, a levar José Serra para o segundo turno da eleição presidencial, elegeu três deputados federais e quatro estaduais.

Estão eleitos para representar São Paulo na Câmara dos Deputados, em Brasília, Arnaldo Jardim, Dimas Ramalho (ambos reeleitos) e Roberto Freire, presidente nacional do PPS em sua primeira eleição paulista.

Para a Assembléia Legistaliva, o PPS reelegeu com expressiva votação os deputados estaduais Alex Manente, Roberto Morais, Dr. Gondim e Davi Zaia.

Leia mais sobre as eleições no twitter do PPS e nos sites estadual e nacional do partido.

A importância da eleição de Roberto Freire em SP

A idéia era quase utópica, apaixonante: lançar a candidatura do presidente nacional do PPS, o pernambucano Roberto Freire, à Câmara dos Deputados por São Paulo.

Roberto Freire é um dos mais respeitados e influentes políticos brasileiros. Chegou a este patamar de reconhecimento por suas idéias, convicções e atitudes. O seu nome sempre esteve no rol dos homens públicos sérios, sem uma só denúncia ou suspeita sobre a sua atuação – e este é o seu maior patrimônio após 32 anos ininterruptos na política (um mandato como senador da República, cinco mandatos como deputado federal e um como estadual).

Conhecedor profundo dos problemas brasileiros e observador crítico e atualizado dos fatos mundiais contemporâneos, Roberto Freire é reputado por toda a mídia como um político sério, honesto e competente. Não foi à toa que o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) o escolheu por 14 anos, sucessivamente, como um dos 100 "cabeças" do Congresso Nacional.

São Paulo reivindica este novo parâmetro ético para qualificar o debate e dignificar a nossa representação política. Por isso, a candidatura de Roberto Freire a deputado federal por São Paulo deixou de ser apenas uma idéia intrapartidária, utópica e apaixonante, para se transformar em um clamor de todos aqueles que amam o nosso Estado e desejam resgatar os sonhos e a esperança de uma sociedade mais justa e humana.

É este patrimônio ético e moral, somado ao vultoso conteúdo ideológico, a uma história coerente e à comprovada eficiência no parlamento brasileiro, que moveu o PPS a lançar o nome de Roberto Freire à Câmara dos Deputados em 2010, para liderar a construção de um novo Estado e de um país melhor e mais decente.

Afinal, que outro centro urbano do país reúne tantas condições para consolidar a ponte para o futuro, se não o Estado que é a capital financeira nacional, que detém as maiores e melhores universidades, a excelência na medicina e no setor de pesquisa científica?

Apesar desse potencial, São Paulo segue marcado por problemas que praticamente sufocaram qualquer esperança de dias melhores. Seria ilusório acreditar que este cenário catastrófico tenha sido causado simplesmente por recentes crises econômicas, ou mesmo pela herança nefasta de gestões mafiosas (principalmente após administrações petistas e malufistas na capital).

A verdade é que São Paulo não encontrou ainda a sua identidade, porque não tem um projeto metropolitano sustentável. Diante da inoperância governamental e da apatia da sociedade, nossos defeitos chamam mais a atenção do que nossas qualidades.

Por sucessivas gestões, ficamos reféns de um bando de políticos corruptos, despreparados e incompetentes. Assistimos impassíveis a ascensão ao poder do crime (des)organizado, que loteou a administração pública e enlameou a política de São Paulo.

Agora, o eleitorado despertou para a necessidade vital de uma verdadeira transformação. O que desejamos, com o lançamento da candidatura de Roberto Freire para deputado federal, foi ajudar a conscientizar e mobilizar os paulistas e paulistanos para a criação e a manutenção de um ambiente social saudável, com planejamento, organização comunitária, responsabilidade eleitoral e a diminuição de privilégios.

Entendemos que o nosso papel, a partir desta eleição, deva ser justamente o de chamar as lideranças sociais e políticas para o debate programático e para a construção de uma cidade, um estado e um país mais humano, justo e solidário. Um país com políticas públicas e parcerias sociais que possibilitem mais rapidamente a inserção dos excluídos, a radicalização da democracia, a plena transparência dos poderes e a construção mais sólida e eficaz das bases da cidadania.

Sobretudo com ética, moral, sensatez e com o desafio de construirmos um Brasil que respeite a sua história e a sua vocação, fortaleça democraticamente as suas estruturas e apresente um programa viável para conquistarmos mais dignidade, igualdade e justiça social. Enfim, que nos dê motivos reais e legítimos para nos sentirmos em casa e construirmos um futuro melhor.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Vote nos candidatos a deputado do PPS

O PPS de São Paulo integra a coligação que apóia José Serra para presidente da República e Geraldo Alckmin para governador do Estado. Para deputado federal, apresenta 24 candidatos na chapa conjunta com PSDB e DEM. Para deputado estadual, são 108 candidatos em chapa própria.

Chegou-se a cogitar a candidatura da jornalista Soninha Francine, pelo PPS, ao Senado ou ao Governo. Mas, em congresso partidário, decidiu-se manter a coesão da aliança em torno de Serra e Alckmin, que já havia lançado Orestes Quercia e Aloysio Nunes como candidatos ao Senado.

Assim, o eventual lançamento ao Senado, como se pretendia, da ex-vereadora, subprefeita da Lapa e candidata à prefeita de São Paulo em 2008, embora fosse bastante positivo para o PPS e desejado pela sua militância, foi visto como obstáculo pelos demais partidos coligados.

Portanto, Soninha Francine, que é hoje uma das principais lideranças do PPS e símbolo da uma nova política que buscamos para o país, participa da coordenação da campanha de Serra e desde já é pré-candidata à Prefeitura de São Paulo em 2012.

Deputados federais

O PPS tem hoje três deputados federais que buscam a reeleição por São Paulo: Arnaldo Jardim, Dimas Ramalho e William Woo. Além disso, tem entre os seus 24 candidatos opções como o presidente nacional do PPS, Roberto Freire; o advogado Ari Friedenbach; o ex-prefeito de Indaiatuba José Onério; e a professora e vereadora de Taubaté, Pollyana Gama; entre outros.

Deputados estaduais

São cinco deputados estaduais do PPS paulista que buscam a reeleição: Alex Manente, Davi Zaia, Dr. Gondim, Roberto Morais e Vitor Sapienza. Além deles, destacam-se entre os 108 candidatos o vereador paulistano Dr. Milton Ferreira, o eterno ídolo palmeirense Ademir da Guia, e a vice-prefeita de Pindamonhangaba Myriam Alckmin, entre outros.

Confira aqui a relação completa de candidatos do PPS a deputado estadual e federal.